banner ad

248 dias ligado pode ser um problema para o Boeing 787

E eis que um desses nerds de laboratório, a quem devemos soluções para os problemas que possivelmente jamais existiriam [a não ser no próprio laboratório], descobriu um bug no Software que controla as GCU’s (Generator Control Units) dos Boeings 787. GCU’s são caixas de controle para os geradores elétricos.

nerd

O bug aparece se o avião permanecer ligado por 248 dias seguidos (8,2 meses), condição que poderia fazer com que o avião perdesse toda a sua força elétrica. Não que isso fosse derrubá-lo, já que a RAT (Ram Air Turbine) entraria em ação neste caso e a aeronave pousaria em segurança.

O 787 tem 2 geradores de 250KVA em cada motor, mais dois de 250KVA no APU (1500KVA por avião, tem cidade que não consome isso de energia). Cada gerador é controlado por uma GCU e é justamente no software dessas GCU’s que poderia ocorrer um “overflow” no contador e causar um desligamento dos geradores por “fail safe”, independente do avião estar em voo ou não.
A cada vez que o avião é desligado, o contador das GCU’s “reseta” e o problema desaparece pelos próximos 248 dias. A correção do bug será disponibilizada em Outubro deste ano.

Quais são as chances de um Boeing 787 ficar ligado por uma semana? Quase zero.

Quais as chances de ficar ligado por 8 meses?

Zero.

No entanto é muito reconfortante saber que em laboratório testam-se os equipamentos para as condições que jamais serão vistas na vida real e assim vamos acumulando cada vez mais recordes de segurança no transporte aéreo comercial.

Graças aos engenheiros. E graças aos nerds.

787-10 Artwork

Tags: , , , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
  • Nairon

    É incrível até que ponto vão os testes na aviação. Imagine um avião ficar 8 meses sem passar por uma manutenção que precise desligar tudo…

    • kleber peters

      Sempre tira o negativo primeiro… sempre… heheheh… Mas o interessante é que estes testes também ajudam para o caso de algum bug. Vai que o contador fica maluco? Shit happens… :-/

  • Rodrigo Lombardi

    “ficar ligado por uma semana? Quase zero.” Onde cabe o quase?

    • Não posso falar pelo procedimento de todas as empresas operadoras, mas a que eu trabalho o avião não fica uma semana sem ser desligado, por “n” motivos.

  • Márcio Viotti

    Aproveitando essa questão do avião desligar, fiquei com uma dúvida. Quando o avião é desligado, ele é “trancado”, como em um carro? Desculpa a pergunta ingênua, mas sempre pensei na segurança dos aviões desligados no pátio…

    • Antonio Marcos

      kkkkkkkkkkkkk

    • O procedimento é o mesmo dos automóveis: o piloto coloca trava ou corrente no manche, verifica se todas as janelas estão fechadas, chaveia as portas, liga o alarme e reza para não aparecer ladrão. Principalmente se o seguro estiver vencido.
      Sorry, Márcio: hoje é uma noite alegre no RS, regada à cerveja artesanal, e não resisti… ;)
      Agora falando sério: Lito e Gustavo é que podem confirmar, mas até onde sei nas aeronaves comerciais do porte de Boeings e Airbuses as portas são fechadas apenas com as alavancas padrão, que podem ser abertas a qualquer momento por fora (no caso das aeonaves paradas em solo).
      A questão é: qual ladrão estaria habilitado a acionar, manobrar e decolar um avião?
      Talvez um terrorista que tivesse feito curso intensivo de pilotagem…
      Mesmo assim ele teria que passar incólume pela segurança do aeroporto, não chamar atenção dos mecânicos (que trabalham a madrugada inteira) e ainda achar uma aeronave abastecida e livre de obstáculos à frente (ou então levar um comparsa para fazer o pushback).
      É importante salientar que há várias pessoas envolvidas em um voo.
      Não é só chegar piloto e copiloto, ligar os motores e partir.
      Aliás, quem de sã consciência decolaria um avião sem os informes atualizados da manutenção?
      Talvez um jatinho particular já seja mais “fácil” de roubar.
      Se esses não tiverem porta chaveada.
      Abraço.

      • Quem? Só alguns caracteres: N844AA. Luanda, Angola, 25 de maio de 2003… E mesmo não chegando a tanto, “quem em sã consciência”? O Lito conheceu um monte de caras que não tinham nenhuma sanidade nem consciência, não muito longe dali, em Kinshasa, no então Zaire (atual República Democrática do Congo). Welcome to Africa operations…

      • Rafael Rodrigues

        Quem?
        Uma galera estaria inserida nesse grupo de pessoas que “poderiam” roubar uma aeronave.
        Só o termo “avião roubado” retorna mais de 1.000.000 de ocorrências no google e olha eu pus em português. “Stolen aircraft” retorna dez vezes mais.

        • Peraí… Mas de que tipo de aviões vocês estão falando? Um Cessna até eu roubo…
          Outra coisa: o número de retornos no Google não significa o número de ocorrências efetivas, já que uma mesma notícia é replicada em vários sites e é igualmente indexada pelos buscadores.
          Ok, teve um B722 roubado em LUANDA, citado pelo Goytá…
          Deve ter monomotores a pistão, aeronaves de colecionadores, aviões de propriedade particular e até jatinhos de empresas de táxi aéreo roubados por aí. Mas quantas aeronaves de linha comercial em países relativamente sérios?
          Gente maluca eu sei que tem em todos os lugares, especialmente onde tem extremistas, guerra civil, etc.
          No hipotético dia em que roubarem um Airbus da Lufthansa ou um Boeing da United, seguramente vai ser a hora de colocar trava no manche/sidestick, fechadura nas portas e alarmes antifurto nos aviões.

          • Rafael Rodrigues

            Não desqualifique o argumento do Google.
            É evidente que os valores 1.000.000 e 10.000.000 foram colocados para ilustrar que o furto de aeronaves não é nem de perto uma atividade rara como deste a entender em seu primeiro post.

            Acho que 2015 todos nós já conseguimos entender que as respostas do google não são “únicas”.

            De toda forma, sugiro que faça esta pesquisa e veja como são comuns e diversas as notícias de roubo pelo mundo.

          • Mas como se mensura dados com base em retorno de buscadores? Só o termo “germanwings crash” apresenta 28.600.000 resultados…

          • Rafael Rodrigues

            Não vou poluir a caixa do AeM para discutir bom senso. Eu concordo contigo e encerramos por aqui.
            Bom fim de semana!

          • Bom final de semana, Rafael.

      • Walter V J

        Tem um pessoal especializado em “roubar” aviões pelo mundo. Esse tipo de “resgate” é muito complexo, demanda uma equipe de profissionais como em uma empresa aérea.

        https://www.youtube.com/watch?v=m-GJGEgE0SQ

        • Humberto Kubrick

          Muito bom esse programa…

        • Cesar Machado

          Olá Walter, gostei especialmente das (aspas) ” na palavra roubar, como se pode ver nesse mesmo capitulo desse (muito interessante) programa, o termo correcto deveria ser (parecido ao original ingles repossessed) recuperados, em nenhum capitulo deste programa roubam qualquer avião, o que estes senhores (todos eles pilotos altamente qualificados) é recuperar aviões que estão a ser usados por gente que não os pagou, ou seja, quem é o ladrão no meio dessa história? o que recupera algo que nõa foi pago ou o que usa sem pagar? P.S. Gostaria de ver como fariam para voar com um avião comercial roubado, como adulterar registros de matricula entre outras coisas e ninguem fazer nada… Ai que medo se algum dia a segurança da aviação fosse levada tão “à ligeira” como o resto dos temas sociais…

          • Walter V J

            Olá César, no programa dá para perceber que o “resgate” exige muito planejamento e uma equipe de profissionais, porem, é preciso “driblar” algumas questões burocráticas e técnicas. Usei o vídeo para ilustrar a especificidade da aviação e tudo que a envolve.
            Abraço!

          • Dario Lemos

            Tem um programa no Discovery Turbo (23-1) que mostra como são os resgastes não apenas de aviões (jatinhos, turbo-hélices) mas também de barcos, iates, lanchas, carros, etc…

          • MOACYR LOPES DOS SANTOS

            O programa é sobre recuperações judiciais de aviões, iates, etc. Mas tem cada absurdo em termos de segurança que, convenhamos, é de duvidar que não foi combinado. Mas é um bom programa, sem dúvidas. Um abraço.

          • Rids

            Isso aí Moacyr. Lembrem-se que é TV, entretenimento. E, pior, é nos estadusnibrus, terra do reality show. Alguém já viu uma equipe de filmagem dessas? São oito, vinte, trinta pessoas, câmeras instaladas dentro do avião, fixas no hangar, na pista de pouso, que acompanham iluminação… Só a captação de som outdoor requer microfones específicos, daqueles que o Costinha fazia “baum!”. Vamos assistir criticamenmte…

    • Vamos lá. Depende do avião. Se você pensar em um EMB120, ATR, F50, F100, E175 que são o que eu tenho base pra falar, é literalmente desligado tudo (inclusive a bateria), fecha a porta e tchau! Não existe uma chave exatamente (ainda que exista a tranca no caso dos ATR, que tem chave, mas essa chave acaba ficando na sede da empresa e só é utilizada em caso de um storage excessivo).

      Como o pátio do aeroporto é uma área restrita, não rola de alguém invadir facilmente. Já aviões menores podem ser até amarrados no pátio e aí sim tem chave que tranca.

    • Fabio Malvar

      A questão que passou pela minha cabeça nem foi de alguém roubar um 787, repintar e vender para outro país com o chassi adulterado. Rs
      A questão que passou pela minha cabeça é que uns malucos podem invadir o pátio e roubar um avião para fazer um atentado. Se um cara tem coragem de bater de frente com um prédio, ele não tá nem um pouco preocupado em fazer check list de manutenção ou de procedimentos de vôo. Se o avião tiver liberado e ele souber pilotar, o maluco vai taxiar e decolar. Quem vai entrar na frente dele?

      • Esse foi exatamente o medo que tiveram quando roubaram o 727 em Angola, apenas um ano e meio após os atentados de 11 de setembro. Mas aparentemente, o avião rumou para o Atlântico e caiu por lá, por incompetência ou suicídio de quem o estivesse pilotando (o aeroporto de Luanda não tinha radar na época e não se sabe para onde o avião rumou, mas se tivesse pousado ou caído em terra, já o teriam achado – pode apostar que na época os americanos botaram todos os satélites deles para procurar o avião).

        Agora, para roubar um avião dessa maneira, só mesmo num aeroporto pouco movimentado e de lugar pobre (como era Luanda). Ninguém conseguiria fazer isso em Heathrow, Frankfurt, JFK, Narita, Hong Kong ou Dubai. Acho que nem no Galeão ou em Guarulhos (embora eu não tenha tanta certeza…). Muito antes de o avião chegar à pista de decolagem, colocariam algum obstáculo na frente dele para detê-lo (e num aeroporto supermovimentado como os exemplos citados, a própria fila de decolagem se encarregaria disso).

  • tarssis alves lima

    kkkk

  • Lucas Timm

    Aumentaram uma variável de int pra bigint. Problema resolvido. :P

  • Felipe Bachian

    Até o renomado Verge entrou na pegada das matérias absurdas e sensasionalistas.

    http://www.theverge.com/2015/5/1/8530737/787-dreamliner-software-bug-faa

    • YagoG.

      Li alguns comentários, espero que alguma alma caridosa e sensata explique que não é assim.

  • Welisnei França

    Talvez estão tentando usar um 787 pra quebrar o recorde de Timm e Cook (http://www.avioesemusicas.com/quantas-horas-voce-acha-que-um-cessna-172-seria-capaz-de-voar-sem-pousar.html)…
    Esse mesmo nerd poderia propor uma solução para o reabastecimento do 787 durante um rasante… rsrsrsrs

  • Nerd

    Achei grosseria e preconceito com os “Nerds” que sao profissionais muito bem estudados que fazem testes que podem nunca acontecer mas sao os mesmos que tambem descobrem falhas reais

    • Tah e ai?

      Sent from my mobile
      http://www.avioesemusicas.com

    • Acho que você não merece o nick que usa, pois não consegue interpretar um texto em que há um agradecimento aos Nerds e ainda pra achar que foi preconceituoso tem que ser muito obtuso . E qual seria a categoria profissional Nerd?

      • Conheço o Lito já há alguns anos e sei que ele odeia preconceitos de qualquer espécie. Também sei que ele mesmo tem um lado nerd – aliás, bastante considerável – e embora eu não o tenha conhecido quando jovem, imagino que ele tenha sido um adolescente nerdíssimo. Mas acho que ninguém está isento de ocasionalmente fazer um vacilo e repetir preconceitos e estereótipos sociais sem perceber e sem intenção. Como eu sempre fui e continuo sendo para lá de nerd até a medula, de fato houve alguns trechos desta postagem que me fizeram levantar as sobrancelhas.

        A imagem escolhida, então, é tão estereotipada que só mesmo rindo dela – até porque retrata um nerd de antigamente. Os de hoje são bem mais descolados, até porque têm mais autoestima e amor-próprio, e se aceitam como são, até com orgulho. A Internet os fez descobrir que são muito mais numerosos do que achavam, e quando dois ultra-nerds são citados como exemplos máximos de homens de sucesso – Bill Gates e o falecido Steve Jobs – isso só pode fazer muito bem ao ego de qualquer nerd.

        Uma coisa que poucas pessoas percebem é que vivemos num mundo cada vez mais interdependente, em que pessoas de diversos perfis e competências são todas necessárias. E o mundo já descobriu que nerds são muito valiosos e sem eles o mundo atual não funcionaria. Como continuam aparecendo cada vez mais nerds e a seleção natural não parece estar se livrando deles (muito pelo contrário), alguma função eles têm. Bill Gates alterna-se no primeiro lugar das listas dos homens mais ricos do mundo com o mexicano Carlos Slim, dono de um império que inclui, aqui no Brasil, a Claro e a Embratel. Slim não poderia ser menos nerd: é um homem do mundo, um “self-made man”, daqueles filhos de imigrantes libaneses superbatalhadores, pé no chão e com um tino comercial fabuloso. É o oposto total de Bill Gates, mas o fato de ambos terem sido tão bem-sucedidos por vias tão diferentes diz muito sobre o mundo de hoje. Precisamos dos dois.

        • Rafael Rodrigues

          Na foto tem até o esparadrapo nos óculos. Mais clichê impossível.

      • Wagner Guimaraes

        Eita! Fatality!

  • muzachi

    Desculpa minha ingnorancia, mas o que seria ficar desligado????

    • Gustavo Pilati

      Desligar todos sistemas. Motores, APU e bateria. “Cold and Dark” (ou Hot and Dark se for no sol de 40°C haha)

  • Pior não é isso, Lito.
    Perigoso mesmo é que no 248º dia, quando o nível de carga elétrica do 787 estiver em apenas 1%, meus estudos demonstraram que pode ocorrer um fenômeno chamado Arco Elétrico Recursivo, onde o sistema de controle do avião pode sugar energia dos capacitores do sistema de entretenimento.
    Isso é semelhante ao comportamento do corpo humano quando está diante de desidratação severa: o cérebro retira água de órgãos menos importantes para postergar a falência de órgãos vitais.
    O problema é que nesse caso o Arco Elétrico Recursivo faz uma ponte entre o sistema de entretenimento e o sistema de comando do avião, abrindo brecha para um ataque hacker de nível elevado.
    Como meu campo de provas é limitado pelo FSX, não posso afirmar que será possível tirar a aeronave do solo pelo touchscreen do assento de um passageiro.
    Em todo caso o pessoal do UOL e da Veja podem me contactar para ampliarmos essa história e alinhavar uma matéria.

  • André Micheloto
    • A Inglaterra não seria a mesma sem a Rainha, sem o chá, sem a chuva e o nevoeiro (se bem que peguei Londres com sol e céu azul o tempo todo) e sem os tabloides escandalosos – uma instituição tão britânica quanto as demais citadas. Sem eles, jamais saberíamos informações tão vitais quanto, por exemplo, que o Príncipe Charles queria ser o Tampax da Camilla (quando ele ainda era casado com a Diana)… Até que o Independent não segue totalmente o formato do Daily Mail, do Daily Mirror e do finado News of the World (que fechou porque exagerou na dose e não resistiu ao próprio veneno do escândalo). Já foi um jornal que fazia jus ao nome e que era muito interessante. Mas aí foi adquirido por uma sucessão de magnatas (o atual dono é um daqueles bilionários russos) que mexeram em tudo e, embora ele ainda conserve um verniz de respeitabilidade, hoje é apenas um pouco menos ruim que os outros. Legível atualmente, dentre os jornais ingleses, só mesmo o Guardian (que ainda é ó-ti-mo e sou assíduo frequentador do seu Web site).

      E pode se preparar, porque em nenhum lugar do mundo a imprensa descobriu ainda como ganhar dinheiro na era da Internet e as coisas só tendem a piorar…

    • Dario Lemos

      Mas a Inglaterra é a “terra” do sensacionalismo. De qualquer forma, existe o seguinte parágrafo na reportagem “The company told the Guardian that the problem has only occurred in the
      lab and that all of the planes in service have been turned off and on
      again as part of regular maintenance.”, mas duvido que a mídia dê a devida importância, deixando para aterrorizar ainda mais quem tem medo de avião ou deixar desconfortáveis as pessoas que utilizam esse meio de transporte.

  • Nerd

    Engenheiros e Nerds…. sempre odiados pela area técnica…. engraçado que quem projeta esses aviões que são maravilhas da tecnologia são os ratos de laboratório chamados de Engenheiros e Nerds… estranho né? deviam ser os técnicos…

    • Não confunda nerds com engenheiros…
      E tampouco nerds com profissionais, embora até haja profissionais com características nerds.
      Um nerd pode se tornar engenheiro (vários se tornam).
      Mas enquanto não tiver uma graduação ele vai ser apenas nerd.
      Aviões são projetados por engenheiros, não por nerds.
      Eu admiro nerds tanto quanto admiro hackers, porque eles se dedicam de forma autodidata a um saber específico e geralmente obtêm um nível de conhecimento compatível ou até superior a uma Academia, em que pese a renúncia social que geralmente os acompanha (e um nível de maturidade que normalmente deixa a desejar).
      Quando começam a sair dos quartos escuros e dar contribuições efetivas à sociedade eles são sempre bem-vindos.
      Mas aí geralmente já viraram engenheiros, físicos, arquitetos, etc.

  • Luciano Gurski

    quanto tempo os avioes de linha tipo boeings e airbuses ficam ligados direto (nos casos mais extremos)?

    • Depende do cenário utilizado pelo operador. Mas vamos falar de Brasil, eu duvido muito que um Airbus ou Boeing chegue a 24 horas seguidas. Em algum momento simplesmente não há porque estar com bateria ligada e ela será levada a OFF, mesmo que, 1, 2 horas depois retorne ao batente.

      • A GOL tem uma das maiores médias de horas-bloco por aeronave no Brasil, estando hoje em 11,4 horas/dia.
        Já foi 13,6 horas/dia, no auge da companhia e antes da reestruturação da malha.
        A hora-bloco não dá uma medida exata do uso de energia porque só leva em conta o tempo de voo e táxi, então há que se considerar ainda o tempo parado no gate/finger e o tempo no hangar para manutenção, por exemplo.
        De qualquer maneira isso indica que as aeronaves que operam voos domésticos no Brasil não devem mesmo chegar a 24 horas ON.

        • Esse conceito de hangar é furada… deixa a entender que todo lugar tem um hangar pra guardar o avião e trabalhar. E o tempo parado em pátio, geralmente é APU ON ou GPU ON… logo está energizado. Daí como eu disse, em OFF total no mínimo (mesmo em alta utilização) rola 1, 2, 3 horas… a depender do trilho que o avião esteja fica fechadinho tranquilamente por 4, 5 horas

          • Of course.
            Eu quis me referir ao tempo destinado à manutenção, onde obviamente a aeronave vai estar operante.
            Não sei nem porque citei “hangar”.
            Não tem nem como haver hangar para tantos aviões.

          • Mas na cabeça da imprensa qualquer galpão rs se torna um hangar rsrs…

  • edinho

    kkkkkkkkkkkk
    cade a chave geral?

  • Phillip Daldon Leroy

    Hey Lito, não está relacionado com o assunto, mas você ouviu falar disso?
    http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/05/novo-airbus-e-montado-com-mais-de-mil-pecas-impressas-em-3d.html

    Sei que pode ser confiável, mas a verdade é que soa estranho, não soa? rs

    Abs!

    • Os bicos injetores e diversas outras partes do motor GEnx do 787 também são impressas. Soa estranho porque as pessoas associam a plástico quando falam impressão 3D, mas é algo muito mais evoluído.

  • João Lucas Bragança

    Lito,
    Primeiramente parabéns pelo blog! È leitura diária obrigatória pra mim!
    Gostaria de saber algumas coisas:
    1- Pq turbo helices voam mais baixo e mais devagar que jatos?
    2-Qual a função do Pitch Trim e do Ruder Trim?

    Peço desculpas se ja abordou estes temas, mas é pq estou lendo as postagens de tras pra frente e ainda to na pagina 3 ou 4…rsrsrsrsrs!
    obrigado!

    • 1- Aerodinâmica
      2- Está na pauta do Aerolito #8, stay tunned.

  • Clayton Roberto

    Em relação ao design deste B787 e do A350, fico com o B787, o bico do 787 é mais bonitinho…

Topo