banner livro

A história de um Electra que jamais voltará a ser vendido

Esta é a história de uma raridade: Um dos mais desejados kits da Revell para montar na atualidade, o kit do Electra de 1957 em escala 1/109
Continuem lendo a história e vejam a surpresa que tem no final.


Foto da caixa do primeiro lançamento do Electra, O kit “S” H255-98 de 1957

Quando a Lockheed mostrou a sua aeronave turbo hélice 188 ao mundo, ela foi considerada como a “entrada da América na era dos jatos” e certamente destinada a ser um clássico da aviação. Entre os que ficaram encantados pela promoção do Electra pela Lockheed estava a Revell, Inc. de Venice, California, uma pequena companhia conhecida pelos modelos plásticos que fazia de vez em quando.

Com todo o entusiasmo da empresa e a benção da Lockheed e da American Airlines, a Revell iniciou os planos para produzir um modelo em escala 1/x do aclamado Electra.

Logo depois que o modelo começou a aparecer graciosamente nas prateleiras das casas de plastimodelismo, a aeronave de verdade começava a enfrentar um terrível problema: as asas partiam em voo e dois acidentes sem sobreviventes colocaram em cheque a sobrevivência do próprio projeto da Lockheed. Ao mesmo tempo, a entrada em serviço do 707 jato puro da Boeing colocou um ponto final na popularidade do Electra.

As vendas do modelo da Revell começaram a cair rapidamente também.

O custo de produzir uma Matriz de um modelo é da ordem de dezenas de milhares de dólares, se um modelo não vende bem nas prateleiras, ele está custando muito dinheiro para a empresa que o fabrica.

Portanto, se algum tipo de conversão no modelo pudesse transformá-lo em sucesso de vendas, a Revell faria sem pensar. Com o sucesso que a Marinha Americana estava tendo ao adaptar o Electra para o Orion (o Electra de Patrulha Marítima), a matriz da Revell passou a ser candidata a fazer a mesma mudança.

Como plastimodelo, o Electra não foi um sucesso de vendas. Muito raramente matrizes de modelos são copiadas (duplicadas). Uma cópia de matriz só é feita se o modelo tem previsão de ter uma longa história de vendas, o que não era o caso do Electra.
Desta maneira, apenas UMA matriz do Electra foi criada. Qualquer rumor de que foi criada uma duplicata da Matriz pela Revell é mentira.


Esta é a capa do modelo da Revell do Brasil (Kikoler) lançada nas cores da Varig, mais raro que mosca branca falando chinês

No outono de 1963, a gerência da Revell tomou a decisão de converter a matriz do Electra em um P-3A Orion. Algumas conversões são feitas de uma maneira que partes novas são substituídas por antigas tornando-se intercambiáveis (podem ser produzidos modelos novos ou reverter para o antigo), como foi o caso do kit da Revell do Lockheed Super G Constellation, que tanto pode ser injetado como o modelo civil ou militar WV-2 Warning Star (ver fotos abaixo)
Cada modelo pode ser feito usando a mesma matriz apenas adicionando-se outras partes na conversão.


O Super G Constellation nas cores da Eastern Airlines


O mesmo modelo em versão militar WV-2

Agora de volta ao Electra. Por causa da péssima venda do modelo, havia a certeza de que o modelo nunca teria demanda por parte de compradores. Por causa disso, ficou determinado pela Revell que a matriz seria modificada para se transformar no P-3A, já que para fazer a conversão com peças intercambiáveis sairia bem mais caro para um modelo que já não vendia quase nada.
Esta decisão tomada em 1963 decretou a morte do Molde (matriz) do L-188 da Revell.

P-3A Orion de meados dos anos 60 , feito do molde original do Electra

Esta é a história verdadeira de um modelo que não existe mais e não pode mais ser recriado (as escalas usadas nos anos 50 são diferentes das usadas hoje, como 1/72 ou 1/144. A do Electra parece ser 1/109).

Agora imaginem se alguém tivesse um kit raro deste guardado e sem montar?
Agora imaginem se essa pessoa resolvesse colocar no E-bay esse modelo raríssimo e lacrado na caixa?
Agora imaginem que um mecânico brasileiro apaixonado pelo Electra dá de cara com um anúncio destes?
Imaginem que o mecânico entra em contato com o vendedor do raríssimo modelo para negociar o preço de venda anunciado e consegue um preço justo pelo valor emocional e histórico.
Imaginem que o modelo será enviado para o hotel que este mecânico vai ficar durante a feira de Oshkosh.

Dá pra acreditar que isso aconteceu? Dá pra perceber o quanto eu estou feliz?
Pois acreditem, eu sou o dono deste raríssimo modelo de Electra da Revell de 1957 que jamais será produzido novamente! :D

A história do modelo foi traduzida deste site

Tags: , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo