banner livro

A responsabilidade com a informação correta em Blogs

Já faz uns dias que venho pensando sobre a responsabilidade de tentar escrever de maneira simples sobre um assunto tão complexo quanto os intricados parafusos e porcas presentes em um avião.

Faz uns dois meses até passei um email para os colaboradores aqui do AeM alertando para o fato de que o crescimento da audiência do blog trazia junto uma maior responsabilidade sobre o que escrever e sempre checar as fontes, pois além de ser impossível alguém saber tudo sobre uma única aeronave (quem dirá sobre a aviação), as coisas mudam constantemente, o que é verdade hoje pode não ser amanhã.

Nós, que trabalhamos com manutenção de aeronaves comerciais, temos que ter a responsabilidade de imprimir uma referência de manual de manutenção com instruções para trocar uma simples roda, mesmo tendo feito isto mil vezes antes. E por quê?
Porque algum procedimento pode ter mudado durante a noite, e ao invés de usar graxa A agora tem que usar a graxa B em virtude de algum incidente em algum lugar remoto do planeta com algum operador.

Um mecânico bem preparado é o que está sempre bem informado sobre as mudanças e melhor ainda, o que sabe onde buscar as informações que precisa para fazer seu trabalho.

Resolvi falar sobre isso hoje em virtude de uma discussão saudável no Twitter que questionava a minha informação no post do pouso de barriga, sobre o sistema alternado de extensão do trem de pouso do Boeing 767.

Começou assim:

Então eu respondi com uma referência de SSM (Systems Schematics Manual) da própria Boeing que mostram os cabos e quadrantes do sistema alternado de extensão:

Então recebi a imagem abaixo, com a informação que fez a pessoa questionar que de fato o sistema alternado era apenas elétrico:

Agora vou abrir um parênteses aqui: quando eu falo discussão não quer dizer que eu estava “brigando” com a pessoa, e sim argumentando. Para ter argumentos é preciso ter fontes e o rapaz possuía fontes, só que no caso era um FOM (Flight Operations Manual) do Smartcockpit.com.

Os manuais disponíveis no smartcockpit são muito bons para dar uma idéia geral de um determinado avião, mas pelo fato de serem manuais direcionados aos pilotos, falta neles a profundidade de informações que existem nos manuais oficiais de manutenção de aeronaves (que é minha bíblia).

Quando um FOM diz que o Alternate Landing Gear usa um motor elétrico para destravar os trens, ele não entra em detalhes de como isso ocorre, simplesmente porque o piloto não precisa saber disso, o piloto não precisa saber que este motor elétrico vai virar um torque shaft, que vai virar um quadrante, que vai acionar cabos e destravar os uplocks, ele só precisa saber que o “bagulho” é elétrico, ou seja, se tiver energia vai funcionar.

Quando ocorreu o acidente com o Air France 447, eu participava de alguns foruns de aviação em que muitos usuários se baseavam no FCOM (Flight Crew Operating Manual) para afirmarem seus pontos de vista, no entanto como já falei, os FCOMs não possuem a profundidade suficiente para entender como funciona todo um determinado sistema de uma aeronave, ele apenas dá uma pincelada e pode induzi-lo a achar que algo é de um jeito quando na verdade é de outro.

Se você imprimir um FCOm inteiro, vai dar umas 200 gramas de papel. Se imprimir só a ATA 32 que trata de trem de pouso de um 767 vai dar uns 2 quilos….rs…com uns 3 quilos de tolerância para mais ou menos..rs

Mas voltando ao assunto, mostrei as imagens do manual da Boeing com os cabos e quadrantes e com o número da referência, que pode ser consultado por quem tiver acesso a este tipo de documento:

Estes argumentos via Twitter serviram apenas para provar o ponto de vista da responsabilidade ao escrever assuntos técnicos em um blog como o AeM que a cada dia tem mais visitas, e por isso já respondo a um leitor que pediu a abertura de uma seção técnica aqui no Blog: não é possível fazer isso em termos práticos.

Toda discussão é saudável.
Com discussões é que aprendemos mais, e estudamos mais, pois ninguém tem a posse de toda a verdade.

E só para encerrar: este papo de informação correta vai ficar bem visível quando eu terminar de escrever o post sobre o Electra mal assombrado, afinal vai ter informação da imprensa…e vocês sabem o quanto a imprensa informa errado né?…rs

Tags:

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo