banner ad

Acidente com o Flydubai FZ-981 no pouso em Rostov on Don na Rússia – Atualizado 05 Apr 2016

Update 1: Novo vídeo mostra queda de outro ângulo – Clique aqui
Update 1: Informações preliminares dos gravadores de voo – Clique aqui

Flydubai A6-FDN acidentado

Flydubai A6-FDN acidentado

Um Boeing 737-800 da Flydubai, matrícula A6-FDN que fazia o voo FZ-981 de Dubai (Emirados Árabes) para Rostov on Don na Rússia com 55 passageiros e 7 tripulantes se acidentou durante o pouso, não há sobreviventes.

Muita gente obviamente quer a minha opinião quando acontece um acidente na aviação comercial. Mas eu só posso falar dos fatos. Se eu fosse emitir opinião, seria para externar toda uma tristeza e desconforto que acontece na comunidade aeronáutica quando algo assim ocorre.

História do voo

O voo havia arremetido na primeira aproximação para a pista 22 de Rostov às 01h41 devido às condições meteorológicas e inicialmente entrou em holding a 8000 pés. Após 30 minutos de espera, subiu para 15000 pés (FL150). Depois de duas horas de espera e questionamentos constantes de como estava o tempo no aeroporto, a aeronave iniciou uma nova descida para efetuar a aproximação para a pista 22. Os ventos estavam com intensidade de 27 nós (aprox 48 km/h) com rajadas de 42 nós (aprox 78 km/h!) neste momento. No áudio do ATC (Controle de Tráfego Aéreo) que deixo abaixo, é possível perceber que tudo estava normal na segunda aproximação e que o tripulante informa estar estabilizado no localizer e avisa a torre que em caso de arremetida vai subir para 8000 pés. Já mais próximo ao pouso avisa novamente que está “established on the localizer”, ou seja, alinhado com a pista, mas em seguida informa que está arremetendo – a voz do piloto está absolutamente normal. A torre então pede para eles mudarem a frequência de comunicação para 121.2 e a informação é cotejada naturalmente pelo PNF (pilot not flying):

_One Two One Two, Bye Bye.

O que acontece logo em seguida é algo que só saberemos com o resultado das investigações. O que podemos afirmar é que até este momento da gravação o avião está em perfeitas condições, bem como a tripulação. Havia combustível suficiente para a viagem, para alternar, para contingências, mais 30 minutos de reserva e um adicional de 2:30 para holding (esperas), ou seja, havia autonomia de voo para 8.5 horas e a aeronave estava voando por 6 horas no momento do acidente.

Apesar do PNF ter informado que estava estabilizado no Localizer, dados de radar sugerem que na final [da aproximação], a aeronave estava à esquerda do localizador, aproximadamente à esquerda da margem esquerda da pista e corrigiu para a direita um pouco antes do “flare” (aquela puxadinha de nariz antes do toque), porém a asa bateu na pista. Estas informações constam do AvHerald, mas ainda são informações iniciais que não podem ser analisadas sem outros dados, afinal um microburst poderia causar a mudança de trajetória sem que houvesse comando dos pilotos; além do mais por que ele fariam um “flare” para o pouso se haviam anunciado o GoAround (arremetida)?.

Por estes e outros motivos que temos que esperar as investigações.

Há alguns vídeos mostrando uma queda e explosão, mas NÃO SE DEVE CONFIAR EM NADA vindo daquelas bandas até que haja confirmação de autenticidade. Esse vídeo por exemplo, que dizem ser dele, me levanta alguns questionamentos:

  • As árvores não balançam com a mesma intensidade que deveriam com o vento que estava no momento
  • Não aparenta estar chovendo
  • Como um vídeo de câmera de segurança é postado tão rápido?

É preciso ser muito crítico em relação à esse tipo de coisa que vocês acham na Internet. Pode ser verdade? Pode, mas sempre desconfiem. O post será atualizado conforme eu saiba mais detalhes.

Update: observando mais atentamente, a câmera aparenta estar balançando com o vento, mas ainda prefiro esperar a confirmação de autenticidade do vídeo. Estou viajando e apenas com o celular, o que complica um pouco definir algumas coisas.

Áudio da torre.

A Flydubai (Dubai Aviation Corporation – مؤسسة دبي للطيران, em árabe) é uma companhia aérea de baixo custo dos Emirados Árabes Unidos, que possui em sua frota apenas 737-800 e algumas encomendas de 737MAX.

Update 1: Novo vídeo

Um novo vídeo mostra uma outra perspectiva do acidente. O vídeo anterior que eu havia mantido uma certa cautela também é autêntico. Todos os detritos já foram removidos da pista, ela já foi reparada e está funcional novamente. O gravador de dados de voz já foi recuperado e está em boas condições, estão fazendo a transcrição dos diálogos agora.

Voice Recorder sendo desmontado para recuperar os módulos de memória.

Voice Recorder sendo desmontado para recuperar os módulos de memória.

Detalhe para a pulseira anti-estática do técnico.

Update 2: Informações preliminares colhidas dos gravadores de voo

O ministro dos transportes da Rússia liberou algumas informações sobre o acidente. De acordo com o reporte, na primeira aproximação para a pista 22, a tripulação arremeteu e reportou “wind shear” na final. Eles subiram para o FL50 e sem seguida FL80 (8 mil pés), onde ficou em holding aguardando a melhora das condições. A tripulação solicitou subida para o FL150 durante a espera. Quando o ATC informou as novas condições meteorológicas, a tripulação solicitou uma nova aproximação.

Nesta segunda tentativa, na final a aproximadamente 720 pés de altura, a tripulação arremeteu novamente e subiu. A aproximadamente 3000 pés de altura, o estabilizador moveu-se causando uma parada na subida a 3300 pés e começou a descer. A aeronave chocou-se com o terreno a aproximadamente 120 metros da cabeceira da pista. Exames primários do gravador de dados não revelaram qualquer evidência de falha técnica dos motores ou de qualquer sistema da aeronave, bem como não há evidência de explosão. OS investigadores agora estão focando em como o sistema de controle de pitch (nariz em cima, nariz embaixo) funciona e como foi o trabalho da tripulação durante a arremetida.

Estas informações oficiais são muito parecidas com o que a imprensa reportou há alguns dias, mas que foram veementemente rechaçadas pelo órgão investigador (MAK).

Tags: , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo