banner pneufree.com

Acidente com o Metrojet A321 sobre a península do Sinai #7K9268 – Updated.

Update 1: 01 Nov – Razão de Descida – Clique aqui

Update 2: 01 Nov – Investigação e falha no ar – Clique aqui

Update 3: 06 Nov – Possível bomba a bordo – Clique aqui

Update 4: 17 Nov – Russia informa ter encontrado traços de explosivos – Clique aqui

Um Airbus A321 operado pela empresa russa Metrojet, com matrícula EI-ETJ e que fazia o voo 7K-9268 de Sharm El Sheik no Egito para São Petersburgo na Rússia foi encontrado acidentado sobre o Monte Sinai no Egito. Havia 217 passageiros e 7 tripulantes a bordo.

EI-ETJ em foto do Plannespotters

EI-ETJ em foto do Plannespotters

Assim como todos os acidentes em época de “Social Media”, as informações chegam todas desencontradas e cheias de ruído, gerando as mais absurdas especulações (e óbvio, teorias de conspiração). Até mesmo o nome da empresa tem aparecido erradamente como Kogalym Avia, que era o antigo nome da Metrojet (ver comentário do Goytá abaixo e este link). Nesta pequena barriguinha abaixo, o G1 reproduz uma foto do Facebook totalmente equivocada, afinal Facebook não é fonte para nada a não ser desinformação.

Um 747 da KLM ilustrado como um avião da Kogalym

Um 747 da KLM ilustrado como um avião da Kogalym Avia

O que há de fato até agora é que a decolagem foi normal, sobrevoando o NDB NWB a aeronave curvou a esquerda para a proa de 340° para cruzar a península. O contato radar foi perdido as 04:12Z (horário Zulu em aviação é o mesmo que horário GMT ou UTC, ou seja, horário do meridiano de Greenwich).

O FLightRadar 24 fez um gif animado com o loop do voo do avião acidentado e o perfil de subida e velocidade, onde é possível observar que após atingir aproximadamente 31.000 pés, há indicações erradas de velocidade e altitude.

Fatos Conhecidos:

  • O tempo estava bom em rota

Quem acompanha o Aviões e Músicas conhecem a máxima: Devemos esperar informações preliminares dos órgãos investigadores, que são os únicos que podem dizer algo que faça sentido.

Até lá, especulações de que os pilotos reclamaram de problema nos motores, atentado, míssil entre outros são apenas isso, especulações.

O post será atualizado conforme novas informações confiáveis forem surgindo.

Update: Razão de descida a 6.000 pés por minuto não é queda

Ainda sem muito tempo para updates, mas já deixando uma coisa clara: Uma aeronave descendo a 6.000 pés por minuto não é uma queda pessoal. Aliás, em condições de descida em emergência, pode-se ultrapassar este valor desde que não ultrapasse as velocidades estruturais. Vejam este trecho de um Emergency Descent Checklist de um Airbus A320:

Captura de tela 2015-11-01 11.58.38

Percebam que o valor de razão de descida nem é mencionado (e em outros aviões apenas são monitorados). Logo, não fiquem pensando que 6000 é uma queda brusca, pois não é. Mais tarde escrevo mais.

Update 2: Investigação e falha no ar

Como sempre acontece nas investigações, já começam a pipocar teorias de conspiração sobre quem vai investigar, mentiras e outras cositas mais, assim como aconteceu no acidente do Eduardo Campos.

Pois bem, o comitê de investigação será formado pela equipe de investigação do Egito, 2 representantes do órgão Alemão de investigação, 2 representantes e 6 experts da BEA (órgão Francês) e 4 investigadores Russos, ou seja, se esta mistura de nacionalidades e isenção ainda gerar dúvidas em sua cabecinha sobre a lisura do processo, vá ver o vídeo sobre chemtrails pois o seu destino é ser conspirador.

Em relação aos destroços, eles estão espalhados em uma área de 350 x 3190 metros de acordo com as fotos postadas no AvHerald, indicando que houve separação das partes do avião ainda no ar e curiosamente bem próximo das coordenadas da última posição reportada pelo transponder. O Voice Recorder e Flight Data Recorder foram recuperados e estão em bom estado, portanto devemos ter alguma informação preliminar em breve.

Mapa dos destroços: em vermelho as partes principais, em azul destroços secundários, em amarelo as equipes de resgate.

Mapa dos destroços: em vermelho as partes principais, em azul destroços secundários, em amarelo as equipes de resgate.

Mapa dos destroços: em vermelho as partes principais, em azul destroços secundários, em amarelo as equipes de resgate.

Mapa dos destroços: em vermelho as partes principais, em azul destroços secundários, em amarelo as equipes de resgate.

Disco do Fan de um dos motores (Foto: Reuters/Mohamed Ghany)

Disco do Fan de um dos motores (Foto: Reuters/Mohamed Ghany)

Radome (Foto: AFP/Khaled Desouki)

Radome (Foto: AFP/Khaled Desouki)

Parte dianteira da fuselagem (Fotos: STR/EPA/Picturedesk)

Parte dianteira da fuselagem (Fotos: STR/EPA/Picturedesk)

O ministério de transporte da Russia (Rostransnadzor) ordenou que a Metrojet suspenda todas as operações com seus Airbus A321 até que as investigações avancem. O que isso significa? Nada, é apenas uma precaução.

Update 3: Possível bomba a bordo

A Gran Bretanha iniciou uma série de voos para o Egito para levar seus cidadãos de volta e um fato curioso: só é permitido o embarque com bagagem de mão, nenhuma bagagem despachada, o que só levanta mais as suspeitas de que foi um atentado terrorista que causou a queda da avião russo. De acordo com órgãos de impressa, a bomba estaria no porão de carga.

Há alguns fatos ainda nebulosos. Plantar uma bomba em um avião requer uma falha de segurança gigantesca ou a conivência de funcionários. Os traços deixados por explosivos são facilmente detectáveis com as modernas tecnologias, no entanto a informação de explosão está se baseando na gravação do Cockpit Voice Recorder.

A ser confirmado o ataque terrorista, este post não será mais atualizado, já que “não trabalhamos” com crime por aqui :).

Update 4: Traços de explosivos – 1kg de TNT

A Rússia informa através do seu diretor do serviço de segurança que foram encontrados traços de explosivos na aeronave, e que de acordo com experts, em quantidade equivalente a 1kg de TNT, o que explica a fragmentação da aeronave. Um ato terrorista. Obviamente agora a investigação toda passará a ser sobre a segurança no aeroporto do Egito e provavelmente mais normas de segurança serão implementadas em todos os aeroportos do mundo, especialmente em cima dos funcionários. Link da folha a respeito.

Tags: , , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
banner livro
Topo