banner livro

Agência americana alerta contra ataques de hackers a aviões. De novo?

Lá vamos “nozes”.
De novo.
O mesmo papinho de sempre – Hackers (crackers) tomando o controle de aviões via sistema de entretenimento ou através de um USB acessando os Computadores de Controle de Voo.

Geralmente matérias assim eu paro de ler quando chega nesta parte:

Especialistas em segurança cibernética afirmaram que firewalls a bordo destinados a proteger aviônicos de hackers poderiam ser violados se os sistemas de controle de voo e de entretenimento utilizarem a mesma rede
Trecho do Canaltech

SE

Acontece queridos hackers, crackers, especialistas e jornalistas, que o maldito sistema de entretenimento NÃO UTILIZA A MESMA REDE DOS CONTROLES DE VOO CATZO! Se não usa a mesma rede então desmontou-se toda a premissa inicial, logo, pra que ler o resto?

Utilizar a mesma rede seria o mesmo que deixar uma arma carregada em cima da mesa (Wesley, 2015 – Demolidor) << assista! Eu aprecio muito o trabalho das agências de segurança para descobrir qualquer brecha que ponha em risco a segurança de um voo, mas comandar um avião remotamente com o que temos hoje - ainda - não dá. A mesma matéria na CNN fala que o B787 e o A350 foram projetados com a possibilidade de serem controlados do solo BUT (olha a condicional novamente) estamos longe do dia em que isso será possível.
Na verdade, isto nem documentado é – pelo menos nenhum manual ou diagrama do 787 levanta sequer a hipótese de que haja uma provisão para isso. Não posso falar sobre o A350.

O que aprendemos hoje então?

Que podemos acender a luz da cozinha sentados na sala, SE o circuito elétrico do interruptor da lâmpada da cozinha usar protocolo IP e estiver na mesma rede Wifi que você estiver conectado com seu PC rodando Linux.

Matéria completa Portugês: Canaltech

Original em inglês: http://www.bbc.com/news/world-us-canada-32314568

Captura de Tela 2015-04-15 às 14.40.25

Querido Canaltech, avise ao estagiário para colocar uma foto de uma empresa americana quando falar especificamente de uma empresa americana. Além de colocar a foto de um Airbus (que não é fabricado nos EUA) a Ibéria é tão americana quanto a caipirinha de cachaça. Neste caso porém, um “avião comercial americano” é exatamente igual a um “avião comercial dos Emirados Árabes”, ou do Canadá, ou de qualquer lugar do mundo que tenha um sistema de Wifi instalado. #Fikadika.

Tags: , , , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo