Atualização do acidente com o Mustang P-51 na corrida aérea de Reno

O NTSB (National Transportation Safety Board) atualizou esta semana o relatório de investigação sobre o acidente que ocorreu ano passado com o P-51 na corrida de Reno.

No dia 16 de Setembro de 2011, o piloto do Fantasma Galopante (Galloping Ghost) perdeu o controle durante a corrida e mergulhou em direção ao solo, próximo a platéia. O piloto e 10 espectadores morreram e outros 60 ficaram feridos.

O vídeo abaixo mostra o acidente (cenas fortes)

O acidente continua sendo investigado, mas o NTSB já emitiu sete recomendações de segurança para fazer o campeonato nacional de Reno mais seguro para os pilotos e espectadores.

“Não estamos aqui para encerrar a corrida aérea” disse Chairman Hersman do NTSB, “estamos aqui para fazê-la cada vez mais segura.”

As recomendações tratam de mudanças no traçado da “pista”, inspeções técnicas pre-corrida, modificações técnicas nas aeronaves, mais presença do FAA nas corridas aéreas, o efeito de forças G sobre os pilotos e segurança na rampa em geral.

Chairman Hersman apresentou um reporte provisório muito detalhado, que mostra que a sequência do acidente iniciou-se com a perda de controle que ocorreu logo após a separação do compensador do profundor esquerdo, 6 segundos antes do choque com o solo.

Um dos pontos marcantes da investigação trata das inúmeras modificações feitas nos aviões que correm na “unlimited class” e da falta de documentação e inspeções associadas a estas mudanças. No Galloping Ghost, as modificações incluíam a redução da envergadura da asa de 11,28 metros para apenas 8,84, além de alterações nos controles de voo – tudo projetado para aumentar a performance e a velocidade na corrida.

A figura abaixo mostra em vermelho um P-51 normal e por cima o Galloping Ghost (clique para zoom):

Em vermelho as partes "cortadas"do P-51 original - Foto: NTSB

“Nossa investigação revelou que este piloto, neste avião, jamais havia voado neste traçado com esta velocidade” disse Chairman Hersman. “Estamos publicando recomendações para se assegurar de que pilotos e suas aeronaves modificadas sejam testadas ao máximo antes do dia da corrida.”

Dados de telemetria mostraram que durante a perda de controle o P-51 excedeu o limite de 9-G. Apesar das investigações sobre força-G e suas tolerâncias estarem ainda em andamento, as evidências fotográficas e de telemetria indicam que tanto o avião quanto o piloto experimentaram uma rápida alteração de trajetória não intencional, com forças G de tal magnitude que suportam a teoria de incapacitação do piloto durante o acontecimento.

As fatalidades e ferimentos aos espectadores neste acidente chamaram atenção para o design da “pista”de corrida. A “class unlimited” possui um traçado projetado para uma velocidade média de 804 km/h e quando os pilotos fazem a curva final em direção ao “cone”de chegada, a trajetória da aeronave fica em direção aos espectadores da área vip e arquibancadas. O NTSB recomendou que a RARA (entidade responsável pelas corridas aéreas de Reno) revejam o atual traçado e considerem mudanças para diminuir a exposição dos espectadores.

Para ver mais fotos e dados da investigação: http://www.ntsb.gov/news/events/2012/air_show/photos.html

Tags: ,

Sobre o Autor

Um técnico com bom senso :) 28 anos de aviação comercial, de Lockheed Electra a Boeing 777. Um DJ eclético, não profissional. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
  • http://twitter.com/CesarLemos Cesar Lemos

    O mais assustador é que várias pessoas conseguiram perceber que o aviäo estava fora de controle e vindo em direcäo ao público alguns segundos antes do impacto.

  • MicaelRocha

    Caramba! Realmente, o piloto deve ter apagado com uma puxadona dessas!

  • Márcio

    Tamanha foi a paulada no chão que aparentemente não houve explosão. Lamentável…

  • http://www.facebook.com/people/Fernando-Roberto/100002647311690 Fernando Roberto

    Lá é mais fácil modificar  um avião do que colocar um insulfilm no carro aqui!

Topo