banner livro

Aviação comercial na América do Sul – Brasil

O Brasil é o nosso país de encerramento da série de AVIAÇÃO COMERCIAL NA AMÉRICA DO SUL. O Brasil e suas dimensões continentais, tem operadores CARGO, PAXS REGULAR e PAXS REGIONAL. Os operadores PAXS principais são AVIANCA BRASIL, AZUL, BRAVA, GOL, MAP, PASSAREDO, SETE, TAM e TRIP. Os CARGO são ABSA, RIO, SIDERAL e TOTAL e por fim menores players como a ASTA e PIQUIATUBA completam o cenário.

ATR 72 da Passaredo

ATR da Passaredo

Vamos começar pelos regionais legítimos, com destaque a maior regional do país que é a PASSAREDO, voando com garra apoiada em seis ATR72-500/600 e esperando fechar o ano com até nove ATR72. A Passaredo cuja história já abordamos aqui, vive em 2013 o seu ano de firmar a sobrevivência após uma crise em 2012. Apostou no ATR72-600 mas tem encontrado no ATR72-500 a chance de se consolidar nos céus Brasileiros. A empresa sediada em Ribeirão Preto opera desde ali até a Bahia, Minas, Goiás e Mato Grosso, além do Tocantins.

Brasília da Sete Linhas Aéreas

Brasília da Sete Linhas Aéreas

O mercado regional tem ainda como destaque a SETE operando um par de EMB120 e cinco C208, curiosamente formando em sua frota o número que é o nome da empresa: 7. Opera uma “linha reta” no mapa do Brasil desde Goiânia até Belém, em mercados praticamente exclusivos, a empresa goiana espera receber seu terceiro EMB120 ainda em 2013.

MAP

MAP

O regional ainda é disputado pela MAP, amazonense com dois ATR42 e dois ATR72, deve se expandir bastante além dos limites geográficos do Amazonas ainda em 2013. Por fim a BRAVA, novo nome da NHT, que opera um par de LET410 e um EMB120.

EMB120 da Brava

EMB120 da Brava

O cenário nacional é disputado a “tapas” por AVIANCA BRASIL, AZUL/TRIP, GOL e TAM. Com a fusão em Maio de 2012 entre Azul e TRIP, vamos considera-las uma única empresa que por mais que opere rotas regionais, tem como seu foco a operação doméstica de grande escala. Sua frota é composta por EMBRAER 195/190/175, ATR42/72. Após a fusão a TRIP retirou os ATR antigos de série -300/-320 e -210 devolvendo esses aviões aos proprietários, ambas empresas buscaram ampliar sua frota de E-JETs e ATR600 operando em mais de 100 destinos para ser a terceira força no mercado, atrás da GOL que opera aviões ainda com a marca VARIG. A GOL, que nasceu em 2001, opera uma frota combinada de 737-700/800 com mais de 100 unidades deste tipo de avião, alias se tornou uma referência em 737NG. Vive um ano de reformulação após a compra e extinção da WEBJET.

A330 da TAM

A330 da TAM

A TAM é outra empresa que se juntou a terceiros, no caso a LAN CHILE. Opera AIRBUS A330, A319/320/321 e BOEING 767-300, este últimos têm sido ampliados na frota (em claro toque da gestão Chilena na empresa) que começou lá em 1976 com os EMB110 e chegou a status de flag carrier Brasileira. Completando as 4 (ou seriam 5?) nacionais temos a AVIANCA BRASIL que nasceu OceanAir e se transformou, operando ainda os FOKKER 100, mas focada em padronizar a frota com A318/319/320, serviço de bordo acima da média nacional, com mais espaço e entretenimento a bordo. A empresa irá incorporar A330 na versão paxs e cargo muito em breve.

A aviação sistemática se faz presente (poderia ser muito mais presente, o país precisa) com a PIQUIATUBA, operadora do EMB120 mais novo do mundo, matriculado PT-SOK que efetua serviços entre Belém – Altamira – Santarém – Itaituba e Novo Progresso. A empresa também tem um par de C208 Caravan na sua frota. E a Cuiabana ASTA que opera uma frota de C208 Caravan no Mato Grosso em importante serviço de integração.

ABSA em Guarulhos

ABSA em Guarulhos

A carga é operada por ABSA (leia-se TAM CARGO muito em breve) e seus 767-300. Esta empresa foi a primeira Brasileira a obter IOSA na história de nossa aviação comercial. A RIO opera RPN e serviços a terceiros com 727-200F e um único 767-200F, devendo iniciar a substituição dos 727-200 por 737-400. Vizinha à RIO está a SIDERAL, mostrando que Curitiba sedia 3 empresas aéreas cargueiras (Rio, Sideral e Total), um 737-300F e um 737-400F são a sua frota. Fechando o mercado está a TOTAL que opera 727-200F em RPN e clientes diversos e ATR42-500 em fretamentos corporativos com paxs. A TOTAL tem sede administrativa em Curitiba e operacional em Belo Horizonte, com hangar em Manaus, onde ficam seus ATR.

Whitejets

Whitejets

Diversas empresas sempre postulam entrar no mercado, caso da COLT LINHAS AÉREAS que já tem no país seus Boeing 737-400 cargueiros, a MODERN CARGO que deve voar com ATR42 e BOEING 737F (não se sabe se -300 ou -400) e diversas outras pedem, mas sem claridade em suas intenções. Outras também desaparecem, caso da WHITEJETS que exportou sua frota para a matriz Portuguesa que é a WHITE. Existe também a intenção da COLT operar no mercado regional.

Como profissional e entusiasta torço muito pela saúde de todas cias, mas o coração é REGIONAL e gostaria muito de ver a expansão de PASSAREDO, SETE, MAP e o nascimento de novos players no mercado. Na história do Brasil ficaram para trás diversos players como VARIG, WEBJET, VASP, TRANSBRASIL… fusões levaram ao desaparecimento de RIO-SUL, NORDESTE, TOTAL REGIONAL, TRIP, VARIG – VRG… mesmo assim nosso país ainda é muito mal servido em seu grande interior!

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Sobre o Autor

Alexandre Conrado, pesquisador de aviação e profissional no segmento desde 2001
Topo