banner livro

Aviões e Músicas que fizeram história – Gigliola Cinquetti e Fokker F-27

Gigliola Cinquentti tem 64 anos hoje, e a Fokker nem existe mais.

Mas como é bom ouvir esta voz, que com somente 16 anos ganhou o festival de música de San Remo com Non ho l’età (per amarti).

A música do vídeo em que aparece o Fokker-27 se chama Dio Come Ti Amo e foi composta em 1966 (antes de eu nascer) mas lembro que fez sucesso durante boa parte de minha infância e com certeza fez parte de algumas várias novelas no Brasil.

O Fokker F-27 que aparece no vídeo foi o turboélice de médio porte mais vendido da história (e provavelmente um dos mais barulhentos também). Quando eu trabalhei em Congonhas, dava nos nervos ouvir os F-27 da TAM por lá, o barulho era quase próximo ao que o Vickers Viscount Mata-Cachorro fazia. Assim que assiti o vídeo fiquei na dúvida se o avião poderia ser o Dart Herald que era muito parecido com o F-27, mas a cauda e o parabrisas são diferentes.

Voltando a Gigliola, olha essa raridade cantando aos 16 anos Non ho l’età e atenção à letra…o mundo nem mudou né?

O trecho a seguir sobre o filme Dio Come Ti Amo foi enxertado do Blog do Jornalista Oliveira Dimas
A música venceu o Festival da San Remo em 1966 com Gigliola interpretando e foi aproveitado o embalo e realizado o filme, em preto e branco, que então foi um dos mais vistos pelo público, mesmo com a crítica arrasando. Em Feira de Santana, no Cine Madrid, existente na rua Castro Alves, ficou por cerca de um mês em cartaz, com sessões sempre lotadas. Depois, entrou em cartaz no Cine Íris. A música embalava bailes e “assustados” – festinha realizadas nas casas de famílias.
Melodramático, chamado de “água-com-açúcar”, pois o público feminino levava lenço para enxugar as lágrimas, “Dio, Come Ti Amo” foi de fato um fenômeno de bilheteria que emocionava as platéias. Na cena final, ela canta a música em microfone no aeroporto e ele a ouve dentro do avião que está taxiando na pista e se tem certeza do happy-end.
Ainda no filme é inserida a música “Non Ho L’Etá” (Não Tenho Idade), com a qual Gigliola Cinquetti ganhou o mesmo Festival de San Remo, dois anos antes, ela com 16 anos.
No Brasil, Demétrio Carta fez a versão, que foi cantada por Agnaldo Rayol, Giane e até hoje, por Roberto Miranda. Na Itália, além de Gigliola e Modugno, foi cantada por Sergio Endrigo.
Edição de colecionador, em versão restaurada e remasterizada, foi lançada em DVD pela Versátil Home Vídeo – R$ 37,50 na 2001 Vídeo. Além do filme, tem muitos extras, incluindo biografia ilustrada de Gigliola Cinquetti, do compositor Domenico Modugno e um especial sobre o Festival de San Remo.

Tags: , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo