banner ad

Boeing 767, 30 anos bem vividos desde o primeiro voo

A Boeing quase sempre acerta a mão com seus aviões, mas as vezes consegue uns #epicwin, como foi o caso com o 767.

Este é um dos melhores aviões que já tive o prazer de trabalhar, seguro, forte, robusto. Tenho todas as qualificações possíveis neste avião: CAT3, Taxi, High Power Runup, etc.

Pra quem tem medo de voar: Dos mais de mil 767 construídos, houve apenas 1 acidente por falha mecânica, que foi o da Lauda Air em 1991, causado por abertura de um reversor em voo de cruzeiro, o que ocasionou uma mudança completa no sistema de travamento mecânico das “sleeves” e nunca mais ocorreu qualquer incidente. Há no banco de dados de acidentes outras 10 ocorrências, mas entram aí os atentados terroristas de 2001 nos EUA, sequestros, fogo em checks de manutenção, bombardeio no Iraque e um suicídio na Egypt Air…resumindo: O 767 é o cara em matéria de segurança, só o 777 tem um índice tão bom, com apenas uma perda (sem mortes).

O Boeing 767 estreou no dia oito de abril de 1981 em uma apresentação sobrevoando o Estado de Washington nos EUA, com duração de 2h04, três anos após ter sido encomendado pela United Airlines, que se tornou a primeira companhia a contar com a aeronave em sua frota. A primeira versão foi um 767-200, cuja última entrega foi realizada em 1994. O primeiro voo comercial, já pela United Airlines, foi em 1982, em uma linha que ligava Chicago a Denver.

Trinta anos depois, mais de mil modelos foram fabricados para 65 diferentes companhias, com mais de 7,7 milhões de voos realizados. A marca de mil aeronaves foi alcançada no início deste ano, quando a fabricante entregou o milésimo 767 para a All Nippon Airways (ANA). Até maio de 2011, existiam ainda 56 pedidos de entrega. A América Airlines é a principal cliente da fabricante para o produto, com 75 aviões, um a mais que a Delta Airlines, com 74.

Existem três versões para transporte de passageiros, o 767-200ER, o 767-300ER e o 767-400ER, com capacidades para 181, 218 e 245 pessoas em média, respectivamente. Há também a versão para cargas, o 767 cargueiro, cujas dimensões são as mesmas do 767-300ER. Assim com os tamanhos, os preços também variam. O 767-200 custa US$ 144,1 milhões (R$ 225,8 milhões), enquanto que o 767-300ER sai por US$ 164,3 milhões (R$ 257,4 milhões) e a versão para cargas, US$ 167,7 milhões (R$ 262,7 milhões). O maior da família, o 767-400, também é o mais caro, avaliado em US$ 180,6 milhões (R$ 283,0 milhões).

Para a construção do 767 são utilizadas 3,1 milhões de peças de cerca de 800 fornecedores. O ar que passa pela turbina de um 767-400ER durante uma decolagem poderia encher um dirigível em apenas sete segundos. Já se as turbinas usadas pelas aeronaves fossem colocadas em um automóvel, o carro atingiria cerca de 100 km/h em menos de meio segundo. O tanque de combustível das versões 767-300ER e 767-400ER tem capacidade para armazenar 90,77 mil l.

Fichas técnicas:

Boeing 767-200ER
Número de passageiros: 181 até 255
Comprimento: 48,5 m
Altura: 15,8 m
Envergadura: 47,6 m
Peso Máximo de decolagem: 179.170 kg
Velocidade de cruzeiro: 851 km/h
Alcance: 12.195 km
Motores: Pratt & Whitney PW4000 60,200 lb e GE CF6-80C2 62,100 lb

Boeing 767-300ER
Número de passageiros: 218 até 350
Comprimento: 54,9 m
Altura: 15,8 m
Envergadura: 47,6 m
Peso Máximo de decolagem: 186.880 kg
Velocidade de cruzeiro: 851 km/h
Alcance: 11.070 km
Motores: Pratt & Whitney PW4000 63,300 lb e GE CF6-80C262,100 lb

Boeing 767-400ER
Número de passageiros: 245 até 375
Comprimento: 61,3 m
Altura: 16,8 m
Envergadura: 51,9 m
Peso Máximo de decolagem: 204.120 kg
Velocidade de cruzeiro: 851 km/h
Alcance: 10.415 km
Motores: Pratt & Whitney PW4000 63,300 pounds e GE CF6-80C63,500 pounds

Boeing 767-300F Cargueiro
Comprimento: 54,9 m
Altura: 15,8 m
Envergadura: 47,6 m
Peso máximo de decolagem: 185.060 kg
Capacidade máxima de carga: 52.700 kg
Velocidade de cruzeiro: 851 km/h
Alcance: 6.025 km
Motores: Pratt & Whitney PW4000 63,300 lb e GE CF6-80C262,100 lb

Fonte: Terra e Wikipedia

Tags: ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo