banner livro

Boeing 787 efetua pouso não programado com fumaça a bordo.

O segundo Boeing 787 (ZA002) pintado nas cores da All Nippon sofreu uma pane que causou a presença de fumaça na cabine principal durante a aproximação para Laredo, no Texas nesta terça.

A tripulação continuou a aproximação e pousou com segurança no aeroporto, evacuando a aeronave sem maiores problemas. Ainda não há informações adicionais sobre o que teria causado o problema durante o voo.

A aeronave decolou de Yuma, no Arizona, as 6:30 a.m. desta terça, voou por quase todo o território central americano e estava voando a sudeste do Texas a caminho do aeroporto Valley International em Harlingen, Texas, quando alternou para Laredo.

A rota e plano de voo pode ser vista no FlightAware.

Fonte: Seattle Pi

Embora sejam comuns os problemas durante os voos de teste e homologação (são para isso que servem essas longas etapas de certificação), fumaça a bordo não é algo esperado. A Boeing deverá divulgar em breve o que aconteceu, se foi problema na aeronave ou nos equipamentos eletrônicos de testes a bordo, já que a transparência é uma marca da empresa.

UPDATE 22:30: De acordo com FlightBlogger, as escorregadeiras foram usadas para evacuar os mais de 30 técnicos a bordo. De acordo com o FAA a aeronave pousou as 19:54 GMT.
Uma outra fonte informa que o ZA002 pousou em Laredo depois que um princípio de fogo iniciou-se na baía de equipamentos eletrônicos traseira, causando o apagamento dos PFD’s e falha no Auto Throttle, além da RAT aberta.

Continuarei atualizando este post com mais informações.

UPDATE 23:58: Se for confirmada esta informação de que a RAT estava estendida, podemos especualar algumas coisas: Se a filosofia de extensão da RAT para o 787 for parecida com a do 777, ela só poderia estar atuada se algumas condições ocorressem:

Hipótese 1: O piloto estendeu a RAT manualmente.

Hipótese 2: Ela estendeu automaticamente e para isso seriam necessárias algumas destas condições abaixo (se for a mesma filosofia do 777, quero deixar bem claro)

1- Aeronave em voo
2- Airspeed maior que 80 Knots
3- Ground Speed valid
4- Motor esquerdo e ou direito com N2 < Idle 5- Dados do motor inválidos 5- Sistema Hidráulico C com pressão < 2200 PSI 6- Sistema Hidráulico L R C com pressão baixa ao mesmo tempo 7- Várias configurações de problemas com bombas hidráulicas (incógnita) A lógica para extensão da RAT é complexa, mas o caminho mais fácil seriam as seguintes condições (todas têm que ser verdadeiras): 1- Avião fora do solo (verdade) 2- GroundSpeed > 80 nós (verdade)
3- Airspeed > 80 nós (verdade)
4- Dados dos dois motores inválidos (plausível por se tratar de fogo a bordo)
5- Bomba Hidráulica Elétrica do Sistema C com pressão < 2200 PSI (plausível em caso de perda de força elétrica) Se as cinco condições acima ocorreram simultaneamente e a lógica for igual ao do 777 então a RAT cairia automaticamente. Estou bem curioso para saber o que ocorreu :/ UPDATE: 10/11 16:00 Boeing “groundeia” os 787 até entender o que aconteceu com o ZA002. A Boeing informa também que ao contrário do que foi noticiado, o ZA002 não teve seus PFDs (Primary Flight Displays) apagados durante o incidente. Havia 42 pessoas a bordo.

Tags: ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo