banner pneufree.com

Comissárias de bordo: Verdades, mitos e dicas

flight-attendants

Percebi que no artigo sobre as dicas para ANAC, muitas comissárias acabam passando por lá e “usufruindo” do conteúdo e pensei: Porque não escrever algo 100% direcionado a elas? Aqui está! Vale frisar que as palavras abaixo são a minha opinião, subsidiada por 15 anos de convivência no meio, quase 400 voos efetuados, ensino de CGA, amigas, colegas e até mesmo um breve relacionamento com uma comissária, aviso também que o artigo está escrito sempre com referência feminina pois é a fatia maior de quem escolhe este caminho profissional.

Quem se dispõe a essa profissão deve estar ciente que a dinâmica do trabalho é muito exaustiva. Você acorda em Porto Alegre e se deita novamente em Manaus, como poderá acordar em sua casa e dormir em casa novamente, da mesma forma que poderá marcar aquele cinema com um amigo(a) em Fortaleza pois seu pernoite será lá e acabar pernoitando em Curitiba no mesmo dia pois a escala mudou ou seu voo alternou. Não pense que é uma profissão 100% glamourosa, com flashes e coluna vip, porque NÃO É. Em primeiro lugar o corredor do avião não é passarela, é o seu escritório e a sua função não é passar o cafezinho e sim evacuar uma aeronave em caso de necessidade e tirar todo mundo dali em 90 segundos, sem citar outros incontáveis procedimentos de segurança.

Uma dica muito valiosa: Seja TÉCNICA. Conheça tudo sobre o seu trabalho, saiba por que e para quê o extintor do avião está ali e entenda que o “flash” das lâmpadas de cabine durante o acionamento do motor não é um defeito e sim a transição entre um barramento de energia e outro. Já conheci comissárias com pleno domínio do avião com as quais mantive conversação técnica em alto nível, assim como já ouvi e presenciei situações lastimáveis onde coloquei a mão na face e pensei: Tirou a CCT e CHT como? Ao longo da minha convivência com estes profissionais, noto uma rejeição no curso de CGA por exemplo, justo a matéria que ensina sobre o avião. Então aproveite tudo no curso e quando voar e tiver uma escala grande ao invés de ficar no “zap-zap” que tal tirar uma dúvida com um colega mais experiente, ou o mecânico que por ventura esteja “dando sopa na área”.

Naturalmente surgem perguntas que envolvem verdades e mitos, a mais comum é sobre o salário, sempre escutei:

Verdade que comissária ganha muito?” E sempre respondo: “Depende. Esse é o seu único foco para a profissão? Ganha-se muito quando você imagina que um formado numa faculdade de administração não vai ganhar 4, 5 mil reais por mês. Ganha-se muito quando se imagina que o “primeiro salário” paga o valor do curso. Mas não é uma renda em que você se sentirá artista de TV, não vai ficar milionário, tenha certeza disso.”

Outra questão sempre levantada: Ninguém quer namorar comissárias, é verdade? Mito! Existe o fator escala de voo, onde nem sempre dia 12 de Junho você passará com seu amado(a), tampouco natal, aniversários e outras festividades. Há quem não suporte essa vida em terra com o amor voando, o que acaba se tornando comum que “aéreos entendam aéreos e terráqueos não entendam aéreos”, mas conheço inúmeras “aeromoças” com namorados em terra e fora do meio. Como qualquer relação é necessário haver confiança e compreensão.

Por vezes existe uma preocupação com empresas aéreas impondo questões relativas a aparência e digo que sim e não. Sim pois existe um manual sobre aparência e uso do uniforme e lá vão dissertar sobre procedimentos com cabelo, unha, coloração e afins, algumas empresas abordam sobre tatuagens que devem ser “camufladas”. O não eu digo é que muita gente fala que aeromoça tem que ter corpo de modelo e ser linda, não é bem assim, o que vale é a competência e não a aparência. O único “impedimento” físico fica quanto à preferência das empresas quanto a altura das contratadas, que pode variar conforme o avião da frota, mas já vi meninas de 1.52m voando assim como já vi também de 1.90m.

E vai ter sempre quem perguntará: “Se eu fizer o curso, meu primeiro pernoite é em Paris?” Depende, se você for contratada pela Air France de primeira provavelmente. Ponha na cabeça que é uma profissão muito dinâmica e você poderá ter seu primeiro pernoite em Fortaleza ou Alta Floresta, quem sabe em Porto Alegre ou Vitória da Conquista, podendo ser em Palmas, Porto Velho, Manaus ou Buenos Aires.

Assim como falo nas dicas para a ANAC uma coisa é fato: Tudo da prova sai do seu manual do curso, portanto, estude-o com dedicação e comprometimento. Não menos importante, pense em idiomas (no plural mesmo), inglês, espanhol e algo que você simpatize: Francês, Alemão, Chinês, quanto mais “bandeirinhas” mais portas se abrem perante o seu caminho.

Deu tudo certo, tá voando? Cuide de sua IMAGEM, não apenas o que se vê no seu físico, mas em sua atitude, aviação é um “ovo de codorna” e atitudes depreciativas que ocorrem numa empresa de cauda rosa, chega até a empresa de cauda roxa, aliás vou além: na escola você começa a ser conhecida(o).

Preocupe-se com seu futuro, vida de comissária não dura para sempre, infelizmente no Brasil temos uma cultura de “descartar” as pessoas aos 40 em algumas profissões, portanto poupe, busque uma faculdade, temos EAD disponível em tantos cursos, pois um dia sua carreira terminará no ar e você terá que ter um colchão financeiro para buscar um novo rumo. Enfim, este artigo será dinâmico, pois além do que foi escrito aqui certamente surgirão dúvidas e outros temas nos comentários e sempre que possível serão atendidos.

Flight-Attendant-Uniforms_Virgin-America-01

Tags: , , ,

Sobre o Autor

Alexandre Conrado, pesquisador de aviação e profissional no segmento desde 2001
banner livro
Topo