banner livro

Como faz pro avião não congelar lá em cima?

Nome: Leandro Augusto
Email: [email protected]
Litão !!!
Posta algo falando do wing anti-ice ! abraços !!!!

Como sempre, minhas explicações são sempre simplificadas para o entendimento dos leigos e apaixonados por aviação, não procuro complicar nem colocar todas as variáveis possíveis em um campo tão complexo. Além do mais, não há verdades absolutas na aviação, as vezes o que é tratado como verdade por um fabricante é exatamente o oposto para outro, e eu tenho que escolher o caminho do meio pra explicar algumas coisas…rs

Vamos lá então.

Você já voou nestes aviões que possuem moving map? Sabe aqueles monitores que passam informações sobre o voo, com um mapa? Tem informação de altitude, velocidade e distância pro destino, temperatura do ar externo,etc.

Se você prestar atenção nos dados, do lado de fora a temperatura costuma estar entre -40º e -50ºC dependendo da altitude… Então como é que não congela tudo? Porque você não vê gelo em cima da asa?

Bem, em altas altitudes como as que o avião se encontra durante o cruzeiro somente em condições raras existe humidade, portanto, sem humidade não há água para formar gelo! Essa parte até que foi simples né? Masssss, existem condições atmosféricas que podem apresentar umidade até a 40 mil pés! #Comofas?

E também #comofas quando o avião desce e passa por nuvens carregadas de humidade em baixa temperatura? Neste caso a ocorrência de formação de gelo é bem provável, e gelo não combina com asa de avião.

Se cristais de gelo se formarem no bordo de ataque (a parte dianteira da asa), o fluxo de ar pode ficar turbilhonado e causar perda de sustentação, podendo ocorrer até stall e a queda da aeronave.

Para evitar que gelo se forme na asa, as aeronaves são dotadas de um sistema chamado “anti-ice” (aviões de grande e médio porte) ou “de-ice” (aviões de pequeno porte), sendo que isto não é uma regra, alguns aviões pequenos possuem “anti-ice”, embora eu desconheça aeronaves de grande porte com “de-ice”.

A diferença entre os dois sistemas é que o anti-ice não deixa o gelo se formar na asa através de aquecimento (explicarei mais abaixo). O de-ice “permite” a formação do gelo para em seguida o quebrar através da expansão de uma borracha que fica no bordo de ataque. Quando você perceber a parte da frente da asa na cor preta e sem brilho, provavelmente será borracha usada no sistema de-ice.
Por trás desta borracha passam micro tubos de ar, que fazem a borracha inflar e “desinflar” alternadamente, e esse movimento é suficiente para quebrar qualquer camada de gelo que tenha se formado no bordo de ataque da asa, e o vento se encarrega do resto.

Se não ficou muito clara a explicação, esse vídeo mostra bem o funcionamento de um de-ice boot, vejam que o gelo se forma e de repente desaparece:

Já o outro sistema chamado Anti-Ice funciona de maneira diferente, através de ar quente “sangrado” dos motores.
Funciona mais ou menos assim: Uma parte do ar comprimido pelo motor (que é bem quente) é desviado através de uma válvula e passa por dentro de tubos telescópicos localizados atrás dos slats (ou do bordo de ataque da asa em aviões que não possuem slats). Esses dutos possuem uns furos calibrados que deixam o ar quente escapar e aquecem o alumínio por dentro evitando assim que o gelo venha a se formar no bordo de ataque da asa.

Não é só a asa que sofre os efeitos cruéis das baixas temperaturas, as entradas de ar dos motores também precisam ser aquecidas e usam o mesmo ar quente que vai para as asas. As janelas do cockpit também, mas essas são aquecidas eletricamente, bem como os drenos de água potável.

Como vocês podem ver, uma aeronave está bem preparada para aguentar os efeitos da baixa temperatura durante os voos, e também dá para entender porque raramente um clandestino chega vivo ao destino né? Se eles soubessem que o alojamento do trem de pouso não é protegido….

Tags:

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo