banner ad

Derrapagens, Janelas, Pistas de Pouso, Reversores e Camisetas!

Imagem das Camisas do AvIões e Músicas

Clique para comprar a sua

O Aerolito de hoje responde mais algumas perguntas sobre aviação e finalmente libera o link para a pré-venda das camisetas do Aviões e Musicas, agora também nas cores preta, azul marinho e alumínio, bem como modelo feminino, infantil e a pedido dos gordinhos, tamanho 3G e 4G \o/

As perguntas respondidas de hoje envolvem o uso dos reversores para dar ré no avião (aliás, vocês sabem como funcionam os reversores de um turbofan?), por qual motivo os comissários pedem para deixar a cortina da janela de emergência aberta durante pousos e decolagens, por que o sentido de pouso e decolagem de um aeroporto muda e comentários sobre a “derrapagem” do avião da GOL no Santos Dumont. E se quiserem saber mais sobre o vento contrário e como isso altera a velocidade em relação ao solo, leiam isso.

Enjoy.

Tags: , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
  • Gustavo Silva

    Muito legal Lito, gostei. Uma comentário sobre as janelinhas abertas, da última vez que voei, foi de Azul, no 195, a equipe pediu para deixar as janelas abertas, mas pediu para todas (normalmente viajo na traseira do avião) e me falaram a mesma coisa, mas eu estava, obviamente, longe da asa.

    • Pois é, algumas empresas adotam procedimentos diferentes, mas todos em nome da segurança. Um abraço.

  • Falando em janelas, lembrei de um episódio acontecido com um amigo meu muitos anos atrás. Ele estava voando de Los Angeles para São Paulo num 747-400 da Korean Air e sentado à janela. Quando sobrevoavam a Colômbia, houve uma ordem para fechar TODAS as cortinas (ou persianas, ou sei lá como se chama aquilo) do avião e as comissárias passaram todas mal encaradas para fazer cumprir a ordem. Era noite e nem havia o que ver do lado de fora. Quando perguntadas sobre a razão disso, elas não responderam. A ordem só foi suspensa mais de uma hora depois. Ninguém entendeu nada e até hoje eu também não consegui pensar numa razão para isso. E agora fiquei pensando como seria se fosse um 787, que não tem cortinas físicas, só escurece o vidro… Mulder e Scully, é com vocês…

    • Rids

      Uma das hipóteses poderia ser a de uma interceptação militar anunciada com contato visual. Não é comum, mas não é impossível. O controle do espaço aéreo da Colômbia se intensificou na década de 1990 por questões notórias e sob auspício dos EUA.

      Não sei se já havia os Kfir na Colômbia nessa época, mas seriam aeronaves capazes de interceptar o 747 com facilidade.

      O período de tempo de uma hora também corrobora para essa situação, pois o comando poderia não prever com precisão o tempo de aproximação do outro avião, precisando abrir uma janela de tempo que contemple intervalos antes e depois da aproximação.

      A medida de se fechar janelas seria bastante oportuna ao comando, pois a hipótese de aproximação de um avião militar afetaria negativamente os pax, causando-lhes uma desconfiança maior do que a do mero fechamento de janelas.

      Mas sempre pode ser um motivo muito menos elaborado e até burocrático… ou Langoliers:
      https://youtu.be/JaILamlcOqw

      • Não faz sentido, Rids. Por que eles iriam querer interceptar um avião de passageiros coreano vindo justamente dos EUA, claramente identificado e em contato com o ATC colombiano? É verdade que a Korean Air tem tradição de invadir espaços aéreos não autorizados (vide o famoso caso do voo 007, cujas repercussões nos deram o GPS nos nossos carros e celulares, e o menos conhecido do 707 que voou para perto de Murmansk, então a maior base de submarinos da Marinha soviética, com o piloto pensando que estava sobre o Canadá e fazendo um pouso de emergência num lago congelado para fugir dos caças soviéticos…), mas acho que o caso aí era bastante diferente, pois a Colômbia, apesar de atolada em suas narcoguerrilhas, não é um país inimigo de ninguém (a não ser ultimamente da Venezuela, mas Maduro é um caso à parte e já está criando caso com a Guiana, também). Perdi o contato com a pessoa e não posso perguntar mais detalhes, mas sei que isso foi mesmo em meados da década de 1990.

        Sei de casos em que são proibidas fotos ou em que os passageiros têm que ficar sentados ao sobrevoar regiões politicamente sensíveis (como Israel e na aproximação de Washington nos primeiros tempos após o 11/9), mas algo como isso, nunca soube de nada parecido.

  • Willian Thá

    Lito, em primeiro lugar, muito obrigado!
    Digo isso pois, tenho medo de voar. Sempre fui um curioso sobre aviões em geral, quase, mas quase mesmo iniciei os estudos para ser mecânico, mas desisti e talvez me arrependa um pouco nos dias de hoje. Sempre procurei informações sobre a aviação em geral, busquei entender como os procedimentos funcionavam, mas sempre esbarrei nos termos técnicos demais e na falta de paciência de alguns entendidos da área que só tiram sarro de pessoas como eu, que tem pavor de voar. Encontrar seu blog foi um alívio, ver seus vídeos então é como se eu recebesse um presente a cada upload, a paciência e seus conhecimentos, que diga-se de passagem, são muito vastos, me ajudaram muito em meus últimos vôos. Entender como as coisas funcionam, os barulhos, os procedimentos, a técnica e a meticulosidade da manutenção empregada nos aviões me deixam muito mais confortável quando estou abordo. Agradeço a você e a todos os aeronautas que tem essa paixão e a responsabilidade de nos colocar nos céus em segurança. Espero que você, seu blog e seu canal do YouTube tenham vida longa e próspera! P.S.: já voei de 737, T7, A319/320/321, e-jets… Não é pra “puxar saco”, mas qualquer um dos boeings me fazem sentir mais prazer em voar. Mas confesso que a TV ao vivo da Azul me encanta. Abs!

    • Grande abraço Willian, e mantenha a escuta que em breve teremos mais novidades para os que têm medo de voar. Uma abraço.

  • Luis Carlos Mari

    Lito, bom dia! Sobre a mudança de direção de aproximação da cabeceira, o APP pode fazer isto já na curta final ?. Moro em Moema, visão previlegiada para a curta final da 17R de Congonhas, e frequentemente ouço os aviõoes arremetendo, e, em seguida observo uma mudança na direção dos pousos.
    Grande abraço rapaz.. abçs

    • Na curta final não, aí já é decisão do comandante Luis. Abraços.

    • Gustavo Pilati

      Na maioria das vezes o vento na aproximação final é diferente daquele registrado nos equipamentos do aeroporto em solo. Nesse caso pode ser que as aeronaves em aproximação arremetam por causa de um vento de cauda acima do máximo permitido e, por esse motivo, a pista em uso é modificada.

  • Mauricio Galliett

    Lito, você é o cara! também tinha medo de voar e você foi fundamental pra que hoje eu voe com prazer. Nosso último “vôo” foi fantástico. Precisamos marcar no simulador de Guarulhos. No livro que estou escrevendo sobre como superei o medo de voar, você terá lugar de destaque!!! rsrs.

  • Walter VJ

    Nos voos que realizei recentemente, os comissários de diferentes aéreas (Gol, Emirates e Qatar), “exigiram” que todas as persianas das janelas ficassem abertas, tanto na decolagem como no pouso, de dia ou de noite. Voando 787 da Qatar, percebi que não houve esse pedido. Alheio à minha vontade a minha janela passou da escuridão para a luz natural, provavelmente por um controle da tripulação. Persianas abertas durante pousos e decolagens é uma norma internacional?

    • Gustavo Pilati

      Sim, por questoes de segurança como falado no vídeo.

      • Até nisso o Dreamliner é ótimo: nos procedimentos de decolagem e pouso os pax perdem o controle sobre as janelas. Menos desgaste para os comissários, mais segurança para todos.

  • francisco greche junior

    Ótimas respostas e explicações Lito, obrigado!

  • Paolla Jenevain

    Acho que esse não é o melhor post sobre o assunto que quero comentar, mas como não achei outro recente, vai por aqui mesmo. Hoje estava acompanhando a trajetória do voo que minha mãe embarcou, de Londres para Lisboa, e quase tive um treco quando vi o desenho no Flight Aware. Dei uma olhada nos mesmos voos, de dias anteriores, e nenhum se assemelhava a essa trajetória do voo que acompanhei. O avião chegou, mas minha mãe embarcou em outro e não pude falar com ela sobre. Alguém que entenda, sabe me explicar o que pode ter ocorrido?
    Aqui está o link com o voo: https://pt.flightaware.com/live/flight/TAP343

    • Não vi nada de anormal nesse trajeto, Paolla. Fiquei até em dúvida sobre o que fez você ter um treco… Só se você está se referindo ao trajeto circular na região das Caldas da Rainha antes do pouso. Isso se chama “holding pattern” e é a coisa mais comum, especialmente num aeroporto saturado como o de Lisboa, que tem infraestrutura acanhada demais para o movimento que tem. Simplesmente, o controle de tráfego aéreo pode mandar os aviões voarem em círculos numa determinada região antes de dar autorização para o pouso, porque há outros aviões na fila e não dá para todos pousarem ao mesmo tempo. E o voo da sua mãe só deu uma volta rapidinha – eu mesmo já estive em “holding patterns” de mais de meia hora na aproximação de Congonhas, e se você entrar no Flightradar24 e observar o tráfego no outro grande aeroporto de Londres, Heathrow (o voo da sua mãe saiu de Gatwick), verá que praticamente todos os aviões que pousam lá.fazem “holding pattern” numa de quatro áreas designadas próximas a Londres – e no caso de Heathrow, isso pode ser bem demorado nos horários de pico, com eles dando até dez ou vinte voltas em círculos antes de serem autorizados a rumar para o pouso.

      • Paolla Jenevain

        Goytá, obrigada por sua resposta esclarecedora. Graças a tecnologia, pessoas leigas (como eu) podem ter acesso a esses programas de rastreio. O problema é que, por não entender absolutamente nada do assunto, acabei tendo uma visão errônea do trajeto do avião, o que me causou uma ansiedade enorme. Cliquei nos voos de dias anteriores com a mesma rota (Gatwick-Portela) e observei que não faziam esses “holding patterns”, estavam quase retilíneos. Daí já pensei que algo ruim pudesse estar acontecendo. Que ignorância!

        Pela experiência que tenho com o flight aware e o flightradar24, percebi que, ao mesmo tempo que são ferramentas de grande ajuda, acabam por aumentar a ansiedade dos “leigos”, que podem interpretar errado os dados. Pelo menos comigo, já tive duas experiências ruins: essa, e outra, em que o voo que eu acompanhava de repente sumiu do mapa e ficou com status “unknown” por quase uma hora, até reaparecer. Acredito que tenha passado por uma área não coberta pelo radar, ou algo assim. Enfim, já não sei se a possibilidade de acompanhar os voos de pessoas queridas é uma coisa boa ou uma coisa ruim, tal é a ansiedade que me causa. hahaha

        Mais uma vez, agradeço por compartilhar seu conhecimento!

        Só uma observação: Nunca um avião ficou com status “desconhecido” quando o acompanhei pelo flight aware. Isso me fez ter mais credibilidade nele do que no flightradar24 (para a finalidade que o utilizo, ou seja, apenas ter certeza de que o avião decolou e chegou ao seu destino).

        • Minha experiência com os sites é a oposta, Paolla. É verdade que eles atendem finalidades diferentes: o Flightradar24 é mais para quem quer acompanhar o tráfego aéreo, enquanto o Flightaware é mais para quem quer acompanhar voos específicos (o que era o seu caso). O Flightradar24 também dá mais informações sobre o voo (altitude, velocidade, etc.), enquanto o Flightaware, em compensação, dá mais informações históricas. Os dois se baseiam em tecnologias diferentes para serem alimentados de dados. Porém, os dois estão sujeitos a perderem a cobertura e quando isso acontece no Flightradar24, quando o avião reaparece isso é claramente indicado por uma linha tracejada que mostra que aquela parte do trajeto foi interpolada e pode não corresponder ao trajeto real. O Flightaware não mostra nenhuma distinção entre trajeto real e interpolado, e também é comum o voo simplesmente sumir e não ter mais registro, levando pessoas ansiosas como você a concluírem apressadamente que o avião caiu…

          • Paolla Braga

            Eu me perguntei mesmo o que seria a linha tracejada, pois já tinha visto isso várias vezes! Bom saber! rs Para acompanhar um voo específico, percebo que o Flightaware é mais simples de ser utilizado, até porque a visualização do site permite que apareça apenas quele avião que se está interessado em rastrear.
            Muito obrigada pelas explicações. Gosto muito de acompanhar esse site, pq não só o autor como muitos leitores que participam são bastante generosos ao compartilharem seus conhecimentos. Acredito que, pra quem tem medo de voar, como eu, aprender um pouco sobre esse universo tão vasto que é a aviação ajuda a quebrar alguns tabus e também a diminuir a insegurança de estar no céu.

        • Ah, esqueci de dizer que “holding pattern” também pode ser por outros motivos além do excesso de tráfego. Por exemplo, as condições meteorológicas no aeroporto de destino podem estar ruins naquele momento e a torre manda ou o piloto pede para dar um tempo para ver se as condições melhoram.

          E há outros motivos possíveis. Lembro que o “holding pattern” mais demorado que já peguei na aproximação de Congonhas me deixou intrigado, porque o tempo em São Paulo estava ensolarado e o avião ficou uns 40 minutos circulando na região de Sorocaba (foi um voo BH-SP, que normalmente demora uns 50 minutos, mas dessa vez demorou mais de uma hora e meia). Haja tráfego em SP para um atraso desses! Quando finalmente pousamos em Congonhas, vi o motivo estacionado no pátio: o “Sucatinha” (o Boeing 737-200 usado na época pela Presidência da República em viagens domésticas, antes de chegar o “Aerolula”) estava lá. Desviaram ou interromperam todo o tráfego de Congonhas por segurança e para dar prioridade ao avião presidencial.

          • Paolla Braga

            Nossa! Realmente, nessas horas é melhor manter a calma e aguardar, pois ficar conjecturando só aumentaria a ansiedade por saber o motivo da demora no pouso. Conhecimento sempre ajuda!

  • Paolla Jenevain

    OBS: Quis dizer que esse post não era sobre o assunto que eu coloquei. Da forma como me expressei, parece que disse que o post não era bom. Desculpe.

  • Ian Trolles

    Lito, aproveitando o assunto do reversor… Por que é proibido usar reverso em vôo? Abraço.

Topo