banner livro

E o vídeo que o Gizmodo postou de um Airbus A330 parando no ar, é verdadeiro?

Ontem o Gizmodo postou este vídeo abaixo com o seguinte trecho (traduzido do inglês pelo Gizmodo Brasil):

O fenômeno tem uma explicação simples: o Airbus está aproveitando o forte vento contrário, combinado à velocidade mínima no ar e a um ângulo de ataque alto, para conseguir levantar voo sem mover os flaps (algo difícil de ver em terra firme).

Este é o texto do Gizmodo em Inglês:

The phenomenon has an easy explanation: the Airbus is making a very slow low pass, taking advantage of the very strong head wind combined with the minimun air speed and a high angle of attack to achieve lift for its flaps configuration (which is hard to see from the ground).

Obviamente muita gente me perguntou sobre o vídeo: é verdade? é possível?

Vamos dividir a resposta em duas partes, primeiro vamos saber se é possível isso:

_Resposta curta: Sim, é possível.

As aeronaves voam por causa da velocidade do ar passando por suas asas e não pela velocidade de seus pneus correndo na pista, é exatamente por esta razão que as aeronaves SEMPRE decolam CONTRA O VENTO.

Mas porque contra o vento? Oras, vamos pegar um exemplo fácil:

_Suponhamos que um aviãozinho pequeno precise de uma velocidade em relação ao ar de 55 nós (101 km/h) para começar a voar. Se no aeroporto tiver ocorrendo um vento de 15 nós (coisa bem normal) vindo do norte (360 graus) e este aeroporto possuir uma pista 36 (apontando para 360 graus), o aviãozinho vai obrigatoriamente decolar desta pista, pois ele parado já tem 10 nós de velocidade sobre as suas asas, basta mais 40 nós ao correr na pista e pronto, já estará voando tendo gasto bem menos espaço de pista para decolar, entenderam?

Se ele decolasse a favor do vento (como muita gente pensa), usando o mesmo vento teria que correr até atingir 65 nós (para descontar o vento a favor) e usaria muito mais pista. Simples física de vetores certo?


Desenho adaptado por mim deste site: http://www.aeroklub-popovaca.hr

E o vídeo, é verdadeiro?

Bem meus amigos, eu não sou o detetive virtual do Fantástico, mas acho o vídeo fake apesar de ser plausível conforme o explicado no parágrafo acima.

Vamos às minhas considerações para achar fake:

1- Aos 0:03 é possível ver a configuração de flaps para decolagem e ela está absolutamente normal para os padrões de qualquer decolagem, portanto tanto o texto em inglês do Gizmodo quanto o traduzido p/ o português estão equivocados e já partem de premissa errada.

2- O A330, no melhor dos cenários possíveis, precisaria de uma velocidade de 135 nós para se aproximar da pista para o pouso. Amiguinhos, 135 nós são 250 km/h (é o máximo de velocidade que um furacão categoria 5 pode atingir). Como é que um vento de 250 km/h ia deixar aqueles guarda- chuvas da platéia todos bonitinhos e as pessoas em pé?

3- As luzes de anti-colisão e white strobe da aeronave do vídeo, quando visíveis, não obedecem a um padrão normal de “piscabilidade”..rs (faltou uma palavra no meu vocabulário pra descrever).

4- Os meteorologistas podem falar mais a respeito disso, mas eu acho que não existe vento de superfície constante de 250km/h.

5- Quando o A330 vem para pouso, ele quase pára no ar um pouco antes de tocar a pista, no entanto quando a toca corre com velocidade normal sobre ela e ainda usa os reversores!!! Mas ué, se tem tanto vento de nariz já era pra ter parado logo na primeira interseção de pista e sem usar reversores, ou será que só tava ventando forte 10 metros acima da pista?

6- Aos 1:25 dá pra ver umas plaquinhas em frente às pessoas com guarda-chuva e as pobres plaquinhas nem se mexem mesmo com o vento de quase 250 km/h.

7- Tem que ter muita sorte de ter um vento desta magnitude soprando EXATAMENTE sobre o eixo da pista e na mesma proa né não? Não tem uma componente de ventinho de través, nada! O piloto devia jogar na mega-sena.

8- O que são uns artefatos que ocorrem durante quase todo o vídeo? Um linha branca quase na metade da tela aparece e some por várias vezes..hummmm….

Resumindo: O vídeo para mim é fake. A possibilidade no entanto existe, faz parte da física e é plausível.

Tags:

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo