banner ad

Embraer E-190 da Aeromexico Connect ultrapassou limite da pista durante decolagem


Um E-Jet da Aeromexico Connect, de matrícula XA-GAL que faria o voo AM-2431 de Durango para Cidade do México, rejeitou a decolagem – ver update 4 não conseguiu concluir a decolagem na pista 03 de Durango e não conseguiu parar até a pista acabar. Felizmente, nenhum dos 97 99 passageiros e 4 tripulantes se feriram gravemente, apesar da aeronave ter se incendiado no local.

Aeromexico Connect é a empresa que faz apenas voos regionais da Aeromexico, operando uma frota de 61 E-Jets da Embraer.

A pista do aeroporto de Durango possui 2900 metros de comprimento, comparando com a pista 9R/27L de Guarulhos que possui 3000 metros, é uma pista gigantesca para um E-Jet conseguir abortar uma decolagem, mesmo estando a 1860 metros de altitude, contra 760 de Guarulhos.

Para os que acompanham o Blog e o canal, já sabem que eu não especulo sobre causas de acidentes antes de sair relatório de investigação, apenas comento os fatos.

Fatos:

  • Esta era a condição meteorológica logo após o acidente, às 21:03Z:

MMDO 312103Z RTD 28007KT 7SM OVC015CB 17/14 A3024 RMK SLP118 57014 956 8/9// PISTA CERRADA POR ACFT ACCIDENTADA BINOVC=Decolagem

  • Esta era a condição às 20:18Z, um pouco antes do acidente:

MMDO 312018Z 07003KT 7SM TSRA BKN020CB 20/13 A3023
RMK 8/900 TSRAB13=

Para quem não entende reportes de METAR, neste link você aprende a decodificar. Mas basicamente o vento estava calmo e a visibilidade era de 11 quilômetros, mas havia tempestade e chuvas na região do aeródromo.

  • A pista possui 2900 metros, muito mais do que o necessário para abortar a decolagem (ver update 5) abaixo.
  • O projeto para que o avião não pegue fogo nos casos de sobre-temperatura dos freios por um limite de tempo para que os passageiros possam evacuar em segurança funcionou. Para quem quiser ver um teste de abortagem com peso máximo e velocidade máxima, assistam este vídeo.

Agora a equipe de investigação vai ser formada para analisar o que ocorreu. A Embraer como fabricante e o CENIPA como órgão investigador do país do fabricante devem participar, além do NTSB e do time de investigação do México (DGAC). Os detalhes sobre as contribuições de falhas mecânicas, falha humana ou condição atmosférica para a ocorrência do acidente serão apresentados com o tempo.

Quando um avião começa a correr na pista, existe uma velocidade de decisão em que se pode abortar a decolagem em segurança, essa velocidade se chama V1. Para saber o que é a V1, leia este post aqui do Blog.
Este post poderá ser atualizado conforme novas informações forem divulgadas.

Update 1: Há informações que um dos pilotos se feriu de maneira mais grave, e um passageiro também, mas sem risco de morte.
Update 2: Há relato de passageiros informando que o avião não saiu do chão, enquanto outros dizem que saiu e entrou nas nuvens, enquanto outro diz que foram atingidos por raios. Somente a informação preliminar vai jogar uma luz sobre esses testemunhos contraditórios.
Update 3: Vídeo gravado por passageiro mostra, aparentemente, que não houve decolagem como muitos têm falado, e não é possível ver o momento em que se inicia a rejeição.

Update 4: Mais um vídeo surgiu do momento da decolagem. Este vídeo também dá a impressão que o avião sai do chão, embora o áudio não mostre o ruído característico do amortecedor do trem de pouso extendendo quando sai do chão. É possível que o nariz tenha se elevado, mas também não é possível afirmar isto. Não há também o ruído de reversão dos motores que aconteceria no caso de rejeição, portanto alterei o texto do início do post. Estes dois vídeos mostram o quanto é difícil definir uma situação de acidente aeronáutico, daí a importância que eu dou à investigação dos experts.
Segundo vídeo:

Update 5: Para uma decolagem a 7900 pés de Altitude Densidade (isto é: a altitude ISA na qual os motores e a aeronave estão operando) como era naquele momento, 2900m de pista não é exatamente uma pista enorme. A essa altitude a velocidade aerodinâmica ja é 15% maior que a indicada, os efeitos de High Elevation Airport são bem pronunciados (gradiente de subida reduzido, VLoff bem elevada em relação ao solo, possivelmente acima de 160Kt “True”) por Arnold Pieper.
 

Tags: , , , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
  • Freddie Diniz

    Que bom que foi só um susto

  • Erisdan Maciel

    A Veja disse assim: “Avião com 101 pessoas cai no México;”
    Por isso saio procurando outros sites para saber se é verdade!

  • Eduardo Oliveira

    a imprensa já derrubou o avião por conta.

  • Márcio De Jesus Azeredo

    Numa postagem de “qualidade” até o título é totalmente diferente do que nossas mídias postam.
    Não importa como aconteceu o acidente, nossas mídias só postam que o avião “caiu”.
    Pra começar, se esse avião realmente tivesse “caído” bem provável que não teria sobreviventes, ou teria poucos sobreviventes, mas todos sobreviveram, então como explicar essa “tal queda”?
    É mídia, dessa vez você foi além dos limites.

  • Murilo

    Então o avião se quer decolou ?

    • Isso.

      • Mauricio Ferrari

        Prezado Rodrigo Portam;

        Tenho acompanhado o blog há algumas semanas. Mas notei que ele havia parado de receber atualizações desde a última postagem em abril.
        É isso mesmo ou de alguma forma não estou conseguindo ver as atualizações?
        Cheguei a pensar que o Lito havia abandonado o Blog e ficado apenas nas outras mídias, como o Youtube.

        • De fato a última postagem tinha sido em abril. Lito tem um projeto em andamento para continuar o blog.

          • Mauricio Ferrari

            Obrigado pela resposta

  • Leonardo Meca

    A imprensa já começou suas peripécias. Li até que a aeronave perdeu altura bruscamente e os dois motores se soltaram…

    • Dedo_Destroncado

      E teve até o relato de uma passageira, segue abaixo.

      “Acionaram as turbinas, senti a força do avião para decolar, mas ainda na pista já não havia visibilidade. Quando subimos, logo entramos nas nuvens e na tempestade. Senti que ele iria manobrar para se estabilizar, mas aí caiu” …

      Testemunho do ser humano é muito “frágil”

  • Pacelli Francesco

    Entre tantos comentários do G1 – leio só pra rir um pouco. Um está corretíssimo.
    “quem está caindo é mesmo a NossaLínguaPortuguesa” de Fernando Marcos
    2018-08-01T12:12:41 – Parabéns Lito pela informação que nos presta.

  • Dorival Cardozo

    Eu tava la , eu vi tudo ! o avião subiu, uma nave marciana soltou um raio laser nela e ela caiu, o embaer é equipado com raios laser de ultima geração, tentaram atacar o disco marciano, o embraer tentou até dar uma pirueta encima do disco como o neymar faz com a bola, mas o disco foi mais esperto e derrubou o avião .. pelo menos ninguem se feriu gravemente

  • Luciano Gurski

    No vídeo que circula se tem a impressão que ele chega a rodar (decolar)… Parece ser uma tesoura de vento que o fez perder altitude e bater com os motores no solo (por estar a esquerda da pista e o motor direito ser o primeiro a ser perdido dá a ideia de que o piloto tentou curvar à direita para manter o rumo). Isso óbvio, estou apenas especulando como leigo, veremos a análise após a investigação.

  • Jackson von Mühlen

    A parir dos 0m30s do vídeo parece que a condição meteorológica se
    degrada bastante. Parece que essa degradação do tempo teve participação
    significativa nas causas do acidente.

  • Gato Listrado

    Parece windshear com + algum evento posterior, como um reject (palpite)

  • HAndrB

    o avião decolou sim, em 40 segundos da pra ver o aviação se aproximando do solo e logo depois um impacto

  • Bruno Meder

    A impressão que eu tive e deque o avião parece não conseguir sustentação para decolar
    minha opinião de super leigo uma combinação de fatores atmosféricos e os flaps não estava estendidos.

  • AfterBurner

    Os dois motores se soltaram no impacto com o solo, só que o jornalista tentou fazer uma citação da fala de alguma autoridade e deve ter traduzido desse jeito estranho, dando a ideia de que o vento arrancou os motores

  • Élvio Vidotti Simões

    Pelo vídeo da Ashley Garcia, num breve momento, dá pra ver que flap estava estendido.

  • Arnold Pieper

    Lito,
    Como eu voo esse avião e também voei 12 anos nos EUA onde 1/4 do país fica acima de 5000 pés de elevação (Durango MX é 6200’), posso te dizer que para uma decolagem a 7900’ de Altitude Densidade (isto é: a altitude ISA na qual os motores e a aeronave estão operando) como era naquele momento, 2900m de pista não é exatamente uma pista enorme. A essa altitude a velocidade aerodinâmica ja é 15% maior que a indicada, os efeitos de High Elevation Airport são bem pronunciados (gradiente de subida reduzido, VLoff bem elevada em relação ao solo, possivelmente acima de 160Kt “True”).
    Nos EUA high elevation airport é acima de 3000 pés para ter validade como treinamento, para se ter uma idéia.
    Mas tudo isso faz parte do dia-a-dia de quem opera no oeste americano (e mexicano).

    • Obrigado Arnold. Depois que saíram os vídeos dá pra perceber bem como a aceleração é bem mais lenta. Vou adicionar sua informação ao texto.

      • Arnold Pieper

        Ok Lito, fique à vontade!

  • Claudio

    Eu apostaria num microburst.

    Felizmente deu tudo certo.

  • Carlos Augusto Freitas

    Eu de imediato imaginei algo como Windshear, mas… são tantas as variáveis possíveis, que melhor não opinar nada, até mesmo porque isso não acrescentaria em nada nas investigações.

    Lito, faz um vídeo sobre este projeto de proteção à incêndio nos freio, pois não sabia disso. Achei interessante.

    Obrigado!

Topo