banner livro

Interpretação de METAR (Reporte Meteorológico de Aviação)

Nestes dias de muita chuva tenho twitado as tempestades que ocorrem sobre Guarulhos através de uma convenção usada diariamente na aviação chamada METAR (Meteorological Aviation Report).
Claro que quem não é da área ou não tem fissura por aviação não consegue interpretar o código do METAR, mas como tem havido perguntas pelo twitter, vamos dar uma olhada em como interpretar os códigos.
Hoje por exemplo, na hora da tempestade estava assim:

GRU 1927 011900Z 22006KT 9999 TS VCSH BKN035 FEW045CB BKN100 27/19 Q1016

GRU = Código IATA do aeroporto de Guarulhos, onde foi feita a medição meteorológica.
1927 = Hora Zulu atual (GMT, em São Paulo no horário de verão é GMT -2)
011900Z = Dia do mês (01) seguida da hora zulu em que foi feita a medição (1900Z)
22006KT = Direção e velocidade do vento, em graus e nós. A direção é sempre de onde vem o vento, no caso 220 o vento vem de sudoeste com uma velocidade de 6 nós (11,11 km/h)
9999 = Visibilidade predominante em metros, no caso 10Km de visibilidade (a máxima).
TS = Thunderstorms, ou tempestade na área do aeroporto. Bicho feio.
VCSH = Vicinity Showers – Chuva leve na vizinhança do aeroporto
BKN035 = 7/8 de cobertura de nuvens a 3500 pés
FEW045CB = 2/8 de nuvens a 4500 do tipo CB (cumulus nimbus) .. isso é ruim.
BKN100 = 7/8 de nuvens a 10.000 pés
27/19 = Temperatura / Ponto de Orvalho
Q1016 = Pressão barométrica

Para saber todas as possíveis variações do código demora um pouco, mas você pode colar enquanto não adquire a prática..rs
Abaixo um arquivo legal que tem no site militar da Redemet, de onde retirei para fazer este post. Basta passar o mouse sobre o bloco específico de códigos e aparece a explicação embaixo.
Lá no site tem várias informações muito interessantes sobre meteorologia.



Tags: ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo