banner livro

Mirage 2000 da FAB quebram vidros do STF após passagem supersônica em Brasília

Mirage 2000 C da FAB

Mirage 2000 C

Os vidros da fachada do Supremo Tribunal Federal (STF) não aguentaram a pressão sonora da passagem do Mirage 2000 da FAB neste domingo e se espatifaram. As aeronaves participavam da cerimônia de hasteamento da bandeira em Brasília.

Eu ainda estou preparando um post completo sobre voo supersônico (a matéria é complexa), mas muita gente deve estar se perguntando: Por que os Mirage quebraram os vidros com a pressão sonora e o F/A-18 não quebrou quando foi testado pelos MythBusters (como mostrado neste vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=GvtAElaDVz8). Quando o vidro da janela quebra nos caçadores de mito, foi por causa do deslocamento de ar que torce a madeira e não pelo sonic boom.
Então como pode?
Tem tudo a ver com a forma da aeronave. O F/A-18 é um avião muito mais moderno que o Mirage 2000 (do final da década de 70 mas que foi baseado no Mirage 3 da decada de 60) e possui uma forma totalmente diferente (area rule), com asas convencionais (e não em Delta) e entradas de ar muito mais eficientes.

Update: o colega de Twitter @AndreRighetto atentou para o fato que o F/A-18 também fez o primeiro voo em 1978, mas o que eu quis escrever é que o Mirage 2000 apesar de ter sido remodelado na mesma época, possui o mesmo design de seu antecessor, o Mirage 3, que é da década de 60. Valeu o Heads up Righetto.

Como disse, ainda estou preparando um post que explica a pressão sonora e desmente o pensamento popular de “tímpanos sangrando”(entre outros mitos). Pelo menos em Brasília hoje ninguém ficou surdo.

Só preciso de tempo pra terminar o assunto, mas que foi bonita essa passagem dos Mirage foi heim?

Tags: , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo