banner livro

Montando 367.000 peças

A Boeing desempenha a montagem principal de todos os jatos 737 nas fábricas dos Estados Unidos, unindo peças que vêm de fornecedores do mundo inteiro. Montar o 737 é um trabalho complexo, já que os funcionários precisam juntar 367.000 peças e igual número de parafusos e porcas, além de 58 quilômetros de cabos elétricos para formar um avião. A fuselagem é produzida pela unidade da Boeing em Wichita, Kansas, no centro-oeste americano. Lá, os funcionários unem o nariz e a fuselagem do avião ao centro e cauda e após, ela é colocada dentro de um vagão de trem e viaja aproximadamente 3.500 quilômetros pelos Estados Unidos. Quando o trem chega em Renton, a fuselagem é transferida para um carro maior e levada sobre rodas ao prédio de montagem final, onde fica por aproximadamente 13 dias. Durante a primeira fase da montagem final, os trabalhadores da fábrica focam no interior, instalando material isolante nas paredes internas da fuselagem e também adicionam os canos e a fiação. Quando a fuselagem está pronta para seguir para a próxima fase de produção, um guindaste a 27 metros do solo a levanta e a coloca na posição seguinte. Lá, ferramentas de precisão são usadas para instalar o trem de pouso e as duas asas, fazendo com que a estrutura se pareça com a de um avião. Neste momento, o 737 pode rolar no chão da fábrica e se posicionar na linha de produção móvel, que ajuda a reduzir o tempo de montagem e também diminui estoques e custos de produção. O 737 na linha móvel se move continuamente, a 5 centímetros por minuto e a linha pára durante os intervalos dos funcionários, para assuntos críticos de produção ou entre turnos. Tabelas de tempo pintadas no solo ajudam os trabalhadores a calcular o progresso de fabricação. Depois, os painéis no chão e as galleys são instaladas e o teste funcional tem início. Em um deles denominado “high blow”, os mecânicos pressurizam o avião como se ele estivesse voando a 28.300 metros (mais de duas vezes a altitude de quando ele está em serviço) e nesse momento, os inspetores se certificam de que não há nenhum vazamento de ar. Em outro teste, grandes guinchos amarelos levantam o avião de 70.300 quilos para que os funcionários possam testar o sistema de retração do trem de pouso. Conforme o avião se aproxima do final da linha, o resto do interior é finalizado, lavatórios, compartimento de bagagem, painéis do teto, carpetes, assentos e um pouco antes do 737 sair da fábrica de montagem final, os mecânicos instalam os motores do jato. A próxima etapa é rebocar o avião a outro hangar para ser pintado com a utilização de cerca de 189 litros de tinta e após a aplicação, o avião ganha mais 136 quilos de peso. Quando o processo de pintura termina, o avião fica pronto para um teste de vôo da Boeing, o último passo para se certificar de que o 737 está pronto para transportar passageiros. Depois desse teste com os pilotos do fabricante, outro é realizado já com os tripulantes da linha aérea cliente e o jato está pronto para ser entregue ao seu novo proprietário.

Via: Renilson Reis / Fonte: Flap International

Tags:

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo