banner ad

Não, nenhum 757 foi hackeado

Boeing 757, projeto de 1978 – qual computador vocês tinham nessa época mesmo?

Hoje saiu essa matéria aí dizendo que um Boeing 757 foi hackeado remotamente, e o pior, por alguém do DHS (Department Of Homeland Security), que é o órgão máximo que cuida da segurança dos EUA.

De acordo com a matéria da Avionics Today, o pessoal que efetuou o teste, disse o seguinte:

We got the airplane on Sept. 19, 2016. Two days later, I was successful in accomplishing a remote, non-cooperative, penetration. Robert Hickey, aviation program manager within the Cyber Security Division of the DHS Science and Technology (S&T) Directorate

Tivemos acesso ao avião em 19 de Setembro de 2016 e dois dias depois conseguimos penetrar de uma maneira remota e não cooperativa

Ah claro, os aviões ficam 2 dias parado no aeroporto esperando para serem invadidos…aham…vamos continuar:

“[Which] means I didn’t have anybody touching the airplane, I didn’t have an insider threat. I stood off using typical stuff that could get through security and we were able to establish a presence on the systems of the aircraft.” Hickey said the details of the hack and the work his team are doing are classified […]”

“Nós não tínhamos ninguém tocando o avião, não havia nenhum intruso. Nós usamos ferramentas típicas que poderiam entrar pela segurança dos aeroportos e fomos capazes de estabelecer uma presença nos sistemas da aeronave. Hickey disse que os detalhes do “hackeamento” eram secretos”.

Claro que são secretos, por isso que eu não vou mostrar aqui um esquema elétrico mostrando o quanto é impossível ter um hack de algum valor em um Boeing 757.

Meu, os caras usaram um Boeing 757!!! Eu posso garantir a vocês que eles não conseguiram fazer nada a não ser acessar uma frequência de ACARS através de rádio frequência. Já escrevi sobre isso, então não vou repetir.
Isso seria o equivalente a usar um rádio pra invadir um transistor no seu aspirador de pó. Você pode dizer pra todo mundo que invadiu o aspirador, mas ele ainda vai precisar ser ligado e arrastado por alguém pra fazer algo útil.

Sabe qual foi a resposta oficial dos experts quando o tal Hickey apresentou o Keynote dele?

“Nós já sabemos disso há anos, não há nenhum problema em acessar isso”

Eu sou muito a favor que se estude muito a segurança das networks dos aviões, especialmente em novos modelos (787/A350/777-300) que são aeronaves que possuem comunicação remota, mas fico bem irritado quando aparece esse tipo de manchete alarmante, levando um leigo a pensar que um avião pode ser controlado após ser invadido. Senhores, o 757 ainda tem banheiro com água azul, nem descarga a vácuo tem!! Quanto mais controle de sistemas do avião usando algum tipo de network.

Só resta dar risada e esperar a reação no twitter quando sairem as traduções nos sites especializados em tecnologia.

Tags: , , , , , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
  • André K

    Corrão!
    2 dias! Se deixar tempo suficiente esse pessoal consegue hackear DC-3, Ju-52 3m, etc… um perigo!

    • Augusto Guimaraes

      Estou até Com Medo de Hackearem os Cessna 152 lá do Aeroclube.

  • Elton Veoitao

    alguem me faria a gentileza de tirar uma duvida, ja que no youtube ninguem responde, o lito nao da atençao, ninguem liga pra uma misera pergunta idiota: porque os malditos jatinhos tem o bico fininho e os boeing/airbus da vida tem o bico mais achatado ? peguntei la no video que o lito fala da area 41 e nem uma atençao foi dada -_-

    • Luan Carvalho Andrade

      É o projeto, o pq disso ou daquilo é com os engenheiros da aeronave! Mas é mentira que todos os radomes dos jatos comerciais grandes da Boeing ou Airbus são achatados, o 787 e o A350 são exemplos de design interiço e com radome afilado.

  • “conseguimos penetrar de uma maneira remota e não cooperativa”

    Huuuuummmmm…

Topo