banner livro

Não seja sugado por um motor a jato


Este vídeo mostra uma sequencia completa de partida de um motor PW4060 que equipa os Boeing 767-300ER de várias empresas. Este motor tem que ser muito potente para empurrar um avião deste tamanho, logo ele precisa “chupar” muito ar para funcionar, assim como todos os motores a jato (principalmente os de Hy Bypass Ratio, em linguagem leiga, os de “boca grande”).
Todos deveriam saber dos perigos que envolvem a manutenção de aviões, e um deles é a aproximação de um motor desses em funcionamento. Resolvi fazer a filmagem em um dia de chuva por que o efeito da sucção da entrada de ar fica visível mesmo com o motor em marcha-lenta. Cada manual de manutenção de cada avião possui as limitações de proximidade de um motor a jato em funcionamento, tanto pela frente como por trás. Na maioria dos casos, a aproximação é sempre feita de maneira perpendicular ao eixo do motor, onde tanto a sucção como o jato de ar são “fracos” (mas perceba no vídeo que mesmo sendo uma zona segura, a roupa do mecânico balança bastante com o vento).
Um mecânico tem que estar sempre consciente dos perigos e sempre seguir os procedimentos, sob o risco de se machucar seriamente ou, num caso extremo como passar em frente a um motor destes em funcionamento, vir a morrer.
Um leitor perguntou há alguns dias atrás pra que servia “aquele caracol branco pintado no bico do motor” e eu respondi que era uma maneira visual de você perceber que o motor está virando (funcionando). Então você pergunta: “Mas com esse barulho ensurdecedor não dá pra perceber que o motor está virando??
E eu respondo: Imagine você numa rampa de aeroporto em que podem haver quatro aviões próximos todos com motores virando. Você acha que com tanto barulho em volta e você usando protetor auricular vai ficar realmente claro que determinado motor está virando?
Por isso todos os seus sentidos têm que estar atentos, o tempo todo.
Safety First / Segurança em primeiro lugar.

Tags: , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo