banner pneufree.com

North American P-51 Mustang

O P-51 Mustang, assim como outros caças desenvolvidos durante a segunda guerra mundial, chamam a atenção primeiramente pela beleza.

P-51 Mustang

P-51 Mustang – ©Lito

Foi projetado pela North American Aviation em 1940, a mesma fábrica que desenvolveu depois o XB-70 Valkyrie. Curiosamente, o primeiro operador do Mustang foi a RAF (Royal Air Force) e não a USAF.

O P-51 possuía um “motorzinho” V12, refrigerado (arrefecido) a água, 1700 HP supercharged para operações em altas altitudes (incrivelmente possuía um teto de serviço de 41 mil pés) e era rápido, muuuuuito rápido, coisa de 700 km/h de máxima a 25 mil pés. O barulho do motor é algo sublime, diferente dos radiais e com um silvo único ao passar em alta velocidade.

P-51 Mustang

P-51 Mustang – ©Lito

Há muitos P-51 em operação no mundo, e em alguns lugares nos EUA você paga a bagatela de U$500 e voa (ou pilota) por 1 hora em grande estilo, com direito a rasantes. Este ano, em Oshkosh mencionaram sobre o grande número de Mustangs construídos (16,766 total) e que após o término da guerra havia tantos sobrando que eram vendidos para particulares por U$1500 (isso mesmo, mais barato que um iMac). E nem era black friday.

P-51 Mustang

P-51 Mustang – ©Lito

Apesar de toda a beleza e performance, o Mustang tinha um ponto “fraco”: a sua asa trapezoidal de fluxo laminar, responsável pela alta velocidade, não permitia que o raio de curva fosse muito fechado – algo vital em DogFight. O Spitfire por exemplo, era muito mais eficiente neste quesito, e os BF-109 alemães também.
Apesar disto, foi um dos melhores caças dos aliados.
O Brasil jamais teve um Mustang :(Uruguai e Bolívia tiveram).

Vejam de perto essa belezinha.

Tags: , , , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
banner livro
Topo