banner livro

O dia em que a tecnologia permitiu acompanhar o destino fatal de um voo

Os americanos têm uma frase que simboliza bem a tarde de hoje para os interessados em aviação: “mixed feelings”.

Tudo começou por volta de 13:46, quando o NORAD (North American Aerospace Defense Command) informou via Twitter que caças F-15 estavam escoltando um pequena aeronave que havia perdido comunicação e que aparentava ter ocorrido uma possível hipóxia com a tripulação.

A partir desta informação inicial, rapidamente se descobriu o prefixo da aeronave (N900KN). De posse de um prefixo, a tecnologia do ADS-B permite que hoje se acompanhe quase qualquer aeronave ao redor do mundo, em tempo real (ou com 4 minutos de defasagem).

O ADS-B é um equipamento que faz o broadcast de alguns parâmetros da aeronave, como velocidade, altitude, proa, posição espacial, razão de descida/subida e até o código de transponder. Há dois sites principais utilizados para acompanhar aviões, o FlightRadar24 e o FlightAware, cada qual com suas vantagens e goodies.

Alguns minutos depois do aviso inicial, o NORAD divulgou que os pilotos dos F-15 haviam reportado que as janelas do agora identificado TBM-900 Socata estavam “frosted”, ou seja, aparentavam estar congeladas. Este tipo de condição ocorre quando há uma perda de pressurização na cabine sem uma ação por parte da tripulação. Geralmente, a despressurização sem ação de controle leva a inconsciência das pessoas a bordo.

É importante salientar neste momento que o sistema de pressurização destes pequenos aviões particulares é totalmente diferente dos aviões comerciais.

Tracking do voo através do FlightRadar24

Tracking do voo através do FlightRadar24

E então o surreal passou a acontecer: de nossas casas pudemos acompanhar o fatídico voo cruzar toda a ilha de Cuba, conferir vários parâmetros do avião e continuar observando a trajetória até o sumiço, a cerca de 14 milhas (25 km) de Port Antonio na Jamaica. Havia informação disponível ao público de uma maneira jamais imaginável há apenas alguns anos.

Com informações e ferramentas disponíveis, conseguiu-se até montar o mapa com o alcance previsto do avião.

Mapa criado enquanto o avião era acompanhado em tempo real

Mapa criado enquanto o avião era acompanhado em tempo real

Muitas informações também estavam disponíveis no site da Fabricante. Esta abundância de informações, apesar de positiva, possui o lado ruim de levar pessoas a tirarem conclusões precipitadas sobre o que poderia ter acontecido.

Por exemplo: um jornalista especializado em aviação encontrou no site da Socata informações técnicas sobre o sistema de pressurização do TBM-900, e que este é totalmente automático, ao contrário das versões anteriores da aeronave. Isto poderia te levar a acreditar que o sistema falhou, por ser automático, e portanto seria a causa do acidente de hoje. Não se deve pensar assim, pois ainda que o sistema tivesse falhado é preciso descobrir o que mais ocorreu para que a tripulação ficasse inconsciente. Nenhuma falha única, isolada, é capaz de levar qualquer avião ao chão – é preciso descobrir o que mais aconteceu, e isso só a investigação pode descobrir. Há informações por exemplo, de que no último contato sobre a Carolina do Norte, o piloto informou que precisava diminuir a altitude e após este ponto o voo tornou-se uma linha reta. Alguma coisa a mais aconteceu, concordam?

Imagem do FlightRadar24

Imagem do FlightAware com a rota do TBM-900

O Daher-Socata TBM-900 é um monomotor pequeno, para 6 pessoas, e duvido muito que possua flight recorder ou voice recorder, mas isto não significa que o acidente não será solucionado, por causa dos métodos utilizados hoje em dia pelos experts.

Perdas de pressurização são eventos extremamente raros.

Então esta foi a tarde de hoje, se por uma lado tínhamos todas as informações disponíveis na ponta dos dedos, de outro lado nada podia ser feito. Mixed Feelings.

P.S. Não comecem a contabilizar mais este acidente como o “ano negro da aviação”. Nada mais longe da verdade, aviões particulares jamais entram na estatística de acidentes aéreos comerciais, simplesmente porque são criaturas totalmente distintas. Nossa aviação comercial, que é a que realmente importa, vai muito bem obrigado.

Update Encontrada a aeronave e os corpos: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/01/corpos-de-vitimas-de-acidente-aereo-na-jamaica-sao-achados-apos-4-meses.html

Tags: , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo