banner livro

O primeiro voo do Brasil


Quando o assunto é aviação brasileira, é impossível não pensar em Alberto Santos-Dumont. O “pai da aviação”, como é conhecido, conquistou os ares com os primeiros aeroplanos, entre o final do século 19 e o início do século 20. Mas é fato que todos os sucessos do inventor aconteceram fora do Brasil. Para todos os efeitos, são conquistas internacionais.

Então, como começou de fato a aviação brasileira? Ironicamente, pelas mãos de um francês radicado no Brasil. Dimitri Sensaud de Lavaud mudou-se para Osasco, então apenas uma modesta vila da capital paulista, no final do século 19. Trazido pelo pai, que chegava ao País motivado por oportunidades de negócios, o jovem engenheiro construiu o que viria a ser o primeiro avião legitimamente brasileiro. Com o aeroplano São Paulo, Dimitri realizou o primeiro voo registrado da América Latina, em 7 de janeiro de 1910. Mas, com o passar dos anos, a história foi esquecida.

Escrito por Susana Alexandria e Salvador Nogueira, 1910 – O Primeiro Voo do Brasil resgata essa emocionante história. Além de informações pormenorizadas a respeito do voo pioneiro de Dimitri e de seu avião, o livro, resultado de três anos de pesquisa, é ricamente ilustrado e traz muitas referências sobre o Brasil daquela época, um país cuja indústria apenas começava a dar seus primeiros passos.

Mais que um aviador, Dimitri Sensaud de Lavaud foi um inventor produtivo e um personagem importante do século 20, com mais de mil patentes registradas. Ao tentar consertar seu primeiro avião, num golpe de sorte, Lauvad descobriu uma forma de fabricar tubos em larga escala. A invenção foi patenteada, e ele criou a Companhia Brasilseira de Metalurgia, que o tornou milionário.

E seus inventos não pararam por aí. Em 1927, ele desenvolveu um automóvel com transmissão automática (isso mesmo, um carro com câmbio que trocava de marcha sozinho, elemento que só viria a se popularizar em automóveis no final do século) e suspensão independente nas quatro rodas. Os desenvolvimentos chamaram a atenção de André Citroen, que tentou implementar a tecnologia em seus modelos.

Quando começou a Segunda Guerra Mundial, Lauvad não hesitou em ajudar a França e ofereceu planos para um míssil guiado e outras invenções. Porém, foi preso pela Alemanha e, apesar de ter recusado trabalhar para Hitler, anos depois, foi acusado de colaborar com o regime nazista. Apesar de ter sido inocentado, Lauvad nunca mais recuperou a alegria de viver. Deprimido e pobre, morreu prematuramente em 1947, deixando o mundo que ele ajudou a transformar.

Sobre os autores
Susana Alexandria
– Tradutora e escritora, é formada em Letras pela USP – Universidade de São Paulo e pós-graduada em Argumento e Roteiro para Cinema e Televisão pela FAAP – Fundação Armando Álvares Penteado. Traduziu clássicos da ficção científica, como O Fim da Eternidade, de Isaac Asimov e A Mão Esquerda da Escuridão, de Ursula K. Le Guin, todos publicados pela editora Aleph. Nascida em São Paulo, mas criada em Osasco, morou por muitos anos em uma vila ao lado do Chalé Brícola, palco do voo histórico relatado no livro. Susana também é autora do blog http://primeirovoodobrasil.blogspot.com/.

Salvador Nogueira – Nascido em São Paulo, graduou-se em Jornalismo pela USP – Universidade de São Paulo e possui especialização em Ciência. Durante sete anos, foi repórter de ciência do jornal Folha de S. Paulo. Trabalhou por três anos como primeiro editor do caderno Ciência e Saúde do G1, portal de notícias da TV Globo, e foi colunista da rádio CBN. Ao longo de sua carreira, fez comentários televisivos sobre temas ligados à ciência na TV Record e na GloboNews. Atualmente, é editor da revista Conhecer (Duetto), versão brasileira da Knowledge, publicação da BBC de Londres. Em 2006, Nogueira publicou um conto de ficção científica na prestigiosa revista britânica “Nature”, texto este que, posteriormente, também seria incluído em uma antologia com os melhores contos publicados pelo periódico, chamada Futures from Nature. Neste livro, organizado por Henry Gee, seu nome figura ao lado de gigantes da sci-fi, como Arthur C. Clarke e Norman Spinrad.

1910 – O Primeiro Voo do Brasil é o segundo livro escrito por Susana Alexandria e Salvador Nogueira. Em 2009, a dupla lançou o Almanaque Jornada nas Estrelas, também pela editora Aleph, obra que conta a saga do seriado de ficção científica mais popular do planeta.

O lançamento do livro será no dia 29 de Junho as 19:00hs na Livraria Saraiva do Shopping Patio Paulista

Tags: ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo