banner livro

O que seria aquele “varal” na cauda de alguns aviões?

Vários leitores já perguntaram sobre uns cabos que costumavam ser presos entre a fuselagem e a cauda das aeronaves mais “antigas”, como esse 737 abaixo (clique na foto para ampliar).


Photo has been autorized to be used by Bob Garrard as per email in my file.
Copyright Bob Garrard – Original photo located at Airliners.net at this link

Esses cabos gigantescos (que o Electra possuia quando eu entrei na Varig, mas que foram removidos por volta de 1988, remoção que participei, com muito medo, pois era um lugar bem alto pra soltar o cabo na deriva) e, ao contrário do que muita gente pensa, eram somente antenas de rádio.

Como assim antena? Daquele tamanho? E porque hoje em dia não se usam mais esses cabos?

Bem, eu não vou explicar detalhadamente o funcionamento de ondas de rádio, não é o propósito do Blog, mas dando uma pincelada, essas antenas eram de rádios chamados HF (High Frequency), para comunicação a longa distância. A frequência e comprimento de onda do HF é bem parecida com os rádio PX usados por caminhoneiros e radio amadores.

As ondas dos rádios HF é AM (amplitude modulada), ao contrário dos rádios VHF que usam FM (por isso as rádios piratas interferem nas comunicações dos pilotos com a torre, porque a frequência de VHF para aviação é bem próxima da frequência de rádio FM comercial).

O uso do AM para HF e as ondas curtas permitia comunicações a longa distância, e por causa da frequência requeriam também uma antena bem comprida para transmissão e recepção, por isso se instalavam esses cabos que corriam a fuselagem quase inteira. Hoje com a comunicação via satélite, as coisas são mais fáceis, mas quando não haviam satélites a única maneira de se comunicar a longas distâncias era usando rádio HF.

As ondas de HF refletem na camada ionizada da atmosfera e retornam à Terra (foi por isso que quando eu estava na Africa consegui falar com Manaus).
A ilustração abaixo mostra mais ou menos como é isso:


Ilustração by Boeing

As aeronaves que não tinham cabos ou antenas protuberantes, não tinha rádios HF instalados. Abaixo uma foto da Antena de HF dos Boeing 707, que parecia uma espada saindo da ponta da deriva.

HF 707

Hoje em dia, com a tecnologia de construção de materiais e do uso de freqûencias mais altas, essas antenas enormes são embutidas na própria deriva ou as vezes nos winglets.

Apesar de agora a antena parecer tão menor do que aqueles enormes varais, a energia dissipada durante a transmissão é a mesma, por isso nunca se deve transmitir por rádio HF quando a aeronave está sendo reabastecida, explosões podem ocorrer.

Pronto, esta é a versão simplificada daqueles cabos enormes que prendiam a deriva na fuselagem.

Tags:

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo