banner livro

OSHKOSH 2011, o primeiro dia

Hoje foi o primeiro dia “de verdade” em Oshkosh.
O dia amanheceu feio, com chuvas e trovoadas e parecia que ia estragar “a festa”, eu até tinha um plano B de ir visitar o museu da EAA caso o tempo não melhorasse.

Mas a chuva deu uma pausa e fomos para o aeroporto, chegamos por volta de uma da tarde, mas começou a chover novamente e ficamos embaixo de uma asa de Super Decathlon já pensando que o Show Aéreo ia “miar”, porém, apesar das condições do tempo, um De Havilland Dash 8 se apresentou fazendo vários circuitos e dando rasantes.

O tempo começou a melhorar e o show aéreo começou a crescer, decolaram Corsairs, Wildcats e outros importantes membros da família Naval americana (aliás, Oshkosh este ano é em homenagem aos 100 anos da aviação Naval).

Tenho vídeos de parte do show aéreo e aos poucos vou postando, mas o dia valeu a pena mesmo por algo que eu ainda não tinha presenciado: Uma passagem em alta velocidade de um F-18, a uns 300 metros de altura, com afterburners ligados e um cone de condensação no corpo, quase supersônico…vocês não têm idéia da sensação de ver, ouvir e literalmente sentir uma passagem destas. Eu não consegui nem filmar, não apareceu nada no filme, apenas o ruído dos poderosos turbofans com pós queimadores.

Se a visita à feira deste ano já teria valido a pena para poder ver o 787 de perto, tenho que dizer que a passagem do F18 arrepiou, depois ponho foto dele com uma camuflagem sensacional.

Para mostrar um pouquinho do que aconteceu hoje depois que a chuva parou, seguem dois vídeos: o Primeiro de um carro com um motor a jato montado na carroceria e que cruzou a pista em alta velocidade, com direito a um efeito especial incrível (não vou contar, tem que ver o vídeo). O segundo vídeo é um pequeno walkaround no CH-53 Super Stallion, que eu só conhecia pelo FSX…rs… e o bicho é um monstro!

Fiquem na escuta, tem muito material mas vai demorar um pouco para conseguir postar tudo.

Tags: , , , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo