banner livro

Oshkosh 2013, resumo #OSH13 parte 1

Oshkosh (pronuncia-se óscosh) é uma cidade do distrito de Winnebago, no estado americano de Wisconsin. Poderia ser como outra cidade qualquer do interior da América, não fosse o fato de abrigar um dos maiores shows aéreos do mundo (EAA Air Venture), com mais de 500.000 pessoas visitando anualmente. Durante a semana que dura o evento, a torre de controle do Wittman Regional Airport se torna a mais movimentada do planeta, com mais de 10.000 aeronaves chegando para o show. O volume de tráfego é tão gigantesco, que não seria possível manter comunicação verbal, então a torre desenvolveu um sistema em que as instruções são passadas e a aeronave que as recebe balança as asas para “cotejar” o recebimento. Todas as aproximações são visuais e a pista maior (de 2500 metros) é dividida em 3 partes com bolas coloridas adesivadas ao asfalto, para que até 3 aviões possam pousar ao mesmo tempo.

É difícil descrever o que é participar da Air Venture. A atmosfera totalmente ligada a aviação, a acessibilidade a qualquer piloto (quer conversar com o dono do Sea Harrier? é só puxar um banquinho pra baixo da asa e bater um papo), a alegria dos voluntários em ajudar, as acrobacias inebriantes a baixa altitude, o suporte ao visitante, o show noturno, tudo favorece a experiência única que é participar desta semana de celebração a aviação. Sou membro da EAA desde 2010, pago U$ 50,00 ao ano e tenho desconto em alimentação, merchandise, e na compra dos ingressos, além de receber em casa mensalmente a revista Sport Aviation.

O que é Oshkosh:

Osh é poder ouvir a todo tempo o som dos motores radiais. É descansar sob as asas de um DC-3 ou um C-5 Galaxy. É poder tocar em um Mustang que participou de missões na Segunda Guerra. É subir em uma asa de um clássico Douglas DC-3 e ficar olhando para cima até o sol se pôr.

Você sempre estará olhando para cima em Oshkosh

Você sempre estará olhando para cima em Oshkosh

Ou melhor, é ficar olhando para cima até depois que o sol se pôr. Barulho, cheiro de combustível, velocidade e música. Aviões e Músicas. Sounds familiar?

Início do show noturno

Início do show noturno

Quer ouvir barulho de radial no meio da escuridão? Aumente o volume do seu computador e veja este vídeo abaixo. O show noturno de Osh é algo que você tem que colocar no seu balde de coisas a fazer antes de morrer, qualquer imagem não faz jus ao que é estar lá, em plena escuridão, deitado na grama, ouvindo música boa e queima de fogos.

E depois de ficar extasiado com o show, há o fechamento do dia com uma queima de fogos de mais de 15 minutos sincronizada com trilhas sonoras diversas e o final espetacular da parede de fogo. Uma explosão de dinamite e gasolina ao longo da pista que mesmo estando a 250 metros de distância faz seu corpo aquecer e seu ouvido sentir a onda de choque, além de iluminar o breu.


Durante o dia, não faltam atividades. Além de um museu (gratuito para quem comprou ingresso para o evento), há todo tipo de fóruns e workshops, desde como fazer reparos em fibras de carbono até palestras do FAA sobre segurança de voo. As apresentações diurnas começam as 14:30, então há muito tempo para aproveitar para quem chega de manhã. Mesmo que queira apenas ficar sentado olhando para a pista, verá tantos aviões pousando e decolando (até em formação), que já valerá a pena. Se quiser andar, prepare-se: em um dos dias, eu e o Bachian (que foi comigo este ano) andamos 13 quilômetros em um dia. Tenha sempre a mão uma garrafa de água, para não desidratar. O vídeo abaixo mostra só um pouquinho do que aconteceu este ano, que não teve uma grande atração por conta dos cortes no orçamento do governo americano.

Fotos

Foram 3095 fotos em 4 dias, então é possível perceber a minha dificuldade em catalogar e separar algumas para poder mostrar. Quem acompanha a página no facebook já viu algumas, mas selecionei abaixo um photostream do Flickr com as melhores (10% do total). Assistam os slides em tela cheia.

 

Na segunda parte do post, vou dar dicas para quem quiser participar desta aventura. Até.

Fim de tarde em Oshkosh

Fim de tarde em Oshkosh

Tags: , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo