banner ad

Panorama da Aviação Comercial – Brasil

Foto do A320NEO da Azul

A320NEO da Azul

Dando sequencia à nossa série, o Brasil nós sabemos bem: economia em retração, cerca de 60 aeronaves devolvidas pelas empresas nos últimos tempos, porém sempre algo de novo no ar. O assunto do momento são as novas condições gerais do transporte aéreo, onde haverá cobrança da bagagem despachada a partir de Março do ano que se avizinha velozmente (se aprovado pelo Congresso).

A LATAM, maior empresa do país, segue liderando o mercado, recebendo aeronaves A320NEO e A350, iniciará a retirada gradual dos Boeing 777-300 de sua linha de voo. Tem renovado sua frota de aviões “domésticos” com a saída dos seus primeiros A319/A320 e mantém uma presença significativa de Airbus A321-200 de 220 lugares. Seguindo a LATAM temos a GOL, em franca reestruturação, nova imagem, retirada de aeronaves mais antigas e venda de outras para operadores asiáticos ou a Delta Airlines.

GOL - Foto de Antônio Souza Lima JR

GOL – Foto de Antônio Souza Lima JR

Um pouco mais atrás das duas líderes, temos a Azul, que completou em 2016 a retirada de aeronaves ex-TRIP, precisamente os Embraer 190, enviados para a TAP Express. Os ATR42-500 e ATR72-500, da antiga maior regional do continente restaram 5 ATR72-600, inclusive com a pintura TRIP atuando na Azul, que teve como grande novidade neste ano a chegada dos Airbus A320NEO em sua frota, tais aviões também foram recebidos por outro importante player, a Avianca Brasil, que começa a receber A320NEO para substituir os Airbus A318-121.

Com dimensões continentais, o país deveria ter uma aviação regional largamente desenvolvida, mas o que temos visto nos últimos anos é a extinção de operadores e redução de frota entre as regionais sobreviventes. A Passaredo, mais antiga empresa em atividade no segmento, com 21 anos reduziu sua capacidade ao devolver 6 dos seus 14 ATR72, ficando com 3 ATR72-600 e 5 ATR72-500, esta ação promoveu a redução de 20% de sua malha em termos de frequências. A empresa segue em recuperação judicial. Por outro lado se a Passaredo devolveu 6 aviões, a amazonense MAP Linhas Aéreas adquiriu um ATR42-320, o lendário PT-MFE, primeiro ATR42 Brasileiro, com isso sua frota passou para 3 ATR42 e 2 ATR72, com os quais atua exclusivamente na região Norte, com intenções de alcançar a região Nordeste nos estados do Maranhão, Piauí e Ceará. Ainda no segmento regional, a paraense Piquiatuba inaugurou algumas rotas no Piauí, através de subsidio governamental e no Pará no mesmo molde, a empresa possui 4 Cessna C208B Caravan e um par de Embraer 120 Brasília, atua também na RPN dos Correios. A cuiabana ASTA se mantém dominante no Mato Grosso, onde a Azul não chega, usando seu trio de Caravans.

Rima

Rima, Rio Madeira Táxi Aéreo – Reprodução empresa

A RIMA – Rio Madeira Taxi Aéreo, atua no regional através de voos sistemáticos em Rondônia e Amazonas, com sua frota de Cessna Grand Caravan, é uma empresa de forte atuação institucional buscando melhorias ao setor de aviação regional. Também com os Cessna Caravans está a TWO Taxi Aéreo, atuando no Projeto de Integração Aérea de Minas Gerais e rotas cargueiras, em sua frota estão 18 aeronaves.

Em situação indefinida está a carioca Flyways, com um único ATR72-500 estocado no Aeroporto da Pampulha, Belo Horizonte, fontes indicam que a Boliviana Amaszonas está auditando a empresa para aquisição.

Mas nem só de passageiros vive a aviação comercial Brasileira, empresas dedicam-se exclusivamente a operação cargueira, em sua maioria operando a RPN dos Correios, são elas a COLT com 1 Boeing 757-200 e 2 Boeing 737-400, a SIDERAL, “bola da vez” com a maior parte das rotas dos Correios, foi a pioneira no país em trazer 737-300 Cargueiro, além dos seus 737-400F, a RIO que possui um 737-400F e 3 Boeing 727-200F, a LATAM Cargo, antiga ABSA com os Boeing 767-300F, a TOTAL, tradicional nome no setor aéreo nacional, que possui 3 ATR42-500 para fretamento de passageiros corporativos e 3 Boeing 727-200F aplicados na RPN. Uma empresa que não iniciou operações é a Modern, portadora de um Boeing 737-400F.

Como é o nosso país, este artigo será complementado no futuro com informações gráficas detalhadas de idade da frota, modelos mais presentes nos aeroportos e outras curiosidades aguardem em próximos posts aqui.

Passaredo – Foto Alexandre Conrado

Tags: , ,

Sobre o Autor

Alexandre Conrado, pesquisador de aviação e profissional no segmento desde 2001
  • Ricardo Braz

    Lito, a Latam vai retirar gradualmente os 777-300 e manter os 767?

    • Dario Lemos

      Pelo que andei lendo os A350 substituirão os 777 e o meu palpite é que os 767 continuarão a serem usados porque a Lan encontrou um maneira de os custos operacionais se manterem baixos.

    • Os A350 substituem o 777.

  • Gomba

    Torcendo pra crise dar uma trégua e a aviação nacional voltar a crescer. :(

    Como tá a questão das propostas de desoneração das empresas e do combustível aeronáutico? Morreu a discussão também né?

  • Henrique

    Alguém possui notícias em relação a modern logistics? Quando eles iniciarão as operações? Abs

    • Boa pergunta, nem conto mais com ela, o avião chegou e nunca voou.

  • Dario Lemos

    Alguém saberia responder se é possível algum vôo não aparecer no flightradar ?

    • Márcio De Jesus Azeredo

      Se a aeronave não conter ADS-B não aparece no flightradar24, acredito que os Airbus A320-232 de 1998-2001 da LATAM não deve estar equipado pois não vejo eles no flightradar24 quando procuro pela matrícula deles, PT-MZL, PT-MZT por exemplo.

      • Dario Lemos

        Fiz a pergunta porque um A320 da Tam passou próximo ao meu escritório (fica na rota) e este não aparecia no flightradar24 enquanto que um 737 da Gol, que decolou pouco depois, aparecia. Obrigado.

      • R.F.

        Verdade, esses aviões que você citou só aparecem quando uma área é coberta por vários receptores, a chamada cobertura MLAT, e mesmo assim não aparece o nº do voo deles, as vezes a velocidade também é incorreta.

    • Tony Coelho

      Repare que a maioria dos Embraer da Azul não aparecem.

      • Dario Lemos

        Aqui em Cuiabá é hub da Azul e irei prestar mais atenção a isso. Obrigado.

    • Emanuel Schott

      O avião precisa ter ADS-B e estar dentro da área de cobertura de algum receptor em solo. Repare que grande parte dos aviões “somem” em cima da Amazônia.

      • Dario Lemos

        Obrigado por responder.

      • C. A. Oliveira

        Vou aproveitar seu conhecimento. Seguidamente ao redor do Rio Grande do Sul voa uma aeronave identificada apenas como E55P. Sua altitude e velocidade são impressionantes. Que aeronave é esta?

        • Emanuel Schott

          Embraer Phenom 300. É um jato executivo de pequeno porte. O teto operacional dele é de 45.000 pés (aviões comerciais voam na faixa dos 30.000). Ele realmente consegue atingir altitudes e velocidades maiores.

          • Klein

            Coisa fina essa “nave”, na casa de 30 milhões de reais!

  • R.F.

    A Flyways está mesmo inoperante? Ouvi falar que ela estava operando a rota de BH para Uberaba, mas não acreditei…

  • Rafael Klein

    A Sterna parou de operar depois do incidente em REC?

    • Luciano Gurski

      Também queria saber…

    • Sim, o avião deu perda total… estão buscando outro idêntico para retornar atividades.

  • Clodoaldo Ramos

    Parabéns Lito!

    Em relação aos triplos seven da Latam,esses devem serem vendidos?

    Esperando sua visita a FOR…

    Abraço,

  • Guerino Tomaggi Jr

    Ótimo artigo! Também fiquei na duvida sobre a Flyways. Tinha lido que ela havia parado no meio do ano e depois voltado em Outubro. Então ela parou novamente?
    É uma pena ver empresas tentando entrar e gerar mais competição na aviação, mas enfrentando grandes dificuldades e ficando pelo caminho.

    • Parou novamente, mas estão em vias de ser vendida.

      • Guerino Tomaggi Jr

        Obrigado, Alexandre!

  • Luciano Gurski

    Os 727 da rio estão voando? Vi recentemente dois em Curitiba sem motor e um em Brasília com aspecto de abandonado….

  • Fabrício José da Silva

    Tomara que a aviação brasileira continue crescendo, sou fã da Azul.

  • Marcus Cyranka

    Desculpe usar este canal.
    O nome Harro Cyranka te diz alguma coisa?

    • Comandante famoso da Cruzeiro! Se não me engano o que mais horas voou em Caravelle no Brasil, algo do tipo.

  • Ricardo Braz

    Boa tarde! Alguém sabe porque a Latam irá retirar o Airbus A350 de algumas rotas (quase todas, pelo que eu li)? Ouvi um boato de que, com a compra de ações da Latam pela Qatar, alguns A350 da Latam serão enviados para a empresa de Doha, mas não sei se é verdade.

  • Felippe Amorim

    Escutei falar que a Colt Cargo está com as suas duas aeronaves paradas. Não me recordo o motivo. Uma pena!

  • Ícaro

    Gente a Gensa Taxi Aéreo criou uma empresa de aviação regular a Air Sul (VoeCanelinha) que faz rotas curtíssimas de Porto Alegre – Canela e POA – Bento Gonçalves com EMB-110

Topo