banner pneufree.com

Pergunta: Como o piloto enxerga a faixa de taxi?

Autor: Johnny Boy
Quando o avião está taxiando pelas taxyways, pelo pátio ou mesmo ao se aproximar de um gate, como o piloto faz para “seguir” a linha amarela demarcada no chão se ele não a consegue ver do cockpit ???

Prática gafanhoto, prática…rs.
Depende muito do avião que você esta taxiando. Eu tenho qualificação de taxi no 767 e no 777 e eles são bem parecidos de taxiar apesar da diferença de tamanho entre os dois. Nós [mecânicos] fazemos assim: Quando taxiando em linha reta, a linha amarela é visível lá na frente, então no caso do 777 nós [mecânicos] tomamos como referência a nossa perna direita ou o EFIS control panel, ou seja, se deixarmos a faixa amarela que esta visível lá na frente alinhada com o EFIS CP que é localizado ao lado do Auto-Pilot ou com nossa perna direita, o avião estará centralizado (dá pra ouvir também quando a roda passa sobre as lâmpadas embutidas na taxyway).
EFISCP
Resumindo: Com o tempo, você encontrará sua própria referência no cockpit e basta seguir.
No caso de curvas, também usamos referências se ela for para esquerda ou para direita. No caso do 777, digamos que a curva seja para a esquerda: Você vem alinhado na taxyway e percebe que lá na frente tem a faixa curvando certo? Então aproximamos o nariz do ponto da curva e (nós mecânicos) reduzimos a velocidade p/ no máximo 10kts. Mantendo o nariz alinhado ultrapassamos a faixa que devemos virar ate que ela esteja um pouco atrás de nosso ombro esquerdo (encosto da cadeira) e então viramos o steering (“volante”) quase todo pra esquerda (é sempre bom lembrar que o piloto está vários metros a frente da roda do nariz, por isso só começamos a curva bem depois que a faixa já passou). No caso de curva para a direita o processo é o mesmo, só muda a referencia que passa a ser atrás do ombro do co-piloto.
Resumindo, tudo é uma questão de prática, por isso eu fiz questão de frisar “nós mecânicos”, pois com o tempo o processo de situação espacial fica quase automático e você abandona as referências (que é o caso dos pilotos).
Observação: Para se aproximar do gate é diferente, precisamos de auxilio, por isso tem o “marshalling” (o cara com as lanterninhas sinalizando os movimentos), já que se perde toda a visualização das faixas e do local onde tem que freiar.

Tags: ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
banner livro
Topo