banner ad

Perto da realidade – Cessna 172 elétrico

Alta confiabilidade, baixo custo operacional e segurança avançada são alguns dos benefícios que se pode esperar de um Cessna 172 com motor elétrico, de acordo com George Bye, CEO da Bye Energy, que se juntou com Charlie Johnson, ex presidente da Cessna Aircraft, durante o projeto Green Flight na última semana em Long Beach, California.

“A tecnologia de baterias ainda não está suficientemente avançada” disse George, mas estamos apostando em mais dois ou três anos de desenvolvimento.

Johnson descreveu o projeto desta maneira: “Nós estamos falando sobre remover um motor convencional de quase 200 KG de dentro da aeronave substituindo-o por um motor elétrico de 18 a 20KG! Isso nos dará 180KG de diferença para colocar outras coisas a bordo, sendo que 290 a 315KG serão usados para armazenar as baterias.”

Durante uma revisão de motor, um proprietário de um C172 poderá optar por instalar um motor elétrico pelo custo de um motor convencional novo.

A fase um de desenvolvimento será uma aeronave de dois lugares com autonomia de 1 hora de voo. Com o avanço da tecnologia, a fase 2 terá autonomia de 2 horas.

Uma maior confiabilidade é o que se espera do motor elétrico, que deverá ter uma capacidade operacional de 20,000-30,000 horas contra 2,500-3,000 horas de um motor convencional. Ao mesmo tempo, o motor terá uma operação mais suave com menos vibração e barulho.

O custo operacional também será menor, na faixa de 75 a 80% menos. Um Cessna convencional tem um custo por hora de voo de 55 a 60 dólares, enquanto o elétrico está estimado em 10 dólares por hora.

Há também vantagens em termos de performance, já que ao contrário dos motores convencionais um motor elétrico não perde potência com o aumento da altitude. A carenagem do motor também será mais fina já que não precisa ter uma boca enorme para resfriar o radiador de óleo, isso vai resultar numa diminuição de 10 a 14% de arrasto aerodinâmico.

A aeronave da fase 1 começará os testes de taxi no primeiro trimestre de 2011, deve voar na primavera (americana) e voar no verão. A aeronave da fase 2 terá uma hélice de 6 pás e painéis solares no extradorso da asa e um dispositivo gerador de energia nas pontas das asas para se aproveitar dos vórtices aerodinâmicos. A companhia pensa em também desenvolver um tipo de APU com um tanque de 16 a 20 litros que poderia gerar eletricidade para aumentar o alcance da aeronave.

Outras inovações? Durante as descidas, a hélice passa a gerar eletricidade para recarregar as baterias, o que seria ideal para aeronaves de treinamento.

Fonte: EAA News

Para ler mais (em inglês): Previsão de que aviões elétricos vão dominar os céus no futuro

Tags: ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
  • Achei interesante. Falam que num motor eletrico tem um aproveitamento de 85 a 95% da energia, e no convencional é de 25 a 30%, mas que o principal problema está na armazenagem da energia (baterias, seja desde o peso ate o tamanho).

    • Nairon

      E também o de tempo útil em relação aos ciclos de cargas, uma bateria com pouca duração necessita de mais ciclos de carga e a vida útil é reduzida. Baterias de alta capacidade são grandes e pesadas, o que para a aviação se torna impraticável. Porém se observarmos, a capacidade das baterias melhoraram bastante nos últimos anos com a descoberta de novas tecnologias.

      • Bruno Rocha

        Hoje já há baterias de ion-lition com capacidade de recarga acelerada. Suponha uma autonomia de 200km, onde se pode fazer uma carga completa em até 3h.

  • Alessandro

    O pessoal tem condições de fazer o avião auto sustentável eletricamente falando,com o próprio giro da hélice ,ou de uma outra hélice captando o vento relativo , fazendo um gerador produzir energia para alimentar o motor elétrico do avião e assim diminuir o tamanho das baterias tornando o avião mais leve.Não sei porque não fiseram isso ainda.!

    • A sua ideia é bem interessante, também não vejo o porque de não fazer isso.

      Eu acho que tudo é válido (avião elétrico, novas tecnologias), só não pode ficar inventando "soluções" para tirar os Pilotos!

      • Alessandro

        Concordo plenamente!!! Avião sem piloto só se for de "reconhecimento" pois pode ter alguém esperando o avião com uma Rocket Launcher na mão e aí já sabe né?

    • Máximo.

      Foi exatamente o que pensei!

    • Thiago

      O problema de se usar esse conceito é o arrasto que a hélice do gerador iria produzir. Lembre-se, já fica difícil manter o voo em uma aeronave em que ocorre perda de potencia aliada a impossibilidade de embandeiramento da hélice.

      Se fosse possível seria uma máquina que se autoalimenta. Nao se consegue gerar mais potencia do que se consome para gerar.

      • Alessandro

        Consegue sim,a elétrica e a eletrônica são capazes de fazer "muuuuuuuuuita" coisa,só que os senhores do dinheiro não deixam essas idéias serem produzidas. Alguém aqui sabe do que estou falando! Nota.: Os componentes eletrônicos estão cada vez "menores" e muito mais "potentes"…..pensem em baterias e geradores ou até mesmo em células de captação de luz solar.Agora quanto ao gerador,a própria hélice que está fazendo o avião ir pra frente pode servir de gerador de energia.

        • Geo

          Que bestei, isto é ficção, é conto de fadas, é desenho animado. Você deve acreditar também em autogeradores megnéticos e coisas assim.

  • Victor Medici

    A tendência é esta mesma: energia renovável !

    Aí vai um exemplo de aeronave movida a energia solar:

    http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/no

    Para tudo é necessário tempo e aprimoramentos.

    Abraços

  • Máximo.

    Isso no Cessna 172, imagina num Paulistinha, o tanto q barateia p fazer um PP.

    Show de bola!

  • william

    Com um custo operacional baixo. Os aspirantes a piloto, porerão cumprir as horas de voos mais rapidamente.

    Muito interessante mesmo. Pode ser um marco na aviação.

  • Generoso Ferrero

    A idéia é boa, com mais testes e também por que acredito que irá baratear o preço das aulas para futuros pilotos. É o que todos esperam.

    Abraços

    • Alessandro

      E como esperam!!!!!!!

  • Rodrigo

    Se lançarem mesmo esse avião com essa performance vai ficar realmente muuuito mais barato tirar brevets… tomará que chegue ao brasil antes de eu terminar a faculdade…

Topo