banner livro

Porque os trens de pouso com mais de 2 rodas são inclinados?

Olha só que pergunta legal de quem presta atenção em detalhes:

Artur Buarque, em 01/02/2010 as 15:15 disse:

Por que nos jatos wide-body que tem mais de dois pneus paralelos nos trens de pouso principais, como o A330 e o 777, possuem aquela inclinação nos seus trens de pouso?

Bem.. essa é minha dúvida. tks!

Eu gostaria de dar uma resposta super engenhosa para isso, mas na verdade é por um motivo tão simples.
Pra quem não sabe do que ele tá falando veja esta foto:

Percebem que o trem de pouso principal não é paralelo ao solo?

Pois é, e sabe o motivo?

Ele são inclinados somente para poder caber no alojamento!
Simples assim.
Com um pouco de ângulo adicionado ao “truck” (que é como se chama o conjunto inteiro), diminui-se a área necessária para ele caber no alojamento, portanto o alojamento pode ser menor e economizar precioso espaço e peso.
Algumas soluções de engenharia são tão simples e causam um efeito tremendo não é?

Esta foto dá pra perceber o que falo:

Perceba que se o trem estivesse paralelo, seria necessário um alojamento maior no sentido longitudinal para o trem poder entrar. Com uma pequena inclinação diminui-se centímetros preciosos no projeto.

Se alguém duvidar e vier com teorias de “tocar na pista com apenas um conjunto de pneus por vez, para suavizar o pouso, etc”, aqui a informação oficial do manual da Boeing (do 767 no caso):

p.s. No caso do 777, quando o trem está recolhendo as rodas dianteiras do truck são inclinadas para baixo. Quando o trem está embaixo e travado, as rodas dianteiras do truck são inclinadas para cima, para permitir o toque no solo com as rodas traseiras primeiro.
Nos Airbus o “tilt” pode ter alguma função adicional, mas não sei e tô com preguiça de procurar informação em manual de Airbus..rs.

Trem principal do 777-222

Descrição do manual da Boeing p/ o 777-222

Nota: Os manuais são copyright da Boeing, mostrados apenas para instrução.

Tags:

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo