banner livro

Projeto do Airbus A400M pode ser encerrado.

Que coisa não? Ontem eu postei sobre o Airbus A400M e ontem mesmo saiu uma noticia bomba na imprensa lá de fora: A Airbus pode cancelar completamente o projeto e desenvolvimento do avião. Motivo? Prejuízo excessivo.

O que acontece é que a Airbus atrasou demais o projeto e o inflacionou muito durante o desenvolvimento e agora chegou em um ponto em que ou os países que financiam a Airbus dão mais dinheiro para a empresa ou ela vai cancelar o projeto.

Resumo da noticia (traduzida):

A Airbus aumentou a pressão sobre os governos da Europa para que eles deem mais dinheiro para o problemático avião de transporte militar A400M, dizendo que poderá cancelar o projeto apenas semanas depois do primeiro voo.

O projeto já tem 3 anos de atraso e está superfaturado. Os sete governos que encomendaram o avião concordaram em re-negociar o contrato original, que de acordo com o CEO da Airbus Tom Enders foi muito mal redigido, fazendo com que a fabricante arcasse com a maioria dos custos de desenvolvimento.
As negociações ate agora falharam, principalmente na demanda por mais dinheiro por parte da Empresa.

O porta voz da Airbus, Stefan Schaffrath disse que por um fim no projeto é um cenário possível se a empresa continuar perdendo tanto dinheiro. Ele solicitou que os governos envolvidos no programa tomem uma decisão até o fim deste mês.
A primeira entrega do A400M estava prevista para daqui a três anos.

O programa se iniciou há seis anos com uma compra de 180 aviões por parte da Bélgica, Inglaterra, França, Alemanha, Luxemburgo, Espanha e Turquia. O preço original era de US$ 29.5 bilhões, mas relatórios de auditores da PricewaterhouseCoopers informam que a Airbus precisaria de mais US$ 8 bilhões para continuar desenvolvendo o projeto, inflando a conta em quase 25%.

Abandonar o projeto agora custaria US$ 8.4 bilhões.

Que mer## heim?

Tags: ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo