banner livro

Ranking das empresas menos seguras na aviação? Ridículo!

Ah, como falta senso crítico à Imprensa.
Ou melhor, como sobra sensacionalismo e a busca pelo lucro a qualquer preço, mesmo que involva mexer com o medo coletivo.

Hoje rolou pelas redes sociais vários links compartilhando um suposto ranking de segurança aérea em que a GOL e TAM aparecem na rabeira de uma lista com as “60 maiores empresas aéreas comerciais”.

A fonte do Ranking é a poderosíssima JACDEC.

O quê?

Nunca ouviu falar da JACDEC?

Sério?

Pois é, eu também jamais ouvi falar dessa JACDEC até hoje, e olhem o “naipe” da fonte de informação que nossa imprensa foi beber: http://www.jacdec.de/. Tá certo, estou sendo preconceituoso, o site não precisa ser bonito ou profissional para ter boas informações.

Antes de entrar no mérito da metodologia usada para o tal ranking, vamos ver como foi noticiado no UOL:

Título da notícia no UOL

Agora vejam o título do relatório (ou Ranking) disponível para download no site da JACDEC

Cabeçalho do Ranking

O Google Translator traduziu assim o título em alemão:

Taxa de segurança das 60 maiores companhias aéreas do Mundo“.

Percebam a distorção na “manchete”do UOL, um reporte de “taxa de segurança” vira “Ranking de companhias menos seguras”.

Viram como dá mais impacto, mais compartilhamento, mais publicidade? ;)

O Portal Terra também não fez diferente, apesar de não distorcer na manchete como o UOL, estampou que as aéreas brasileiras estão entre as mais inseguras do mundo:

Manchete do Portal Terra sobre o Ranking

O que esse site JACDEC fez não foi nem um “Estudo” como diz o Terra, foi uma compilação de acidentes aéreos ocorridos desde 1983 relacionados com a quilometragem já voada pela empresa (?) e o número de vítimas em cada acidente.

Olha, eu não sou jornalista, nem investigador, mas senso crítico eu tenho.

Como se pode analisar a segurança baseando-se em número de acidentes e vítimas? Na compilação do JACDEC (não parece nome de repartição pública?), os voos sequestrados da American Airlines e da United Airlines que se chocaram com o World Trade center ou foram derrubados aparecem como acidentes.

Como assim?

A GOL teve apenas um (1) acidente aéreo com vítimas fatais quando um Legacy que voava em altitude incorreta se chocou com um de seus Boeing 737. Isto torna a GOL uma companhia aérea insegura??

A metodologia usada pela JACDEC (abreviação de Jet Airliner Crash Data Evaluation Centre) contempla empresas aéreas mais novas que ainda não sofreram acidentes contra empresas que tiveram vítimas não interessando a causa. Como é que isso vira notícia no Brasil?

A Finnair, a “mais segura” do “ranking” possui apenas 65 aeronaves. A United, a 31ª do “ranking” possui 700 aeronaves, com 6 mil decolagens diárias. Como podem simplificar tanto os dados e acharem que estão medindo segurança?

Vou parar por aqui, a divulgação desses dados foi tão ridícula que não sei nem como avaliar. Claro que qualquer um pode fazer análises como quiser em cima de qualquer base de dados (vide pesquisas em época de eleições), e compra quem quer.

Este é só mais um exemplo de que não devemos acreditar em tudo que nos é jogado em sites, rádios, televisão. A Imprensa, como qualquer outro negócio, visa o lucro, e esse lucro infelizmente nem sempre está atrelado a verdade nua e crua.

Não acreditem em nada, nem quando todos falarem a mesma coisa.

Pensem.

Tags: , , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo