banner livro

Remixe sua vida..ou, as voltas que o mundo dá.

Quando eu comecei a trabalhar na aviação, tive o prazer ou sorte de iniciar com um avião que já era considerado ultrapassado para o transporte de passageiros em larga escala, mas ainda era muito rentável na ponte-aérea Rio-São Paulo (eu tô falando do Electra (Lockheed L-188 e aos poucos ando contando umas histórias desse tempo neste link.).
Além do fato deste avião ainda ser turbo-hélice numa era de aviões a jato, ele tinha uma peculiaridade: a pressurização da cabine de passageiros era feita por um compressor de ar à parte, que ficava acoplado à caixa de engrenagens do motor. Os mecânicos que trabalhavam com motores à jato na época criticavam este “design” pela ineficiência, afinal, porquê não tirar o ar do próprio motor para pressurizar o avião, assim como fazem todos os aviões “modernos”?. A gente tinha um pouco de raiva (ou ciúme) das comparações com Boeings 727/737 com seus motores fininhos.
Agora a Boeing está projetando e construindo o avião do século 21 , que tem o nome de Dreamliner (um trocadilho com avião dos sonhos) e a designação de Boeing 787. A tecnologia de materiais e de processos computadorizados utilizados na construção é tão avançada que este avião terá as maiores janelas já vistas numa cabine de passageiors, será 20% mais econômico, mais silencioso, com ar mais puro… e…de onde vem o ar que vai pressurizar a cabine? Pois é, o avião do século 21 terá um compressor separado do motor.. hehehe.
A potência dos motores novos será tão grande e ao mesmo tempo tão eficiente, que a temperatura do ar no interior do motor será muito mais alta do que hoje em dia, e o aparato para refrigerar esse ar e pressurizar a cabine seria ineficiente (teria que ser um refrigerador de ar enorme). Então os engenheiros resolveram usar essa potência toda do motor para a geração de energia elétrica, a qual vai acionar os compressores de ar. É um remix de um avião de 50 anos atrás! De acordo com Chris Barnes, os sistemas desse avião vão precisar de geradores de 250KVA em cada motor (a gente tá acostumado com 90KVA máximo) e consumirão mais de 1000 HP de potência… uau.. ( para ter uma idéia, o motor do Electra disponibilizava 3750HP no eixo da hélice em potência de decolagem…rs).
Pois é, as coisas novas que vemos são normalmente um remix de coisas boas do passado, assim como músicas. E de acordo com uma matéria da Newsweek da semana passada, “Life Isn’t Just as You Want It? Remix it!” (se a vida não tá como você gostaria, Remixe-a!..(licença poética de criar um verbo..rs).

p.s. Hoje é dia de faxina.

Tags: , , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo