banner livro

Sabe a secreta área 51? Pois a área 41 é muito mais importante para a Boeing.

Tá bom, o título foi chamativo..rs..mas continue lendo que vale a pena.

Tem uma parte nos aviões da Boeing que se chama “Seção 41”, que é a primeira coisa que você vê quando olha um de frente. É esta parte aqui ó:

A seção 41 é uma das partes mais complexas de uma aeronave (além das asas), tanto por sua construção como por seu projeto.

É ali no nariz do avião que tudo começa. Se o ar não for dividido e encaminhado de maneira certa pelo resto da fuselagem, o projeto já vai começar a falhar a partir daquele ponto, com arrasto e consumo de combustível que vão invibializar a operação.

Quando um fabricante encontra uma seção de nariz eficiente, é comum que ele a utilize em outros modelos de aeronaves. Temos como exemplo os Embraer Xingu, Brasília e ERJ-145

O projeto da seção frontal do Xingu foi tão bem feito que muitos anos depois, com pouquíssima adaptação, estava voando em um dos jatos regionais mais famosos do mundo, o ERJ145.

Voltando a seção 41 da Boeing, 40% de todo o controle e aviônicos da aeronave se encontra nesta área. Os Boeings 707, 727 e 737 possuíam a mesma seção 41 apesar de diferentes aviônicos e controles utilizados.

Agora olhem esta figura com as dimensões de um Boeing 767 e de um Boeing 777

O que dois aviões tão diferentes em tamanho poderiam ter em comum?
Esta é a seção 41 de um Boeing 767:

E esta é a seção 41 de um Boeing 777

Juntando as duas temos:

Não é muito legal?
Quando o projeto é bom demais, não precisa alterar, basta re-usar. No caso do 787, não foi usada a mesma seção 41 por motivos óbvios: o 787 é todo de material composto e a seção 41 é construída como uma parte única e depois é que são recortadas as janelas… mas isso é assunto para outro post.

O curioso é que ao entrar no cockpit de um B777 você tem a nítida impressão de que ele é muito maior do que o do B767, mesmo sendo a mesma seção 41. Isto se deve ao fato da disposição dos equipamentos internamente e da falta do imenso painel P61 que existe no 767. Eu mesmo sempre achei que eram seções diferentes e só recentemente pesquisando nas medidas das estações no manual de manutenção é que percebi se tratar da mesma seção 41, que vai se alargando no caso do 777.

Outras fabricantes que compartilharam suas seções frontais:

Caravelle e De Havilland Comet

Tupolev 204 e 334

Na natureza, nada se perde, nada se cria…rs

Tags: , , , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo