banner livro

Saiba como o piloto “dirige” o avião no solo #perguntas

Muitos leitores já fizeram esta pergunta, então um vídeo para explicar só um pouco como o piloto direciona a aeronave durante o taxi.

O vídeo ajuda a entender o que demoraria horas para tentar explicar por texto, e com o retorno às aulas da faculdade, meu tempo livre se resume a uns 30 minutos por dia, portanto, obrigado Youtube. Felizmente tem as músicas semanais do Goytá para relaxar e não estressar tanto pela falta de tempo. Aliás um conselho, criem uma playlist com nome de “Essenciais” e adicionem as sugestões do mineiro, a satisfação é garantida.

Voltando à direcionabilidade da aeronave, eu não menciono no vídeo mas só é possível controlar a direção através das rodas do nariz até uma determinada velocidade (abaixo de 60 nós), porque acima desta velocidade a aerodinâmica atuando no estabilizador vertical já é suficiente para manter a proa da aeronave só com o leme de direção. Estou obviamente falando de aeronaves de grande porte, pois a 60 nós um Cessninha já decolou faz tempo.

Mas Lito, por que não dá para usar as rodas acima de 60 nós?
Ora, porque a 60 nós (111 km/h), as asas já estarão gerando um pouco de sustentação e o nariz já estará meio leve, diminuindo a eficiência do atrito das rodas com o solo. Junte a isso o fator massa da aeronave com a inércia de movimento e virar a roda para qualquer lado vai fazer o avião continuar indo reto.

Uma outra curiosidade que esqueci de comentar no vídeo (mas já comentei aqui), é que as rodas do trem do nariz são instaladas fora do centro do eixo vertical da perna do trem, um pouco mais para trás (assim como as rodas dianteiras de um carrinho de supermercado, mas obviamente não tão pronunciado). A função de ter as rodas atrás do eixo vertical do trem é que elas sempre estarão centralizadas quando o avião estiver em movimento para frente. Há outras maneiras de se conseguir o mesmo efeito, como angulando a perna do nariz (caso dos Airbus A320), ou cambando as rodas (como nos Lockheed Constellation).

Tags: , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo