banner pneufree.com

TAP Air Portugal privatizada, o que isso tem a ver com a Azul?

IMG_0754-600x250
E finalmente a TAP Air Portugal foi privatizada. Apesar de portuguesa, a empresa estrelou nos últimos anos uma verdadeira novela mexicana para sair das mãos do Governo Português. Com o fim da novela, me sinto confortável em escrever um artigo com a finalidade de esclarecer alguns pontos:

1. Quem comprou a TAP?

A TAP foi privatizada e adquiriu parte do seu controle o consórcio Gateway, formado por David Neeleman e o Grupo Barraqueiro, que adquiriu 61% da companhia e 39% restantes seguem na mão do Estado português.

2. Ahh então a Azul comprou a TAP?

Negativo, quem adquiriu parte da TAP foi a Gateway que não tem nada a ver com a Azul, apenas o fato de que David Neeleman possui 8% da Azul. Inclusive leitores que trabalham na Azul não me deixam mentir que saiu um comunicado interno deixando isso bem claro de que é uma ação do DN sozinho e não da Azul.

3. Poxa esse David Neeleman é bão hein, dono da Azul, TAP e JetBlue

Também não. O David fundou a Morris Air em 1993, vendeu, depois fundou a Westjet no Canadá, vendeu, criou a JetBlue e vendeu sua participação se concentrando na Azul. Ainda assim na Azul – basta procurar o documento publico enviado à CVM quando da perspectiva de IPO da Azul – ele tem diversos outros sócios (Por exemplo a família Caprioli da TRIP possui 16,7% da Azul, assim como diversos investidores na Azul), fundos, etc de forma que ele sozinho tem 8% da Azul e agora na Gateway é 50% dessa empresa que possui os 61% da TAP. Dono é aquele que tem 100%, acho que a única empresa que tem DONO claramente no Brasil é a Passaredo que é dos Felícios 100%, mas as demais possuem acionistas, investidores e aí você não é dono sozinho.

4. Veremos aviões da TAP pintados de Azul ou JetBlue?

Também não! Aliás, consta no edital de privatização que por DEZ ANOS, não se pode sequer mexer na identidade visual da TAP (cores, grafia, imagem), nem no hub em Lisboa, nem na sede. Sem falar que estamos falando de países diferentes, você não verá um A330 da TAP fazendo Lisboa – Campinas e assumindo um voo da Azul e nem vice-versa, as regras do RBHA Brasileiro sequer permitem isso.

5. E a TAP-ME, antiga VEM onde fica nessa história?

Passa a ser controlada pela Gateway, aí sim podemos supor que a Azul que já é uma grande cliente da TAP-ME aumente mais ainda sua participação de serviços lá.

6. Poderá haver code-share entre TAP e Azul?

Sim, é plausível, pode rolar daqui a um tempo, é bom se ter em mente que ao adquirir algo novo, você tem que tomar conhecimento de “que pé estão as coisas”, arrumar a casa e é isso que a equipe Gateway vai se dedicar, a TAP precisa tomar algumas providências velozes em termos de frota por exemplo, seus A340-300 estão com 20 anos de idade e começam a se tornar um produto defasado, a TAP precisa de renovação e ampliação de frota. Depois de arrumar a casa é natural que possamos ver um code-share Azul e TAP, onde um passageiro de Barreiras, Bahia embarque num ATR para Salvador e de lá entre em um A330 para Lisboa, alias para ter o code-share basta ambas empresas desejarem, sem precisarem ter laços “acionários” entre si.

7. Veremos Embraer na TAP então?

Considerando que o David Neeleman é um fã dos Embraer 190/195 eu não duvido de que essa seja a primeira novidade da TAP, a TAP já opera indiretamente Embraer através de sua subsidiária PGA – Portugalia Airlines que possui alguns ERJ145, cuja idade já se avança inclusive.

8. Eu vi na Internet uma foto de um avião da TAP com o nome da Azul.

Papel e photoshop aceitam tudo, são duas empresas distintas que possuem acionistas em comum.

9. Então Mano (ops já vi essa fala em algum video em um site), você gostou do David comprar a TAP ou preferia o German?

Em minha humilde opinião eu acho o German mais “agressivo” para recuperar empresas, basta ver o que ele fez com a Avianca Colombia, fez com a TACA (Agora Avianca também)… sem falar que ele tinha 4 A330 prontinhos para serem pintados e colocados em rota e a facilidade de mover aviões que a TAP já opera (A319/320/321/330). Mas é um desafio novo para o David, que sempre soube construir empresas do zero, com grande aporte de capital, vide JetBlue, WestJet, Azul, agora adquirir uma com 70 anos de idade é outro tipo de “jogo”, vamos ver como vai ser esse desafio novo pra ele.

10. Você faz o maior bla-bla-bla aqui no AeM sobre frotas e rotas, e se fosse você na TAP?

Conheço bem a malha da TAP no Brasil, mas não sei como funciona na Europa, o fato é que eu não mexeria em nada nessa travessia Portugal – Brasil, é um belíssimo banco de conexões, alguns pitaqueiros na Internet já preveem uma migração em massa da TAP para VCP, eu duvido, ninguem vai deixar de sair por exemplo direto de Fortaleza para vir a Viracopos para “subir” de novo para Lisboa.

No futuro uma sinergia com a Azul será interessante, podendo “catar” a galera do interior e jogar em algum ponto comum, por exemplo os voos que a Azul possui em Cascavel para Guarulhos, é uma boa para abastecer a TAP entre outros “focus city” ou “hubs” que a Azul possui e creio que no futuro veremos alguns ATR ou até E-Jets realizando feeder internacional para a TAP, mas nada de fusões, até porque a TAP ficou 39% com os portugueses.

Tags: , , ,

Sobre o Autor

Alexandre Conrado, pesquisador de aviação e profissional no segmento desde 2001
banner livro
Topo