banner livro

Transexuais admitidos como comissárias de bordo na Tailândia

Sinal dos tempos e de como finalmente a intolerância em relação a opções orientações sexuais começa a retroceder também no campo profissional, ainda lentamente mas tinha que começar de alguma maneira não é?

Matéria do Mail Online

PC Air, uma nova linha aérea (charter) da Tailândia planeja voar em rotas através da Asia e colocou como meta admitir somente homens e mulheres para o cargo de comissários de bordo, mas mudou de idéia depois de receber mais de 100 currículos de travestis e transexuais.


Dando as boas vindas: Nathatai Sukkaset, Dissanai Chitpraphachin, Phuntakarn Sringern e Chayathisa Nakmai recebem os passageiros com a tradição tailandesa de posar com as mãos juntas

Durante o processo de entrevistas a empresa disse que as qualificações das transexuais foram as mesmas que as comissárias femininas, com provisões de que eles teriam que agir como mulheres na maneira de andar e falar, e ter um tom de voz e atitude femininas.


A comissária transexual Phuntakarn Sringern faz o serviço de bordo durante o primeiro voo doméstico

É verdade que há pouca discriminação contra transexuais e travestis na Tailândia, mas oficialmente eles não são reconhecidos como mulheres e a identificação nos crachás será sempre como do sexo masculino.

Conhecidos como ‘katoeys’ ou ‘ladyboys,’ os travestis e transexuais têm uma maior visibilidade na Tailândia do que em qualquer outro País do mundo, e trabalham em postos importantes em vários campos de trabalho, especialemnte em lojas de cosméticos ou clínicas de saúde, onde quase sempre se encontrará uma assistente de compras “ladyboy”.

E aqui no Brasil? Será que empresas admitiriam transexuais para atendimento público? O que acham?

Para ler mais: Daily Mail

Tags:

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo