banner ad

Turbulência – A história se repete

Eu já escrevi aqui no blog várias vezes (aqui e aqui por exemplo) sobre a importância dos passageiros manterem o cinto de segurança SEMPRE afivelado.

Não é possível prever CAT (Clear Air Turbulence) e quando ela ocorre não há tempo de se segurar, portanto senhores passageiros, a menos que precisem ir ao banheiro (que afinal é o único motivo realmente plausível para se levantar do seu assento durante um voo) estejam sempre sentados e com o cinto afivelado.
Mais uma dica: Se você estiver dormindo e coberto com uma manta, passe o cinto de segurança meio folgado por FORA da manta. Desta maneira os comissários vão ver que você está de cinto quando o aviso de apertar cintos acender e não vão te acordar.

Sabe aquele grupo de viajantes espertos, que manjam tudo de aviação, não têm medo de voar e que ficam conversando em pé no corredor? São apenas ignorantes sortudos…
Curioso: quem manja mesmo de aviação, incluindo aí os pilotos, NUNCA soltam o cinto.

Turbulência em voo da United Airlines deixa 20 18 feridos

Os passageiros tiveram apenas ferimentos leves. Boieng 747 ia de Washington, nos Estados Unidos, para Tóquio.
Mais de 20 18 pessoas sofreram ferimentos leves durante um voo da capital americana para Tóquio, no Japão. O Boeing 747, da United Airlines, enfrentou uma forte turbulência, com 245 pessoas a bordo. Alguns passageiros tiveram que ser retirados em macas.

Fonte da notícia: Globo.com

Tags: , ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
  • E o pior de tudo, esses passageiros que ficam em pé podem acabar prejudicando o andamento do voo, e as pessoas que estavam corretamente sentadas, com os cintos afivelados é que acabam pagando :(

  • Rodrigo

    Quem já teve experiencias em pegar turbulencias fortes não larga o sinto jamais, já tive duas ocassiões de fortes turbulencias,uma vez foi retornando de miami para sp, 747-300 varig, em 93 se não me engano, foi uma tremenda turbulencia com queda de 3.000 pés segundo o piloto, com aeromoça ferida, bagageiros abertos e carrinhos de comida com as bandejas amontuadas pelo chão, desta vez o sinto me manteve preso no assento e nada sofri. Era dia de tornado em miami, os voos tinham sidos cancelados, porem o tornado desviou, nao pasou por miami, o aeroporto reabril, e em 30 minutos de voo pegamos o "rabo do tornado" segundo o piloto. Fato interessante é que ele estava se aposentando naquele voo.

    A segunda ocassião fora em um voo united, no extindo voo ny-sp, estava no corredor dos banheiros da classe executiva do 767, quando deu aquela queda foi o tempo de colocar as maos e os pés nas paredes desde corredor e me segurei. Fui arremessado para o teto, e se não tivesse travado com as mãos no corredor certamente teria batido a cabeça no teto.

  • Eu sempre mantenho o cinto … e de verdade eu não consigo entender porque as pessoas tiram o cinto, tem gente que é só liberar pra tirar o cinto que tira…

  • Elen Davis

    Adorei a expressão " ignorantes sortudos "

    E este artigo e acontecimento me fez lembrar, de uma viagem que eu fiz USA – Brazil em 1997 no MD-11 da VASP qdo podia fumar e beber nos aviões. Eu mesmo vim em pé ao lado das últimas poltronas conversando e em pé numa pequena fila esperando minha hora pra fumar!!! Olha que loucuuuura!!!!

    Abraços Lito!

    Elen-VIX

  • Pingback: Resumo do que eu andei Twittando em 2010-12-11 « Aviões e Músicas()

  • Pingback: Por quê as luzes da cabine do avião são apagadas na hora da decolagem? « Aviões e Músicas()

  • Goytá

    Em voos longos, além de ir ao banheiro, há mais um bom motivo para arriscar uma turbulência, se levantar de vez em quando, dar uma voltinha na cabine ou mesmo ficar em pé um pouquinho: ativar a circulação das pernas. É relativamente raro, mas especialmente com os poleiros apertados da classe econômica de hoje, já houve vários casos de trombose fatal, geralmente na hora do desembarque e mesmo com passageiros jovens. Mas quando estou na poltrona (e é a maior parte do tempo), o cinto está afivelado. E quando o voo é longo, também procuro reservar uma poltrona de corredor. Quem dorme bem será incomodado e acordado muitas vezes pelos outros passageiros da fileira precisando ir ao banheiro, mas eu não consigo dormir em aviões (ou ônibus, o problema é a posição), então prefiro ter espaço e facilidade para dar uma esticadinha rápida de pernas no corredor (mesmo sentado) de vez em quando.

  • Pingback: “Síndrome da classe econômica”: um novo problema em voos longos « Aviões e Músicas()

  • Brunoquartzo

    GOSTARIA DE AGRADECER A ESTE SITE E COLABORADORES VÁRIOS PELOS ESCLARECIMENTO. VOCÊS ME AJUDARAM A AGIR COM MAIS RESPONSABILIDADE.

    BRUNO TEIXEIRA

  • Anônimo

    Lito,você soube da turbulência no voo 980 de Recife-Miami,feito pela American Airlines,um Boeing 757-200 com 167 pessoas a bordo sofreu uma intensa turbulência e pegou a tripulação de surpresa,pois nem eles conseguiram avisar.Estava sendo servido a comida no momento e alguns passageiros relataram que parecia uma montanha-russa o avião perdeu altitude bruscamente,resultado 3 tripulantes se feriram e foram para o hospital assim que o avião pousou em Miami.

  • Pingback: Turbulência de céu claro fere 27 pessoas, que estavam sem cinto. : Aviões e Músicas()

Topo