banner livro

Um Flight Check Natalino

PapaiNoel

Segunda-feira, dia 24 de dezembro de 2018, cheguei ao simples e frio aeroporto.

Era minha primeira viagem num Trenó. Passei pela segurança, que não pede para retirar o sapato. Os agentes, apesar de gentis com a maioria dos passageiros, ficaram bastante agressivos logo que viram o senhor verde de braços compridos e nariz curto que estava logo a minha frente. Uma pena: o senhor Grinch parecia bem simpático.

O embarque foi rápido, logo estava sentado no assento 2B. O Trenó lembra os aviões da União Soviética: é um hexamotor de propulsão animal, com trem de pouso fixo e cabine aberta. O interior mostrava a idade da aeronave: era batidinho, com apoio de braços levemente arranhados. Fora isso, tudo estava bem organizado pela empresa.

Após taxi, nosso comandante anuncia o tempo de voo até Guarulhos, rápidas 3 horas. O Trenó é consagradamente o avião mais rápido do mundo: cruza à 2000 nós, ou impressionantes MACH 2.98. Cintos afivelados para a decolagem, alinhamos com a pista e logo ouvi o som dos 6 motores tipo Rudolf, que são levemente diferentes dos Pratt&Whitney que antes equipavam a aeronave. Após 15 segundos de rolagem, estamos no céu. As luzes de teto se apagam, indicando que atingimos a altitude de cruzeiro. Notei que a tripulação se preparava para servir o jantar, ainda bem! Todo aquele frio me deu fome.

O serviço é rápido, mas a comida não passa do usual: arroz de passas com peru, acompanhado de rabanada e salpicão. Noto que o catering, montado pela SkyChefs, está bem preparado e os detalhes, como talheres e guardanapos, combinam com as cores da empresa – verde e vermelho. Após o jantar, tento um leve cochilo, mas antes disso insisto em testar o sistema audiovisual individual que tinha a minha frente. A tela touchscreen de 17 polegadas exibia uma curta seleção de filmes, seriados e músicas. Assisti ao clássico Esqueceram de Mim, mas peguei no sono após poucos minutos de filme.

Fui acordado com a estranha movimentação na cabine, os pequenos comissários – das orelhas pontudas – circulavam carregando pacotes embrulhados do compartimento de carga, estranhei e perguntei a um deles. Explicou que era um procedimento padrão da empresa, para o voo seguinte, saindo de Guarulhos. Conhecidamente, o trenó é uma aeronave de carga, mas leva passageiros nos voos de traslado como forma de gerar receita extra para a Cia. Nos tempos de crise, cada espaço vazio na cabine é prejuízo.

A movimentação é interrompida a medida que nos aproximamos de Guarulhos, estamos na fila para pouso logo atrás de um A320 da TAM. A cidade de São Paulo, sob nós, está iluminada para o Natal. Aproveito para apreciar a vista das milhares de luzes que iluminam o céu escuro, o vento sopra meu rosto e tenho aquele friozinho na barriga, enquanto nosso piloto aproxima para um pouso visual.

Tocamos as 23:38 horário local e seguimos para o desembarque. Nunca tinha voado nessa empresa, mas tudo me surpreendeu: desde o conforto e rapidez do voo, comida, entretenimento de bordo até o carisma e felicidade da nossa tripulação. Ao desembarcar, nosso comandante se encontra na porta da aeronave: o senhor barbudo, com característico uniforme vermelho, aperta minha mão e com a voz grossa me deseja: “Feliz Natal!”

Do Aviões e Músicas, boas festas e um feliz natal a todos!

Tags:

Sobre o Autor

Estudante de engenharia. Sofre de torcicolos constantes, pois insiste em olhar para cima sempre que ouve som de turbinas. Escreve sobre aviação para revista FreqüênciaLivre e para o site Aviões e Músicas.
Topo