banner livro

Um pouco da segunda visita do Airbus A-380 a São Paulo #video #worldtour #A380

E então a baleia branca veio novamente ao Brasil, após cinco anos desde a primeira visita.

Airbus A-380 ainda com reverso aberto após pouso na 27R de GRU.

O Airbus A-380 é um avião singular, que para fazer sucesso depende de algumas mudanças em aeroportos (ainda que “simples” como prega a fabricante). Em entrevista coletiva, o vice presidente para América Latina Rafael Alonso disse que o A-380 pode operar em qualquer aeroporto onde o Boeing 747 opera, necessitando apenas de um segundo “finger” (ponte de embarque) para agilizar a operação, mas curiosamente, ao contrário do Boeing 747, que quando foi lançado comercialmente lá pelos idos de 1970 demandou extensivas mudanças nos aeroportos da época, o A-380 ainda não “decolou” com um número expressivo de vendas apesar de estar em operação já por cinco anos.

VP Rafael Alonso para América Latina e Caribe

Todos os dados apresentados pela Airbus mostram que se trata de uma excelente aeronave do ponto de vista de custos, então fica a incógnita do porquê tão poucas unidades foram vendidas. O preço unitário de tabela está na ordem de 300 milhões de dólares, o que é um investimento razoável. O problema aqui na América Latina é que não há nenhum centro de manutenção que suporte um check pesado de A380 (talvez a exceção seja a TAP/VEM, mas não tenho certeza) e convenhamos que os aeroportos não estão preparados, por mais que se diga o contrário.

Nenhum operador dos Estados Unidos mostrou interesse pelo gigante, embora haja rumores (rádio peão) que a United Airlines estaria interessada em adquirir cinco unidades.

Mas falando da aeronave em si, é um belo projeto de engenharia. Não acho as formas da fuselagem bonitas e geralmente aeronaves que possuem mais envergadura do que comprimento não costumam ser “alinhadas”. A asa no entanto é muito bonita e bem construída. Obviamente o assunto das rachaduras encontradas veio a tona durante a entrevista coletiva, e a resposta oficial é que as rachaduras são em uns brackets que prendem painéis de asa nos ribs, o que não compromete a segurança de voo, mas vai requerer reparos em todos os modelos já entregues.

Mas vamos ao que interessa, já que nem todos podem ver esse monstro de perto, o AeM trás um pouco dele para vocês. Desta vez filmei com uma Go-Pro para melhorar o campo de visão. Desculpem o volume no primeiro filme, esqueci de abaixar na edição e ficou um pouco alto. O segundo vídeo do cockpit está legal.

Entrando no monstro de testes:

Visitando o cockpit:

Tags: ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo