banner livro

Um pouco de informação sobre pressurização de cabine

Para complementar o post do Lito sobre a impossibilidade de ter havido explosão por mudança de pressão no voo da Air Asia, um pouco de informação sobre a pressurização de um avião.

Para este exemplo, vamos considerar que um avião está decolando do Rio de Janeiro, ao nível do mar (Zero pés).

Equanto o avião está parado no chão com as portas abertas, obviamente a pressão interna é igual a pressão externa.

Altitude da Cabine (dentro do avião) = Altitude externa

Quando o avião decola a pressão externa começa a diminuir (já que o avião está subindo), mas o sistema controla uma (ou duas, depende do avião) válvula localizada na parte de trás do avião (chamada de Outflow Valve) para que a pressão interna fique igual a pressão lá do aeroporto de decolagem.

Vídeo da outflow de um Boeing 737:

Nesse caso, a altitude da cabine é menor que a altitude externa, então há um diferencial de pressão.

O sistema mantém essa configuração até que o diferencial de pressão máximo seja atingido (Esse valor varia conforme o modelo do avião, no caso do ATR é de 6,35Psi e no Boeing 737 é de 8,5Psi). Dentro do avião os passageiros estão respirando ar com a mesma concentração de oxigênio lá do Rio de Janeiro (nível do mar) enquanto o avião está muito mais alto.

Agora a situação fica um pouco confusa

Ao chegar nesse diferencial máximo, o sistema envia outro comando para a Outflow Valve, dessa vez abrindo ela um pouco, para que o ar dentro do avião consiga escapar, efetivamente aumentando a altitude interna da cabine. Agora o avião ainda está subindo, mas a altitude dentro da cabine não está mais ao nível do mar, ela começa a subir com uma razão constante para que o diferencial de pressão fique sempre igual (o sistema não permite que o diferencial máximo seja ultrapassado, caso isso aconteça há válvulas de segurança)

Enquanto o avião sobe até a altitude de cruzeiro, a altitude da cabine também sobe. Quando a aeronave atinge o nível final, a cabine também para de subir.

O B737 no nível máximo dele de 41.000pés (12.500m) mantém um diferencial máximo de pressão de 8,5Psi o que deixa a cabine a aproximadamente 8000 pés (2.500m).

No caso do ATR, o nível máximo é 25.000pés (7.600m), o diferencial máximo é de 6,35Psi e a cabine fica a mais ou menos 6200 pés (1.900m).

Esse ar entra no avião através do sistema de ar condicionado, que tem um post muito bom do Lito explicando como funciona.

Post: Como funciona o ar condicionado nos aviões.

 

Tags: , ,

Sobre o Autor

Amante da aviação deste criança, Bacharel em Ciências Aeronáuticas pela PUC-RS e Co-piloto ATR 600 :)
Topo