banner livro

Uma foto conta muita história

Com a aproximação da copa do mundo de 2014, entrou na pauta dos jornais o estrangulamento aéreo pelo qual passa o Brasil, apesar do nosso presidente achar que não há motivo para preocupação.

Eu não sou técnico em Infra-estrutura, não sei nada de economia, mas sou um técnico que viaja muito para o exterior e pode comparar o que vê lá fora com o que acontece aqui dentro, e a falta de visão dos empreendedores é algo que choca.
Sou também alguém que trabalha em aeroportos e gostaria muito de ver uma solução para o problema, onde todos pudessem trabalhar com mais conforto e segurança.

Já escrevi aqui sobre as soluções provisórias que estão planejando para Guarulhos, mas um olhar mais atento iria identificar o quão estrangulado o aeroporto está e portanto remendos provisórios não poderiam ser considerados como solução.

Não é só o estacionamento que não tem mais vagas. Não é só a falta de espaço, de sala de embarque, de posição de estacionamento, de slot, de taxiway…

Talvez esta foto simbolize o quanto Guarulhos está esgoelado, funcionando acima de sua capacidade em todos os aspectos.

Não há lugar nem para colocar carga mais. Os paletts de carga estão sendo amontoados no próprio pátio enquanto não são liberados pela receita federal. Isto mesmo, no pátio onde deveriam andar somente aviões. E tomam chuva quando chove e sol quando faz sol.

E isto não é culpa de um setor específico, é culpa de quem deveria ter percebido esta situação há 4 anos atrás e nada fez.

Este aeroporto inteiro, deste tamanho, tem apenas 1 (uma) entrada de acesso ao pátio, com apenas 2 (duas) maquinas de raio X para uma população de uns 30 mil funcionários. Será difícil perceber que isto está errado? Será difícil perceber que tem que investir dinheiro (e muito) pra evitar que tudo entre em colapso?

Alguns leitores, como o Rodrigo Domingues, questionam:

Lito,

nos últimos dias a imprensa vêm falando dos problemas dos aeroportos no Brasil (finalmente…), tendo em vista a Copa em 2014.

Uma das possiveis soluções apontadas por especialistas, diz que os aeroportos no Brasil deveriam ser privatizados. Você concorda com isso?

Não sei. Os aeroportos nos Estados Unidos recebem pesados investimentos da iniciativa privada e as próprias empresas aéreas constroem terminais. Se lá o modelo funciona, porque aqui não funcionaria?

Será que a TAM e a GOL não se interessariam em construir o terminal novo somente para eles? Bancariam a construção e teriam direito de uso sem taxas por longos anos, além de explorar os espaços publicitários e de lojas.

Outra solução apresentada, seria a construção de um quarto aeroporto – sendo este privado – que ficaria com todo o tráfego internacional e então o tráfego de Congonhas seria transferido para Guarulhos e o Campo de Marte poderia finalmente ser fechado (coisa que já estão querendo fazer a anos…). Essa proposta me pareceu muito revolucionária, desde que seja executada corretamente. Você acha que está muito difícil sair um quarto aeroporto para SP?

Não dá mais tempo de construir um outro aeroporto, não para atender a demanda da copa. Se esta solução tivesse sido levada em consideração quando foi estudada em 2007, poderia ter sido viável.

Uma solução para a atualidade seria aumentar GRU e isolar as pistas, deixando uma para tráfego nacional e outra internacional, colocando os terminais domésticos onde hoje é a Base Aérea. Há um estudo muito bem elaborado que você pode ver detalhes neste blog. Eu gosto bastante da solução do Corrado Balduccini apresentada no link anterior e ela já existia em 2007.

O fato é que há 4 anos já se estudava todo o problema de saturação, e nada foi feito.

Agora é simplesmente tarde demais…

Tags: ,

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Topo