banner pneufree.com

Uma pequena história do Boeing 727, parte 2

Como vimos na parte 1, o Brasil teve um largo número de Boeing 727-100 em operação. Mas ele possuía um irmão maior, o alongado Boeing 727-200. Coube à VASP ser a pioneira em 1977, mais precisamente em 19 de Abril, quando o PP-SNE chegou ao país seguido logo do PP-SNF e posteriormente do PP-SNG/SNH/SNI/SNJ. Essa frota foi configurada com 152 assentos e efetuava vôos de alta densidade da estatal paulista tais como Congonhas – Brasília – Manaus, Congonhas – Rio – Salvador – Recife – Fortaleza – Teresina – São Luís – Belém – Manaus, Congonhas – Rio – Brasília – Teresina – São Luís – Belém, entre outras.

PP-SNE, foto sem autoria conhecida

PP-SNE, foto sem autoria conhecida

Visando ampliar sua demanda enquanto aguardava os seus A-300, a VASP buscou arrendar mais dois 727 SUPER 200 (como foi batizado na empresa) e assim vieram o PP-SMK e PP-SRK, este último teve a infeliz primazia de ocupar entre 1982 até 2006 o papel de protagonista em acidente aéreo do Brasil, quando o VASP 168 cumprindo a rota CGH – GIG – FOR, explodiu ao chocar-se com a Serra da Aratanha em Fortaleza. Ironicamente, em 1984, após 7 anos de presença na VASP, os SUPER 200 perderam o prestígio das principais rotas, agora voadas pelo A300, e tinha também o fator limitação operacional a partir de Congonhas que os restringia em vôos longos sempre tendo que passar por Brasília ou Galeão para assumir uma perna maior. Faziam fretamentos para Bariloche na Argentina. Mas a direção da empresa entendeu que o avião tinha alto custo e começou a negociar diversas unidades arrendadas para terceiros ficando apenas o SNJ na frota ao lado do SNG que voltou após período americano. Ambos ficaram no pinga-pinga São Paulo – Manaus via Rio, Salvador, Aracaju, Maceió, Recife, Fortaleza, Teresina, São Luís, Belém até 1989 quando saíram da frota em favor dos 737-300.

n502av_001

O avião teve sua imagem intimamente ligada nos anos 70/80 à VASP, seu único operador. Mas o país assistiria o retorno em massa do tipo a partir de 1995 quando TABA/AIR VIAS dividiram entre si o PP-AIV e o PP-AIW. Mas essa operação foi curta e o avião era visto na rota Belém – Santarém – Brasília – Belo Horizonte além de charters que incluíam Porto Seguro entre os destinos. Coube a FLY trazer mais 727-200 para o país para operação de passageiros o que fez com sucesso entre 1995 até 2003. Virou avião favorito dos times Brasileiros entre eles o GRÊMIO durante a Libertadores de 1995 quando chegou adesivado em Porto Alegre em comemoração ao Bi-Campeonato do time Gaúcho na competição, mas também protagonizou um acidente que quase custou a vida do Corinthians na Libertadores de 1996 ao varar a pista de Quito, no Equador. A FLY se imortalizou na rota GRU-GIG-FOR-NAT-GIG-GRU até encerrar operações em 2003. outro operador foi a VIA BRASIL que operou o PT-MLM em rotas parecidas só que dessa vez com a rota GRU-REC-JPA-NAT-FOR-GRU até encerrar operações em 2002, tive oportunidade de atender este avião quando era agente de aeroporto lá em Porto Seguro

via brasil boeing 727 2b6adv são paulo guarulhos sbgr 16 7 2001 pt-mlm

A TRANSBRASIL seria um operador de 727-200, mas desistiu do avião em favor do 767-200. Um destes foi construído como 727-2Q4, designação da TBA na Boeing, porém voaria na VASPEX como PP-SFG e hoje está abandonado em São Luís-MA. Como cargueiro o avião operou na VARIGLOG (que recebeu anos depois de volta o PP-SNE como PR-LGB e PP-SNF como PR-LGC), ITAPEMIRIM, VASPEX, RIO, TAF, AIR BRASIL e outros operadores que tentaram mas não saíram do papel como SP CARGO, PLATINUM (ia operar com pax), VICA, TROPICAL. Atualmente é possível apreciar os 727 em operação CARGO através da TOTAL LINHAS AÉREAS e RIO. Infelizmente não é mais possível ver 727-200 em transporte de passageiros, um avião que marcou época tal qual o 727-100.

panoman009_HDR

Tags: , , , ,

Sobre o Autor

Alexandre Conrado, pesquisador de aviação e profissional no segmento desde 2001
banner livro
Topo