banner pneufree.com

Update do Acidente do A320 da Taca Peru

Saiu o relatório preliminar oficial do acidente com a Airbus A320 da Taca Peru que ocorreu ano passado em Honduras, escrevi sobre ele aqui e aqui.
Um resumo dos dados do relatório, que na minha opinião, pelos termos usados, vai caminhar para “erro humano” como fator principal.

Trechos do relatório:

Foi confirmado que a aeronave foi despachada sem nenhum item de MEL (Minimun Equipment List) Nota minha: Uma lista autorizada pelo fabricante do avião que autoriza a decolagem com certos equipamentos inoperantes, como no caso do reversor do Airbus da TAM)

Antes do pouso a informação de vento foi dada a tripulação como 190°/10kt e o ATC também confirmou que a pista estava molhada.
O capitão (que faleceu) estava em comando (PF)
A configuração de pouso foi feita com Slats/Flaps totalmente estendidos, trem em baixo e travado, Ground Spoilers armados e Autobrake selecionado em MED (força média)
O peso de pouso era 63.5 Tons (1 ton a mesno que o peso máximo de pouso) w a velocidade a aproximação de 137kt (254 km/h)

A aeronave foi autorizada a pousar na pista 02 e pousou com o Autopilot and Flight Directors OFF (desligados) e o autothrust engatado em “speed mode”. No momento do toque, a velocidade indicada (IAS) era de 139kt e a velocidade em relação ao solo (GS) de 159kt (vento estimado de cauda de 12kt (22km/h)

O toque ocorreu aproximadamente 400m da cabeceira da pista.
Imediatamente após o toque, o piloto selecionou MAX REV e ambos reversos dos motores e os ground spoilers atuaram normalmente.

O piloto aplicou freio 4 segundos depois do toque na pista e aplicou o máximo de força no pedal 10 segundos depois (total de 14 segundos após o toque).

A 70kt, o co-piloto notificou a velocidade e o piloto colocou as manetes em IDLE REV. Só havia mais 190m de pista. A aeronave ultrapassou a pista com uma velocidade de 54kt (100km/h) e caiu na vala de mais de 20 metros de altura. Nota minha: se levarmos em conta o vento de cauda de 12kts, o call-out do co-piloto aconteceu na verdade a 82kts! Porquê será que o PF colocou os reversos em IDLE mesmo vendo o final da pista?

O relatório termina assim: A análise da performance de pouso confirma que a performance foi consistente com as condições da pista e as ações da tripulação.
Resumindo: Erro operacional dos pilotos como causa principal.

Para ler o relatório completo, aqui está ele.

.

Sobre o Autor

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
banner livro
Topo