banner livro

Voando o North American T-6 !

Sempre fui apaixonado por acrobacia aérea e sou fã da Esquadrilha da Fumaça hoje voando com seus T-27.  

Também gosto muito da Esquadrilha BR Aviation (antiga Oi e Onix Jeans). E o que ambas tem em comum? Na Esquadrilha BR Aviation ele voa atualmente  e na Fumaça foi com ele que tudo comecou.

Estou falando do venerável e lendário North American T-6 Texan! Um dos aviões mais importantes da Segunda Guerra Mundial, pois treinou praticamente 75% dos pilotos aliados naquele conflito e assim ficou conhecido como pilot maker.

Minhas primeiras lembranças dessa máquina maravilhosa com aquele ronco inconfundível do seu PW radial de 600HP vem do Domingo Aéreo de 1990 no PAMA-SP. O saudoso Coronel Braga fazia manobras e rasantes maravilhosos com ele, o  que me fez gostar desse avião na hora. Sempre tive vontade de voar nele de saco e claro dar umas cambalhotas, tenho um grande amigo na esquadrilha  BR, mas por essas coisas do destino que são difíceis de explicar nunca conseguimos marcar um voo.

Isso nunca me fez desistir daquele sonho que comecou em 1990. No ano passado, enquanto estava de férias em Orlando descobri esse site:  www.warbirdadventures.com  e vi que estava próximo de realizar o voo que busco faz tanto tempo.

Voltei esse ano para Orlando determinado a me dar um dos melhores presentes de aniversário que já tive. E deu tudo certo apos 2 cancelamentos por meteorologia! Voei na nacele dianteira dessa lenda e não apenas de saco mas pilotando e fazendo acrobacias aos comandos do instrutor!!!  

Ele decolou e pousou o aviao, mas fora isso estava comigo, nas acrobacias ele fazia a primeira manobra, depois eu repetia umas 2 ou 3 vezes. Os comandos são muito sensíveis, basta um leve toque no manche para curvar, subir ou descer.

Você tem que tratar ele (a maioria dos aviões também) como uma dama: bem sensível e suave (nada de tirar suco do manche ou movimentos bruscos). Apenas para os tuneaux é necessário levar o manche no batente.

Eu estava tão extasiado que sinceramente não sei até quanto nós subimos, qual  proa pegamos, rpm’s atingidos e quantos G’s puxamos. A única coisa que eu prestava atenção era no velocímetro, algumas vezes o instrutor Chuck Gardner me chamava ou falava comigo e eu demorava a responder(as vezes nem respondia rs) de tão feliz e bobo que estava. 

Era um dia perfeito, sem turbulência nenhuma e correu tudo bem, realizei um sonho que buscava desde os meu 13 anos e agora realmente sei que esse negócio de acrobacia e uma cachaça, a coisa vicia mesmo e você não quer mais parar de fazer. 

Espero que curtam o video do meu voo e qualquer dúvida entrem no site ou me perguntem, eu recomendo esse que pra mim é o melhor parque de diversões da Florida!

Grande abraço
Rui
 

Tags: ,

Sobre o Autor

Espaço dedicado aos textos dos leitores do AeM que colaboram com artigos de aviação.
Topo