Camiseta Electra

Você sabe de quem é a voz que sai nos alto falantes dos aeroportos pelo mundo?

Uma vaga lembrança que eu tenho da época que trabalhei em Congonhas foi de uma visita à uma sala de onde se controlava a aparelhagem que fazia o anúncio dos voos do aeroporto.

Não lembro quem me levou lá, não lembro como fui parar lá, só lembro que meu queixo foi ao chão quando eu vi como funcionava.

Eu gostaria muito de tentar explicar o que eu vi e o que se passava naquela sala, mas acho que teria que ter o talento de um JJ Benitez, coisa que definitivamente não tenho.

A lembrança que tenho era a de uma sala cercada de estantes com decks de fita cassete (ou cartucheiras, não me recordo) que eram disparadas mecanicamente uma atrás da outra para formar uma frase com o número de voo e qual portão de embarque. Por exemplo, se fosse o anúncio do voo “Varig 123 com destino a Rio de Janeiro, embarque sala 3″, o VARIG era tocado em uma cartucheira, o 1/2 e 3 em 3 cartucheiras diferentes, “com destino a” de outra cartucheira e por aí vai. Vocês não têm idéia do que era ver aquelas cartucheiras disparando em sequência para formar um anúncio, acho que o cara que planejou aquilo deve estar internado num hospício até hoje..rs

Hoje em dia com áudio digital é tudo muito mais fácil, basta um PC e um Software com as gravações e pronto.

Uma das vozes mais famosas do mundo é a que anuncia os voos no Galeão (e também Congonhas, Manaus e Foz do Iguaçu):

A voz é de Íris Lettieri, que já foi considerada a voz mais sexy do mundo pela imprensa internacional, tão sexy que o grupo Faith No More inseriu a voz dela em uma faixa de seu album lançado em 1992 depois de ouvir o anúncio do voo. Foi paixão á primeira ouvida..hehehe..lembro até quando passou isso na MTV!

A Íris deve ter completado 70 anos em 2011, mantendo a mesma classe de sempre, como no vídeo abaixo da década de 80.

E agora uma voz não tão sexy mas reconhecida em mais de 200 aeroportos pelo mundo (além de trens e metrôs)

Há também as vozes gravadas para equipamentos do próprio avião CAWS (Central Aural Warning System), como por exemplo as vozes do MD-11 e do F16 e FA-18, conhecida como Bichin Betty

E já que enveredamos por essa praia de vozes, conheçam as que fazem parte do nosso dia-a-dia, como a voz das máquinas de estacionamento, de espera telefônica, etc

Tags: , ,

Sobre o Autor

Um técnico com bom senso :) 28 anos de aviação comercial, de Lockheed Electra a Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.
Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. O Aviões e Músicas possui moderadores de comentários e se reserva o direito de apagar quaisquer comentários que sejam ofensivos ou que não contribuam para uma discussão saudável. Pontos de vista divergentes são muito bem aceitos e incentivados, desde que se mantenha o mínimo de civilidade. Este é um espaço para discutirmos aviação :)
  • Rodrigo

    Lito bom dia, sei que não faz parte do tópico, porém queria tirar uma dúvida se possível. Ontem 10/12/11 fui no morrinho de Guarulhos ver uns pousos e decolagens, notei que o 777-300 ER da Singapore pousou em emergência na 09R, ficou uns 15/20 minutos na pista e depois foi rebocado para o TPS, alguns carros e caminhões do aeroporto cercaram o avião, vc sabe o que aconteceu???

    • http://www.avioesemusicas.com Lito

      Não, não sei, não falei com o pessoal da American por esses dias.(que atende a Singapore)

      • Rodrigo

        Obrigado e parabéns pelo blog!!!

  • Goytá

    A Íris Lettieri é uma unanimidade! Muitos anos atrás, na Alemanha, conheci um casal que já tinha estado no Brasil e a primeira coisa que me perguntaram foi quem era a mulher com aquela voz supersexy do aeroporto do Rio. Um dom raro. Eu, infelizmente, sou “taquarítono” mesmo, mas tenho um amigo que tem um vozeirão de barítono e trabalha com locução profissional. Ele gosta muito do que faz.

    A voz da Carolyn Hopkins não é lá essas coisas, mas ela é muito simpática. Morri de rir da dificuldade dela com “similarly” e “regularly”! Lembrei-me da minha mãe, que nunca conseguiu falar inglês e uma vez contou de quando, de maldade, fizeram que ela tentasse cantar “Tenderly”, do Nat King Cole. A música tem um verso que diz “breathlessly” e esse “th”, ainda mais seguido de consoante, é terrível para muitos brasileiros, ainda mais para ela, coitada… Ela disse que o pessoal deu gargalhadas com o que saiu da boca dela!

    Adorei o jeito escrachado da Ana Maria Melo! Só acho que ela deve ficar muito restrita no trabalho dela, porque ela tem um sotaque paulistano muito carregado. A Vanessa já conseguiu um sotaque mais neutro, por isto pega trabalhos para grandes bancos e outras empresas de alcance nacional. Acho que foi ela quem gravou a espera telefônica para uma livraria que um amigo meu tinha (hoje fechada).

    Agora, Lito, isto me leva a uma pergunta: com tanta tecnologia avançadíssima embarcada nos aviões de hoje, por que diabos o sistema de som deles ainda soa como um rádio de válvula de 1940 (só falta a estática…) e a gente tem que prestar a maior atenção para conseguir entender alguma coisa dos “speeches”? Se conseguem botar “mood lighting”, AVOD e o escambau, por que não conseguem botar alto-falantes decentes e uma acústica que dê para ouvir direito nos aviões?

    • Gabriel

      Excelente questionamento! É realmente dificil entender alguma coisa nos alto-falantes de avião. Especialmente se você estiver em um Air France, pois entender Francês falando Inglês é dose! E como eu sou tão fluente em Francês como em Russo, o Inglês é a única opção… :)

      • Goytá

        Charles Aznavour: “theinn in the olllld-fashieuned vay.. veun’t yeu staïe in my arrrms… jeust mellllt againest my skine ond let me feellll yeur hearrrrt…” Hehehe! Mas o contrário também é engraçado: Dexter Gordon em “Por Volta da Meia-Noite” sentando-se num bistrô em Paris e pedindo, “Say voo play, an djoo dorrendj prressay ate an pakay day Pall Mall” (“S’il vous plaît, un jus d’orange pressé et un paquet de Pall Mall” – “por favor, um suco de laranja espremido na hora e um maço de Pall Mall”). :-)

        Mas quando fui à Europa, fui justamente de Air France, num 747 lotado. Os comissários até falavam português e inglês inteligíveis, mas o pior foi aquela finura, aquela educação, aquela gentileza, aquela simpatia que é tão característica dos franceses… NOT! Bem, mas consegui desembarcar sem levar nenhum tabefe deles e com meus tímpanos ainda funcionando, e ainda foi menos ruim nesse quesito que aquela notória e campeoníssima companhia aérea AAmericana, sabe? Essa já é até folclórica, é “hors concours”!

        • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000783697773 Gabriel Albuquerque

          Já ouvi falar bastante da qualidade e simpatia do serviço de bordo desta tal AA. Inclusive terei minha primeira experiência nela – aliás, uma longa experiência – em duas semanas. Primeiro um longo vôo de 10h em um T7 para JFK, seguido de outro , com cerca de 1h30m, em um ERJ-140, para YUL. Na volta, serão 4 horas de YUL para MIA em um 737, seguido de mais longas 8 horas em um 767, de volta ao GIG. Tempo mais que suficiente para gozar da famosa hospitalidade da AA. Quando voltar, conto a vocês como eu comi bem e fartamente e como passei parte da noite conversando com a simpaticíssima chefe de cabine. :)

          • http://www.avioesemusicas.com Lito

            Hahaha, não esqueça de fazer seu relato quando voltar!

          • Goytá

            Prepare-se, Gabriel… Comigo, os latidos já começaram no pré-check-in em GRU, enquanto a moça destroçava meu passaporte ruidosamente procurando o visto. Quando entrei no avião, um comissário com cara de nojo deu uma rápida olhada no meu cartão de embarque, berrou “down the aisle!” (como quem dá uma ordem, não como quem indica uma direção) e virou as costas. Depois descobri que esse comissário era brasileiro, ao ouvi-lo falar português sem sotaque com outro passageiro, mas acho que até eles têm que obedecer o que parece ser a política da empresa, baseada na da Gestapo…

            Mas os três únicos contatos posteriores que tive com a tripulação (acho que felizmente) foram quando uma senhora com cara e jeito de solteirona mal amada passou murmurando entre dentes “chicken or pasta?” (não que eu creia que desse para notar a diferença… pelo menos na Air France a gente de fato come bem, mesmo na “ipsilone”), depois quando dois comissários (inclusive o tal brasileiro) passaram com cara de quem cumpre uma obrigação penosa empurrando o carrinho de quinquilharias de luxo e balbuciando “duty-free, duty-free” (e olhe que eles ganham comissão) – não vi ninguém comprar, por que será? – e quando uma comissária passou com as fichas de imigração e só levantou a sombrancelha quando passou pela minha poltrona (como quem diz “so what, do you need one of these, cucaracha?”).

            Isso foi num 767, GRU-DFW. As poltronas eram um caso à parte: já provocaram risadas nervosas dos brasileiros na hora do embarque, ao verem a sucessão de poleiros onde teriam que passar 10 horas. Os encostos eram finos como tábuas e com acolchoado milimétrico, de modo que foi uma experiência de faquir. Reclinar? Se foram 5 graus, foi muito! E ainda bem que sou baixinho e minhas pernas felizmente couberam sem que eu tivesse que ficar em posição de ioga. A volta não foi muito melhor. Não sei como é o 777 da AA – o da United é MUITO bom (peguei-o em outra viagem, GRU-ORD ida e volta) e o serviço de bordo merece esse nome, mas nunca fiquei tão feliz em desembarcar de um avião quanto daquele 767 que mais parecia uma câmara de tortura voadora!

            O serviço doméstico da AA é mais decente (embora aquele MD-80 seja de matar!); peguei-o várias vezes e os comissários até esboçam um sorriso, BEM de vez em quando… E o ponto forte da AA é que os serviços de apoio em terra lá nos EUA são muito organizados – bem mais do que na United, na qual também fiz alguns trechos domésticos. O check-in é rápido, os funcionários são bem preparados para passageiros estrangeiros, essas coisas. Mesmo assim, nem chegam perto da simpatia (real) da Southwest, que pode ser “low cost” mas deu para ver que o sucesso dela não foi só por isso. Agora, outro voo de longa distância na AA, só se for caso de vida ou morte! E no seu caso, para ir ao Canadá, só o fato de ter que passar pela imigração americana duas vezes sem necessidade já me teria feito optar pela Air Canada, mesmo que fosse mais caro.

    • http://www.avioesemusicas.com Lito

      Excelente pergunta, acho que os engenheiros devem ter a resposta. O áudio a bordo do B777 é infinitamente superior ao do 767. Como o peso do autofalante é diretamente proporcional a sua qualidade e tudo em avião te que ser o mais leve possível  acho que há um comprometimento da qualidade em favor do peso. Mas vou questionar a Boeing sobre isso, não sei se terei resposta. Abs.

      • Goytá

        Olhe, considerando o sonzão de altíssima qualidade que algumas caixinhas atuais minúsculas da Bose, Harman Kardon, Altec Lansing, JBL e até algumas mais “top” da Logitech têm, duvido que o peso seja problema…

        • http://www.avioesemusicas.com Lito

          Aí já entra o fator preço..hahaha. Pra te falar a verdade eu não sei como estas caixas modernas fazem para compensar a falta de peso do imã que faz o cone mexer, talvez por aumento do eletromagnetismo? que se tornaria um problema a bordo? Realmente não sei a resposta  e espero que a Boeing possa clarificar.  

  • http://www.facebook.com/people/Denilson-Carlos-Pereira-Carlos/100001484127335 Denilson Carlos Pereira Carlos

    Uauuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu! WANESSA CALHEIROS estou profundamente arrependido pelas vezes que ti mandei pro infer…, pelas vezes que ti chinguei de desgraçaaad …, de vac….. Agora que sei o seu nome, sei quem é você (graças ao Litão), VOCÊ QUER CASAR COMIGO? rs

  • Daiane _Oliveira

    Olá pessoal, estou aqui para a divulgação do blog do Cmte.Dato de Oliveira
    Lá você vai encontrar alguns de seus vídeos, fotos, textos, poemas e frases.
    Para quem não o conhece, ele foi piloto do Globocop, helicóptero da Rede Globo.  Participou do filme “VIPs”, contracenando com Wagner Moura,fazendo o personagem Chicão,um piloto de avião envolvido em contrabando.
    Ele foi entrevistado, recentemente, no Programa do Jô. Nessa entrevista Dato relata algumas de suas aventuras, nesses quase 35 anos de aviação e fala sobre seu livro “Voar é a Segunda Melhor Coisa do Mundo.” 

    Seu Blog é:http://cmtedato.blogspot.com/

    “Aguardamos Sua Visita”

    “Obrigado”

  • Daiane _Oliveira

    Muito bacana o Blog.

  • http://www.facebook.com/rndomingues Rodrigo Domingues

    A voz da Bitchin Betty podia estar no CAWS de outras aeronaves também… melhor ela do que os “homens” que falam nas outras aeronaves da Boeing e da Airbus!

  • http://www.facebook.com/rndomingues Rodrigo Domingues

    Gostei também do “rumo” que este post tomou: dos aeroportos para as cancelas de estacionamento hehe.

banner aem
Topo